EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Graces": O manifesto da libertação do corpo

Imagem do espetáculo "Graces" da coreógrafa italiana, Silvia Gribaudi
Imagem do espetáculo "Graces" da coreógrafa italiana, Silvia Gribaudi Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O espetáculo "Graces", da coreógrafa Silvia Garibaudi, inspirado na escultura de Canova, esteve em cena em Lyon e parte em digressão pela Europa.

PUBLICIDADE

A coreógrafa italiana, Silvia Gribaudi, está de volta ao palco com um novo espetáculo, 'Graces', apresentado na Maison de la Danse em Lyon, França, antes de uma digressão por toda a Europa.

Com este espetáculo, cujo nome se refere às três Graces do escultor Antonio Canova, a antiga bailarina clássica representa um encontro de corpos, sem papéis de género, para dançar ao próprio ritmo da natureza.

No palco, três artistas - Siro Guglielmi, Matteo Marchesi, Andrea Rampazzo - e a própria Silvia Gribaudi. O resultado de anos de exploração de estereótipos de género, de identidades masculinas e femininas, que vai muito além da dança para se abrir às outras artes performativas e encenar um corpo livre.

A relação com o corpo

Em entrevista à Euronews, a coreógrafa explica: "Com respeito ao corpo, estamos obviamente inundados de estereótipos. E cada um de nós decide então como estar dentro das formas do corpo. A palavra perfeito, não perfeito, são sempre palavras escorregadias, na minha opinião, precisamente porque existe uma zona quase desconhecida, uma zona limite dentro da qual talvez a perfeição, a imperfeição já não exista, mas existe simplesmente uma forma feita de força, volume, espaço. O corpo também é feito disto".

Silvia Gribaudi é também especializada em artes performativas em geral. Desde 2004 que tem centrado a sua investigação no impacto social dos corpos, tendo colocado no centro da sua linguagem coreográfica o elemento cómico e a relação entre o público e os intérpretes.

Os seus espetáculos têm sido apresentados em vários festivais nacionais e internacionais e são o resultado de um processo criativo que se concentra no diálogo e no encontro poético com outros artistas, companhias de dança, e comunidades.

Graces é um projeto inspirado em "The Three Graces", escultura criada por Antonio Canova entre 1812 e 1817. A obra é inspirada na mitologia. As três filhas de Zeus - Euphrosyne, Aglaea e Thalia - irradiavam esplendor, alegria e prosperidade. Três figuras masculinas sobem ao palco num espaço e tempo suspenso entre o humano e o abstrato: um lugar onde homens e mulheres se encontram, sem papéis, e dançam ao ritmo da própria natureza.

Durante os últimos dez anos, Silvia Gribaudi tem questionado os estereótipos de género, as identidades feminina e masculina e o conceito de virtuosismo na dança e na vida quotidiana, expandindo-se para além dos clichés e das aparências.

Em direção  à autoaceitação

Silvia Garibaudi analisou também nesta entrevista a sua relação com o ballet e formas de arte mais tradicionais. "Fui bailarina de ballet, sempre adorei ballet. Continuo a amá-lo e a respeitá-lo. Certamente uma formação académica com padrões muito precisos, por isso os corpos que têm de responder a medidas muito precisas (...) Para mim foi realmente importante encontrar uma originalidade no corpo e na expressão do corpo, bem como dar força ao que se tem a dizer, independentemente da sua aparência física. Portanto, foi uma busca e ainda é".

Com o seu trabalho, Silvia Gribaudi ajudou uma série de jovens, a revisitar a dança:  "Muitas raparigas e rapazes escreveram-me dizendo que lhes dei esperança. Pensei que já tinha acabado a dança. Também há espaço para mim, graças a vós vi que este espaço existe. Digamos que este tipo de mensagens me assusta um pouco porque significa que, ainda em 2023, existem pressões sobre o desempenho físico de um atleta".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Exposição mostra o génio sempiterno de Michelangelo

Quadro de Gustav Klimt vendido por 30 milhões de euros num leilão em Viena

Fantasmas do Passado: A artista Mónica de Miranda mergulha na história colonial de Portugal