EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

O fim do caminho para a fast fashion? A UE espera que sim

Uma mulher procura roupa usada no meio de toneladas de resíduos no deserto de Atacama, no Chile
Uma mulher procura roupa usada no meio de toneladas de resíduos no deserto de Atacama, no Chile Direitos de autor AFP via Getty Images
Direitos de autor AFP via Getty Images
De  Saskia O'Donoghue
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Estima-se que a indústria da moda é um dos maiores poluidores do mundo, sendo responsável por cerca de 20% das águas residuais do planeta e por cerca de 10% das emissões mundiais de gases com efeito de estufa. A UE está a tentar mudar esta situação, mas será possível?

PUBLICIDADE

Poderá a fast fashion estar finalmente a perder o fôlego? A União Europeia pensa que sim.

Muitos consumidores, estimulados pela Geração Z, afirmam querer ser mais sustentáveis nas suas escolhas de vestuário.

Os líderes do setor, Boohoo, Pretty Little Thing e ASOS, viram, de facto, os seus lucros sofrerem uma quebra nos últimos anos, mas a Zara e a H&M registaram enormes ganhos.

E a Shein, apesar das acusações frequentes de violação de direitos de autor e da viagem que pagou a influencers, continua a atrair milhares de clientes, ávidos de roupa barata e moderna.

O próprio facto de o gigante sediado na China ser capaz de acrescentar diariamente 6000 novas peças ao seu sítio web sugere que o conceito de fast fashion não vai muito longe.

Francisco Seco/The AP
Ir às compras continua a ser um passatempo para muitos, mas a que custo?Francisco Seco/The AP

A UE, no entanto, tem esperança de que o modelo prejudicial de consumo de vestuário possa em breve ser uma coisa do passado.

No mês passado, foram adoptadas recomendações para a estratégia do organismo, incluindo políticas para tornar as roupas mais resistentes, reparáveis e recicláveis. Também apoiaram regulamentos que sugerem que a produção deve respeitar os direitos humanos, sociais e de marca, o bem-estar dos animais e o ambiente ao longo de toda a cadeia de abastecimento.

"Os consumidores não podem, por si só, reformar o setor têxtil mundial através dos seus hábitos de compra. Se deixarmos que o mercado se auto-regule, deixamos a porta aberta a um modelo de fast fashion que explora as pessoas e os recursos do planeta", explica a eurodeputada Delara Burkhardt, acrescentando que "a UE deve obrigar legalmente os fabricantes e as grandes empresas de moda a operarem de forma mais sustentável".

Thierry Monasse/Getty
Delara Burkhardt é uma das eurodeputadas por trás dos planos da UEThierry Monasse/Getty

O custo real da fast fashion

A eurodeputada Delara Burkhardt e inúmeros outros eurodeputados há muito que apelam a mudanças na indústria da fast fashion, criticando a sua atitude arrogante para com os seres humanos e o ambiente.

"As catástrofes que ocorreram no passado, como o colapso da fábrica Rana Plaza no Bangladesh, o aumento dos aterros têxteis no Gana e no Nepal, a poluição da água e os microplásticos nos oceanos, mostram o que acontece quando não seguimos este princípio", afirma. "Já esperámos tempo suficiente. Está na altura de mudar!"

Embora a ideia seja transformadora em princípio, existem preocupações de todos os lados sobre se o regulamento seria capaz de ajudar os países fora da Europa.

Locais como o deserto do Atacama, no Chile, e as nações africanas do Gana e do Quénia recebem atualmente a maior parte dos resíduos têxteis do mundo.

O deserto de Atacama ganhou o indesejável título de "lixeira do mundo", depois de se saber que o espaço alberga cerca de 741 hectares de roupa deitada ao lixo. É o equivalente a uma área tão grande como o Central Park.

AFP via Getty Images
Vista aérea de vastas pilhas de roupas usadas descartadas no deserto do AtacamaAFP via Getty Images

Muitas das peças de vestuário aí existentes nunca foram usadas e, devido à sua baixa qualidade, são impossíveis de revender.

O Chile é o primeiro importador de vestuário em segunda mão na América do Sul, mas o grande volume de fast fashion produzido significa que grande parte dele é simplesmente deitado fora.

A montanha de fast fashion indesejada é má para o ambiente e para as pessoas que vivem nas proximidades.

Este é também o caso de países africanos como o Gana.

O país importa 15 milhões de peças de roupa em segunda mão todas as semanas. Conhecido localmente como "obroni wawu" - ou "roupa de homem branco morto", o Gana é o maior importador mundial de vestuário usado.

PUBLICIDADE

As roupas doadas a lojas de caridade de países como o Reino Unido, os EUA e a China são vendidas a exportadores e importadores que dão seguimento à cadeia vendendo-as a comerciantes de mercados como o de Kantamanto, em Accra.

Wikimedia Commons
O mercado de Kantamanto, em Accra, tem milhares de bancas que vendem roupas de retalhistas de baixo custoWikimedia Commons

No mercado de Kantamanto há milhares de bancas a vender vestuário de retalhistas de gama baixa como a H&M, a Primark e a New Look. Muitas das peças de vestuário ainda têm etiquetas de lojas de caridade.

