EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Arte síria de intervenção em Paris

Arte síria de intervenção em Paris
Direitos de autor from AFP video
Direitos de autor from AFP video
De  Teresa Bizarro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Artista exilado comove com obras que lembram a devastadora destruição da Síria

PUBLICIDADE

"Levantem-se! O Rei dos Buracos" é o título da obra que interpela quem passa na Rua de Saint-Martin, em Paris. Um imperativo em forma de crítica que leva a assinatura de Khaled Dawwa, um artista sírio exilado em França desde 2014.

Fugiu da guerra, mas insiste em contar a história da destruição do país onde nasceu.

"Como artista, sinto a responsabilidade de usar a arte uma vez que tenho os instrumentos para me expressar, ao contrário de outros sírios. Neste projecto, tentei, antes de mais, concentrar-me na vida das pessoas que lá estiveram, nas suas vidas, o quotidiano, as memórias, e como é um bairro massacrado. Eu queria trazer comigo um pedaço da Síria para mostrar realmente o que se está a passar neste momento," Khaled Dawwa.

Usar a arte para denunciar a ditadura

Um bairro, uma enorme representação do bairro de Ghouta, nos subúrbios de Damasco, construido no atelier de Paris, é uma declaração de amor. Chama-se "Aqui está o meu coração!".

Na visita guiada, Dawwa explica que tudo é imaginado em âncoras reais. "Nas casas, há fotografias reais. Vemos pessoas reais que morreram ou estão nas prisões do regime ou foram massacradas. São amigos e pessoas cuja história eu conhecia," diz. Aponta para uma foto em miniatura: "Por exemplo, este senhor é Ali Mustafa, um amigo que conheço desde criança e é prisioneiro do regime há 8 anos e ninguém sabe onde é que ele está agora".

"Aqui está o meu coração!" é um manifesto pessoal, mas também uma obra de crítica social e política. A escultura de Khaled Dawwa poderá ser adquirida em breve por um grande museu francês.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Tudo no Classic Violin Olympus é único!": uma entrevista com Pavel Vernikov

Exposição da Galeria Saatchi explora a mudança da fotografia de moda

Art Paris 2024: a cena artística francesa no centro das atenções, com jovens talentos em destaque