EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Atores negros de Hollywood lembram herança de Martin Luther King

Atores negros de Hollywood lembram herança de Martin Luther King
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

50 anos depois da morte do líder dos direitos cívicos, estreia "Acrimony", um filme em que o elenco é constituído quase exclusivamente por afro-americanos.

PUBLICIDADE

Nos 50 anos da morte de Martin Luther King, os atores de "Acrimony" lembram a herança do grande lutador pelos direitos dos negros norte-americanos.

O filme de Tyler Perry estreou agora nos Estados Unidos e tem um elenco praticamente todo constituído por afro-americanos. Taraji P. Henson tem o papel principal. Crystele Stewart, que foi miss Estados Unidos em 2008, entra também no filme: "Martin Luther King significa tudo para mim. É por causa dele que estou aqui hoje e que posso falar consigo à vontade. Martin Luther King fez com que os afro-americanos pudessem mostrar a todos a sua criatividade, por isso todos nós respeitamos e amamos Martin Luther King", diz a atriz.

"Hoje estou nesta passadeira vermelha e estou num filme por causa do impacto que ele teve na minha vida", diz Taraji P. Henson. Para Lyriq Bent, também ator no filme, "falamos sobre a grandeza do que ele fez, mas não a vivemos. Esse é o próximo passo. Já falámos demasiado sobre isso, agora é altura de começar a viver essa verdade".

Os negros estiveram afastados dos Óscares até à vitória de Sidney Poitier em 1964, por "Lilies of the field". Só quase 40 anos depois um negro voltaria a ganhar um Óscar - foi Denzel Washingron, em 2002, com "Training Day". No mesmo ano , Halle Berry foi a primeira afro-americana a ganhar um Óscar como atriz principal, por "Monster's Ball".

"Percorremos um longo caminho, mas tentam puxar-nos para trás. Temos de resistir e ir em frente", diz Al Sharpton, ativista dos direitos cívicos e contemporâneo de MLK.

"Há ainda muito trabalho para fazer. Mas tenho esperança, devido a todos os jovens que vimos mexer-se pela reforma na legislação sobre as armas. Onde há vontade, há um caminho. Isso significa algo diferente, hoje. Tenho muita esperança no futuro", diz Angela Rye, advogada e comentadora política.

"Acrimony" é um thriller psicológico, que conta a história de uma mulher que decide levar a cabo uma viongança contra o marido infiel. O filme estreou agora nos Estados Unidos e Canadá. Não está, para já, prevista a estreia nos ecrãs europeus.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Martin Luther King: 50 anos de uma mensagem que não morre

A Gamesummit 2024 prevê competições emocionantes, espetáculos e debates interessantes sobre jogos

"Tudo no Classic Violin Olympus é único!": uma entrevista com Pavel Vernikov