Novas descobertas arqueológicas no Iraque

Novas descobertas arqueológicas no Iraque
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Euronews com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os investigadores estão de regresso aos sítios arqueológicos do Iraque. Uma importante descoberta foi feita no sítio de Larsa, no sul do país

PUBLICIDADE

Os investigadores estrangeiros estão de volta ao Iraque para prosseguirem as descobertas de tesouros culturais e milenares. No final de 2021 havia 10 missões estrangeiras na província de Dhi Qar, no sul do país.

Membros de uma expedição franco-iraquiana acabam de fazer descobertas importantes no local da cidade-estado suméria de Larsa

O arqueólogo francês, Régis Vallet, do Centro Nacional de Investigação Científica (CNRS) fala-nos do sítio arqueológico: "Aqui, estamos no sítio arqueológico de Larsa, no sul do Iraque, a poucos quilómetros da atual cidade de Nasiriyah. Larsa é um dos maiores sítios do Iraque, uma vez que, de acordo com as últimas medições que a missão acaba de realizar, cobre mais de 200 hectares. Para vos dar uma ideia, tem a mesma dimensão que Paris na época de Filipe Augusto".

Ibrahim Salman, arqueólogo do Instituto alemão de Arqueologia, revela: "Encontrámos pistas que sugerem que uma igreja pode estar enterrada sob este local. E pode haver um santuário".

O entusiasmo é enorme. Ibrahim diz que este sítio é muito menos antigo que outros, mas serve para nos lembrar que "o Iraque, ou Mesopotâmia, é o berço das civilizações". "É tão simples como isso"! Afirma.

Régis Vallet diz que Larsa é como um parque arqueológico e um "paraíso" para explorar a antiga Mesopotâmia, que acolheu através dos tempos o império de Akkad, os babilónios, Alexandre o Grande, os cristãos, os persas e os governantes islâmicos.

No entanto, a história moderna do Iraque - com a sua sucessão de conflitos, especialmente desde a invasão liderada pelos EUA em 2003 e as suas consequências sangrentas - tem mantido os investigadores estrangeiros à distância.

Só desde que Bagdade declarou vitória nas batalhas territoriais contra o grupo do Estado islâmico em 2017 é que o Iraque "estabilizou em grande parte e voltou a ser possível" visitar, disse Vallet, que acrescentou: "Os franceses voltaram em 2019 e os britânicos um pouco mais cedo". "Os italianos regressaram já em 2011", concluiu.

O diretor do Conselho de Antiguidades e Património do Iraque, Laith Majid Hussein, diz-se encantado por desempenhar o papel de anfitrião, e feliz por o seu país estar de volta ao mapa para expedições estrangeiras.

"Isto beneficia-nos cientificamente", afirmou à AFP, acrescentando que se congratula com a "oportunidade de formar o nosso pessoal após uma interrupção tão longa".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Foto comovente de Gaza vence o World Press Photo

Lennon e McCartney estão de volta, mas não é o que está a pensar

Último quadro de Caravaggio vai ser exposto pela primeira vez em 20 anos