EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Phubbing: Como o telemóvel pode arruinar uma relação

Phubbing é quando os casais se desprezam um ao outro através dos telemóveis, afetando negativamente a relação
Phubbing é quando os casais se desprezam um ao outro através dos telemóveis, afetando negativamente a relação Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Amber Louise Bryce
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Passa mais tempo ao telemóvel do que com o seu parceiro? Pode ser um phubber - e isso é um grande sinal de alerta.

PUBLICIDADE

Para **Amy***era a distância que corroía a relação lentamente e depois a consumia por inteiro.

"Eu chegava a casa do trabalho e ia falar com ele, mas ele estava sempre no telemóvel a percorrer o Reddit ou o Instagram, mal olhava para cima para registar a minha presença ou o que eu estava a dizer."

Amy, uma gestora de contas de 31 anos de Londres, esteve com o seu parceiro durante seis anos antes da relação se desmoronar em 2021, em parte devido à falta de comunicação e à concentração no telemóvel.

"Sempre que eu falava sobre o que sentia, ele desdenhava. Era uma coisa pequena que se tornou enorme na minha cabeça e aumentou o sentimento de ser ignorada na relação".

Cada vez mais frequente na era dos smartphones, este sinal de alerta na relação tem um nome: "Phubbing", ou seja, desprezar o parceiro para passar tempo ao telemóvel.

Canva
O "phubbing" pode fazer o parceiro sentir-se ignorado ou rejeitadoCanva

Um estudo turco, conduzido pela Universidade Niğde Ömer Halisdemir, descobriu que o phubbing tem um impacto negativo nos parceiros românticos de longo prazo, em particular, levando a "um aumento dos conflitos e à redução da intimidade nas relações".

Os cientistas examinaram o comportamento de 712 indivíduos casados, com uma idade média de 37 anos, medindo a satisfação conjugal, capacidades de comunicação e hábitos de phubbing. Em conclusão, aqueles que se sentiam mais "phubbed" relataram sentir menos satisfação no casamento.

"Os conflitos causados pelo phubbing podem levar a desentendimentos entre casais e prejudicar o sentimento de pertença", afirma Izzet Parmaksiz, responsável principal pelo estudo, publicado na revista Computers in Human Behaviour.

"Uma vez que não podemos eliminar a utilização do telefone e da Internet das nossas vidas, é importante que os indivíduos casados tenham consciência de como podem utilizar corretamente estas tecnologias em termos de satisfação da relação", explica Parmaksiz.

O phubbing também não se limita aos casais de longa data - pode acontecer, curiosamente, também nos primeiros encontros.

"A conversa estava a correr bem, mas, de repente, a pessoa saca do telemóvel e começa a enviar mensagens de texto enquanto eu estou a falar", diz Dan*, de 27 anos, um trabalhador da área da tecnologia em França e que foi recentemente vítima de phubbee.

"Estava disposto a dar o benefício da dúvida, mas continuava a acontecer e, depois da terceira ou quarta vez, fiz questão de parar de falar e não continuar a conversa até eles pararem".

Embora as razões para o phubbing sejam complexas e variadas, um estudo realizado por Yeslam Al-Saggaf, professor associado da Charles Sturt University e autor de The Psychology Of Phubbing, sugere que o vício em smartphones foi o maior fator de previsão, seguido de perto pelo medo de perder a oportunidade.

De um modo geral, é provável que todos nós estejamos a usar demasiado os telemóveis: As pessoas com idades compreendidas entre os 16 e os 64 anos passam, em média, 6 horas e 37 minutos por dia a olhar para os ecrãs, de acordo com a biblioteca de referência DataReportal.

Quer estejamos distraídos num encontro ou perdidos no TikTok antes de dormir, ficámos tão habituados a olhar para os nossos ecrãs que é fácil ignorar - ou mesmo aceitar - os efeitos negativos, apesar de estarmos conscientes deles.

Como é que se resolve um problema como o phubbing?

Depois de estar com um parceiro durante muito tempo, instala-se um conforto que pode permitir o aparecimento de maus hábitos.

"O que faz com que uma relação seja bem sucedida é reparar que algo está a acontecer e depois dar-lhe um nome", diz a psicoterapeuta Susie Masterson.

"Depois, o que tentamos fazer é fortalecê-la através de uma reparação, porque as relações bem sucedidas estão cheias de ruturas e reparações."

PUBLICIDADE

Uma estratégia para o fazer é criar contratos de negociação com o outro, marcando tempo todas as semanas para passar com o seu parceiro e deixar os telemóveis de lado, ouvindo ativamente as preocupações.

Penso que é preciso compreender o que se está a passar em ambas as partes, porque, na verdade, o "phubber" é potencialmente tão vulnerável e sente-se tão desligado, mas por razões diferentes das do "phubbee", explica Masterson.

Quando começamos a percorrer as redes sociais, estamos à procura de uma espécie de fuga ao caos, à incerteza e ao stress geral da vida que nos rodeia. Se um parceiro que se está a sentir rejeitado pelo phubbing o aponta, é normalmente como uma queixa, o que pode levar à defensiva de ambas as partes.

"O que eu sugiro às pessoas é que olhem, não apenas para o conteúdo do que [o parceiro, Ed.] está a dizer, mas que prestem atenção ao tom de voz, à forma como movem o corpo quando estão a falar consigo, e depois reproduzam o que pensam ter ouvido, mas utilizando todas as outras pistas [físicas, Ed.] para ajudar a dar sentido emocional ao que estão a dizer", aconselha Masterson.

"Quando fazemos isso, sentimo-nos ligados, sentimo-nos ouvidos, sentimos que somos importantes".

PUBLICIDADE

*Nomes alterados

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeira chamada com um telemóvel foi há 50 anos

Portugueses são mau exemplo no uso de telemóvel ao volante

Huawei lança primeiro telemóvel dobrável, o Mate X