É impossível vender tudo, devido à enorme quantidade de peças em exposição.

A Or Foundation, que financia projetos de impacto social em África, calcula que cerca de 40% do vestuário em Kantamanto é desperdiçado.

Enquanto uma parte é eliminada pelos serviços de gestão de resíduos, outras peças são queimadas perto do mercado, lançando no ar a poluição provocada pelos tecidos não naturais.

PUBLICIDADE
Wikimedia Commons
A Lagoa Korle está extremamente poluída por causa de roupas fast fashion descartadasWikimedia Commons

O resto é depositado em aterros informais. A comunidade de Old Fadama fica a apenas três quilómetros do mercado, mas é agora utilizada como um depósito de resíduos de vestuário.

Cerca de 80 mil pessoas vivem nesta zona, mas não é um sítio agradável para se viver. Muitas casas estão construídas em cima de lixo e os animais são obrigados a pastar em grandes pilhas de resíduos.

A lagoa Korle fica nas proximidades e desagua no oceano. A partir daí, os resíduos são arrastados para o mar, com as praias de todo o país cobertas de montes de roupa e têxteis indesejados.

“As pessoas e o planeta são mais importantes do que os lucros da indústria têxtil.”
Delara Burkhardt
eurodeputada

A UE espera passar de um modelo linear para um circular, em que cada peça de vestuário possa ser reutilizada, reciclada ou, no mínimo, feita para ser biodegradável e compostável.

Este é certamente um objetivo sensato, numa altura em que muitos de nós nos apercebemos da importância crucial de combater o impacto negativo da fast fashion no planeta.

PUBLICIDADE

No entanto, os críticos afirmam que não será suficiente para denunciar a tendência prejudicial e a natureza tentadora do vestuário barato e de fácil acesso.

SOPA Images/Getty
Roupa em segunda mão em exposição no QuéniaSOPA Images/Getty

Por que razão é tão difícil abandonar o hábito da fast fashion?

No meio de uma recessão económica e de uma inflação crescente, não é de surpreender que muitas pessoas com orçamentos apertados tenham dificuldade em afastar-se das marcas que oferecem roupa na moda e, sobretudo, muito barata.

Mesmo que alguns de nós tenham conseguido escapar às garras da fast fashion, optando por opções circulares, parece que as alternativas não são de facto muito melhores.

"Frequentemente apresentados como uma opção ecológica, os serviços de aluguer de roupa revelaram-se menos sustentáveis do que deitar fora as roupas após a sua utilização, aumentando a confusão dos consumidores sobre a forma de serem mais ecológicos", afirmam os analistas de consumo da Canvas8 à Euronews Culture.

A Fundação Ellen MacArthur estima que 30% das roupas novas feitas todos os anos nunca são usadas e parece que o problema não é apenas a durabilidade ou a falta dela.

PUBLICIDADE
SOPA Images/Getty
Roupa em segunda mão à venda no QuéniaSOPA Images/Getty

Um estudo francês de 2022 concluiu que, embora 35% das pessoas digam que deitam fora as suas roupas porque estão gastas, 56% dizem fazê-lo por as peças não lhes servirem ou estarem simplesmente fartas delas.

Parece que mais de 50% das roupas são deitadas fora por outras razões que não a durabilidade e grande parte do problema reside nos consumidores e não apenas nas próprias marcas de fast fashion.

Cally Russell, diretora executiva e co-fundadora da Unfolded, afirma à Euronews Culture: "Temos um excesso de produção em massa, impulsionado pelo facto de as marcas não saberem o que fazer para os consumidores e apenas perseguirem as vendas. Podem fazê-lo porque têm margens de lucro muito elevadas. Infelizmente, as marcas que criaram este problema não vão ser as que o vão resolver".

Será possível travar a indústria da fast fashion?

Há quem diga que o facto de a UE se centrar na revenda e na reparação não parece fazer sentido do ponto de vista financeiro, nem será suficiente para mudar as atitudes dos consumidores.

Várias marcas de fast fashion já estão a fazer progressos no sentido de fazer com que as suas roupas durem mais tempo. A gigante retalhista Zara começou recentemente a oferecer um serviço de reparação, mas quando o preço médio de 70% de todas as peças de vestuário compradas em França é de apenas 8,20 euros, é pouco provável que muitas pessoas optem por pagar mais do que isso apenas para ter um botão cosido ou um vestido remendado.

PUBLICIDADE
Thomas Trutschel/Photothek/Getty
A Zara começou recentemente a oferecer um serviço de reparação, mas alguns dizem que o custo é desencorajadorThomas Trutschel/Photothek/Getty

Muitos criticaram o aspeto da reparação e reutilização dos planos da UE. Já as propostas relativas à Responsabilidade Alargada do Produtor (RAP) foram mais elogiadas.

