EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

A cultura ancestral da espada na Europa e na China

A cultura ancestral da espada na Europa e na China
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Paul Hacketteuronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vamos explorar os laços antigos que ligam a China à Europa através das técnicas de fabrico de espadas.

PUBLICIDADE

Vamos explorar os laços antigos que ligam a China à Europa através das técnicas de fabrico de espadas.

Forjada há 2600 anos, a Espada Longquan foi a primeira do género feita de ferro na história chinesa.

Na Europa, os mestres soldadores fizeram de Toledo, em Espanha, um dos centros mais importantes do mundo para o fabrico de espadas.

A tradição chinesa da espada Longquan

A espada Longquan é uma das armas mais icónicas da China. Até hoje, os mestres espadachins seguem a antiga tradição da forja. A areia de ferro, de Longquan dá às lâminas uma elevada resiliência e solidez. São preciso entre quinze e vinte quilos de areia de ferro para forjar uma espada.

A forja é um processo complexo. Um dos desafios é a martelagem. O aço tem de ser aquecido até ficar amarelo. Depois é moldado na bigorna. Nos tempos antigos, apenas os melhores artesãos da China se tornavam espadachins.

euronews
As "Espadas do Céu” da China forjadas a partir de ferro meteóricoeuronews

Um processo complexo

Na segunda fase do processo, usa-se uma faca especial para moldar os lados da lâmina. É preciso perícia para alterar a espessura e o ângulo das espadas. Depois, a lâmina é reaquecida e apagada antes de ser polida e posteriormente decorada.

Hu Xiaojun é um dos espadachins mais célebres de Longquan. Apaixonado pela tradição, recuperou muitas das técnicas antigas. Tornou-se conhecida pelas chamadas "Espadas do Céu”,  forjadas a partir de ferro meteórico.

“Aqui temos o chamado padrão Widmanstatten: ferro cristalizado e níquel depois de centenas de milhões de anos de arrefecimento. É muito complexo”, disse à euronews Hu Xiaojun.

euronews
Júlio Ramirez, o único mestre forjador de Toledo que ainda fabrica espadas à mãoeuronews

As temidas e veneradas espadas de Toledo

Famoso desde a época romana, o aço de Toledo é conhecido pela sua elevada qualidade. Os ferreiros passaram séculos a aperfeiçoar a forja. Por isso, as espadas de Toledo eram temidas e veneradas em todo o mundo.

Júlio Ramirez é o único mestre forjador da cidade que ainda fabrica espadas à mão, o último elo de uma tradição que dura há mais de dois milénios.

"O aço de Toledo é uma técnica que consiste em soldar duas camadas de aço no exterior, nas arestas de corte, e uma camada de ferro no interior. O que nos dá uma lâmina muito dura e muito flexível . É a diferença entre o aço Toledo, que é muito resistente a choques, e um aço que não é de Toledo, que se partiria. Essa é a diferença", explicou Julio Ramírez.

euronews
O significado cultural da espada na Chinaeuronews

Flexibilidade e resistência

Para obter flexibilidade e resistência, a lâmina é aquecida a cerca de 800 graus Celcius. Depois é arrefecida em água. Um processo que fortalece o aço.

"Temos de voltar a aquecê-la, a cerca de 250 graus, mais ou menos. O que permite remover as tensões internas do aço e obterer uma lâmina mais flexível”, acrecentou Julio Ramírez.

A etapa seguinte é moldar, polir e montar as lâminas.

Apesar das semelhanças, as espadas não era fabricadas e usadas da mesma forma, na Ásia e na Europa.

"Parece a mesma arma, mas são diferentes. A espada europeia foi concebida para ser usada com a ponta e para atacar, não para cortar, por isso não tem aresta”, explicou Santiago Encinas, diretor da empresa Espadas Mariano Zamorano.

euronews
Encenação de um combate medieval no castelo de Almodovar Del Rioeuronews

O significado cultural da espada na China

“Na China, uma espada é uma arma, mas, é mais do que uma arma”, frisou Hu Yang, bailarino principal do Teatro de Ópera e Dança Nacional da China.

As espadas dão ênfase às diferentes emoções e indicam o estatuto da personagem.

PUBLICIDADE

“A espada não existe sozinha. Está enraizada na nossa cultura. Para Confúcio, a espada não era só uma arma. Era um símbolo de poder, que fazia parte de um protocolo. Uma criação artística deve ser combinada com um conteúdo cultural para mostrar o lado inteletual”, acrescentou o bailarino chinês.

euronews
O castelo de Almodovar Del Rio em Espanhaeuronews

Os grupos de combate em Almodovar Del Rio

No castelo de Almodovar Del Rio, a história ganha vida através de encenações vindas de todo o país.

O grupo de combate medieval Bohurt Zona Sur presta especial atenção aos detalhes, para recriar o passado.

"A nossa armadura baseia-se na armadura da idade medieval, geralmente dos séculos XIV a XVI. E é autêntica. Não importa qual é o passado e a formação do praticante, a técnica melhora sempre à medida que avançamos”, contou Samantha Chapman, praticante de combate medieval.

"Este desporto é incrível, leva-nos ao limite. Estamos a fazer algo histórico, com trinta quilos de armadura. É tudo extremamente épico e incrível", frisou o combatente espanhol Rafael Maldonado.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Os laços entre a Europa e a China através do fabrico da seda