This content is not available in your region

Dia de "Glória" para a ficção portuguesa

euronews_icons_loading
Glória
Glória   -   Direitos de autor  Netflix
De  Francisco Marques  com Lusa

Esta sexta-feira fica na história da ficção portuguesa com a estreia de “Glória”, a primeira produção nacional para a Netflix. Albano Jerónimo, que interpreta o agente soviético "Dassaev", falou em exclusivo à Euronews sobre este marco história para a produção nacional.

Realizada por Tiago Guedes, "Glória" é um 'thriller' de espionagem e ação passado em Portugal nos anos finais da ditadura do Estado Novo e durante a Guerra Fria. É uma história de ficção assente num contexto e em factos reais.

A ação concentra-se na aldeia da Glória do Ribatejo, onde durante décadas funcionou um centro norte-americano de transmissões (RARET), que tinha como objetivo transmitir "propaganda ocidental para os países do Bloco de Leste".

A história é protagonizada pelo engenheiro João Vidal (o ator Miguel Nunes), filho de um alto dirigente do Estado Novo, recrutado pelo KGB, a polícia secreta de Moscovo.

A série conta com a participação de Victoria Guerra, Afonso Pimentel, Adriano Luz, Carolina Amaral, Joana Ribeiro, Albano Jerónimo, Marcelo Urgeghe, Stephanie Vogt e Jimmy Taenaka, entre outros.

"Glória" chega à Netflix numa altura em que outras plataformas de 'streaming' estão também a produzir e a exibir séries de ficção portuguesa, como "Auga Seca", cuja segunda temporada também se estreia hoje na HBO Portugal, e "Operação Maré Negra", para a Amazon Prime Video.

Estreia em 190 países do mundo

A Euronews falou com Albano Jerónimo, que interpreta "Dassaev", um cientista russo que se torna espião em Glória do Ribatejo.

O ator destacou o “feito” de uma série portuguesa estrear no mesmo dia em 190 países do mundo inteiro e disse que “o mais importante é que a cultura e perspetiva portuguesas sejam conhecidas em todos estes países".

"É sempre incrível ter no currículo a participação numa série da Netflix. Entramos numa roda internacional que dá aos atores um bom eco e perspetiva para os agentes internacionais" sublinha o ator.

Para Albano Jerónimo,“Glória” é um bom exemplo de "rigor, requinte, bom gosto e do trabalho excelente de Tiago Guedes". O ator espera que a médio e longo prazo, a Netflix mantenha o rigor e a urgência e que não caia no facilitismo de numa massificação de conteúdos.