Ao abrigo deste regime, os retalhistas serão financeiramente responsáveis por todas as fases de fim de vida do vestuário. Isto inclui a recolha, a triagem e a reciclagem das peças de vestuário.

Embora as propostas de RAP ainda estejam em fase de elaboração, não foram ainda divulgados quaisquer pormenores. Mas, a não ser que as marcas sejam obrigadas a pagar uma taxa elevada, é pouco provável que mudem a forma como abordam a produção ou os seus modelos de negócio.

"Infelizmente, a legislação, por si só, não resolve o problema da fast fashion. A regulamentação é o ponto de partida para a mudança, mas enquanto houver procura por parte dos consumidores, as empresas encontrarão formas de contornar a regulamentação ou de a diluir", explica Cally Russell, acrescentando: "A verdadeira forma de resolver o problema da fast fashion é educar os clientes e mostrar-lhes que há outras formas de se envolverem na moda".

Alain Pitton/Alain Pitton/NurPhoto
Membros da organização Extinction Rebellion de Toulouse protestam numa loja pop-up da SHEIN, 2022Alain Pitton/Alain Pitton/NurPhoto

Que esperança existe de acabar com a cultura da fast fashion?

É evidente que as atitudes estão a mudar entre uma parte crescente dos consumidores.

PUBLICIDADE

Dados do eBay sugerem que o vestuário em segunda mão representa 22% do guarda-roupa dos jovens entre os 18 e os 34 anos no Reino Unido, sendo provável que este número aumente.

Grande parte deste grupo etário é constituído pela geração Z, muitos dos quais optam ativamente por comprar roupa em lojas de segunda mão e em aplicações para comprar e vender roupa.

No entanto, os chamados vídeos "haul" do TikTok que apresentam peças de vestuário de marcas como a Shein, que custam cêntimos, continuam a ser demasiado tentadoras para muitos. 

Enquanto os analistas de consumo da Canvas8 descobriram que 43% dos britânicos já se sentiram culpados por comprar em marcas como a Zara e a H&M, apenas 17% tencionam gastar menos em fast fashion nos próximos cinco anos.

Por detrás disto parece estar o preço, com 72% das pessoas inquiridas a afirmarem que optam por comprar fast fashion porque é "uma boa relação qualidade/preço".

PUBLICIDADE

No mesmo estudo, mais de metade dos britânicos admitiu saber muito pouco sobre o impacto da fast fashion, com muitos a dizerem que gostariam de receber mais informações de fontes oficiais.

Romy Arroyo Fernandez/Romy Arroyo Fernandez/NurPhoto
Ativistas da Extinction Rebellion protestam contra a Black Friday, em Amesterdão, em 2021Romy Arroyo Fernandez/Romy Arroyo Fernandez/NurPhoto

Uma das críticas feitas aos planos da UE é a falta de introdução de legislação sobre o salário digno.

Se esta fosse aplicada, significaria que os retalhistas deixariam de poder vender vestuário a preços muito baixos, uma vez que não poderiam contar com mão-de-obra barata.

A Shein, em particular, tem sido acusada de utilizar mão-de-obra barata e até escrava, com uma série de alegações relativamente às suas políticas laborais.

JADE GAO/AFP via Getty Images
Trabalhadores confecionam roupas numa fábrica da Shein, que há muito é acusada de abusos laboraisJADE GAO/AFP via Getty Images

No ano passado, a estação de televisão britânica Channel 4 enviou um trabalhador infiltrado a duas fábricas da Shein, em Guangzhou, e descobriu que os trabalhadores recebem um salário base de apenas 4 mil yuans por mês - ou cerca de 503 euros - para jornadas de até 18 horas e têm de produzir 500 peças de vestuário por dia com apenas um dia de folga por mês.

PUBLICIDADE

Isto faz com que muitos trabalhadores - muitas vezes mulheres - fiquem presos à pobreza, pressionados a produzir mais peças de vestuário mais rapidamente para manterem os empregos de que tanto necessitam. Salários mais elevados significariam menos sobreprodução em massa, bem como uma vida melhor para estes trabalhadores.

Mike Kemp/Getty
A loja da Primark em Oxford Circus, em LondresMike Kemp/Getty

Embora as propostas da UE sejam certamente um passo na direção certa, é evidente que não vão suficientemente longe para acabar de vez com a fast fashion.

Idealmente, os consumidores terão de se distanciar da indústria e fazer escolhas mais sensatas, mas a atual situação económica continua a ser um verdadeiro desafio para muitos.

O conselho de Cally Russell para quem tem um orçamento limitado?

"Deixar de perseguir o sucesso rápido que a fast fashion proporciona e começar a comprar menos. Isto não significa gastar mais, mas comprar peças que ofereçam mais versatilidade e que sejam feitas de uma forma que seja melhor para o planeta."

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rumo a uma moda mais ecológica: quais são as alternativas sustentáveis à "fast fashion"?

Morreu aos 88 anos o ator Donald Sutherland

Polícia britânica prende ativistas da Just Stop Oil que vandalizaram Stonehenge