EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Ed Lay, Editors: "O 'brexit' não faz qualquer sentido"

Ed Lay, Editors: "O 'brexit' não faz qualquer sentido"
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O baterista e o guitarrista do grupo britânico falam num "dia bem sombrio" aquele em que os britânicos votaram a saída da União Europeia

PUBLICIDADE

A menos de um ano da entrada em vigor do Brexit, falámos em exclusivo com dois membros da banda britânica Editors sobre o dia em que o Reino Unido votou a saída da União Europeia.

O grupo atuava nessa sexta-feira no mítico festival de Glastonbury, mas o guitarrista Justin Lockey fala num dia "sombrio".

Justin Lockey, guitarrista:
"Foi um dia bem sombrio quando isso aconteceu. Como liberais, eu e o Ed em especial, temos essa falsa esperança de que todos façam o correto.

"Tocámos em Glastonbury quando o 'brexit' ganhou e isso foi perturbador. Tu estavas mesmo perturbado, Ed."

Ed Lay, baterista e fundador do grupo:
"Sim! Afetou-me. Acabei de ler uma entrevista em que alguém dizia sentir que as pessoas pareciam ter votado a nossa saída de algo que não era obviamente perfeito, algo que quando foi criado não era perfeito, mas que nos dava a todos um sentimento de união.

"Se alguém tenta ser exclusivo, ficar apenas na sua, trabalhar sozinho sem a ajuda nem a orientação de outros, tanto em termos emocionais como políticos, esse alguém vai acabar por ter problemas.

"Não creio que estejamos a passar uma fase pacífica se nos desligamos do resto do mundo.

"Neste momento, com tudo o que que está a acontecer, com todos os conflitos, parece-me insensato de todo cortar os laços com os nossos melhores amigos.

"Para mim, o 'brexit' não faz qualquer sentido e deixa-me muito chateado em relação ao futuro do Reino Unido."

Justin Lockey, guitarrista:

"Dá ideia que fizemos algo com o qual, em vez de crescermos cultural, política, cientificamente, o que acabámos por fazer foi essencialmente obrigar a próxima geração, no lugar de se dedicar a fazer algo criativo e útil, a investir o tempo a tentar desfazer o que fizemos."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Editors falam de Avicii: A pressão sobre os músicos "existe e é bem real"

A Gamesummit 2024 prevê competições emocionantes, espetáculos e debates interessantes sobre jogos

"Tudo no Classic Violin Olympus é único!": uma entrevista com Pavel Vernikov