EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Morrer no Holocausto através das redes sociais

Morrer no Holocausto através das redes sociais
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Eva Heyman morreu em Auschwitz, aos 13 anos. Pai e filha israelitas reescreveram a sua história como se existissem smartphone e redes sociais.

PUBLICIDADE

Eva Heyman morreu em Auschwitz, aos 13 anos, em 1944. Mais de 70 anos depois Mati e Maya Kochavi, pai e filha israelitas, resolveram reinventar a sua história como se nos anos quarenta, do século passado, já existissem smartphone e redes sociais. 

Partindo desse ponto criaram, ficcionando, o seu diário, com histórias que a jovem poderia ter relatado na sua conta de Instagram. "Eva.Stories" são 70 episódios, nos quais Mia Quiney, uma jovem atriz britânica, representa a vida de Eva até à chegada dos nazis à sua cidade natal e a deportação para Auschwitz, de onde não regressará. Eva.Story tem 1,5 milhão de seguidores no Instagram.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Escolas dos EUA banem obra que ganhou Pullitzer. Comunidade está contra a decisão

Sobrevivente recorda o Holocausto

“Lest We Forget” contra o esquecimento do Holocausto