EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Sabia que Walt Disney era um espião do FBI?

Autocolantes Disneyland Paris e FBI
Autocolantes Disneyland Paris e FBI Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Jonny Walfisz
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A polícia federal norte-americana trabalhou a favor e contra figuras culturais ao longo do século XX. Mas talvez não saiba que Walt Disney era um espião do governo.

PUBLICIDADE

A história da interferência do governo dos Estados Unidos nas artes é longa e célebre.

Há muitos músicos que estiveram sob suspeita do Federal Bureau of Investigation, que tinha ficheiros abertos sobre estrelas do rock como John Lennon e Elvis Presley. Quer fosse pelo interesse de Lennon na defesa da guerra contra o Vietname, quer fosse pela capacidade de Presley de pôr os fãs em alvoroço, o mais alto departamento de segurança interna considerou que eram figuras importantes a seguir.

Depois, há a longa lista de artistas negros pelos quais o FBI se interessou, desde os dias em que os seus ficheiros catalogavam o consumo de LSD de Jimi Hendrix até à campanha nacional para impedir os N.W.A. de tocarem o seu êxito "Fuck Tha Police".

Por exemplo, foi recentemente provado que a CIA promoveu artistas como Jackson Pollock e Mark Rothko entre os anos 50 e 60 como uma arma para provar que os EUA eram mais livres artisticamente do que a URSS.

É na Guerra Fria que se encontram mais exemplos de jogos estranhos entre o governo dos EUA e a cultura.

No auge do Red Scare, quando o House of Un-American Activities Committee (HCUA) do senador Joseph McCarthy arruinava as carreiras dos artistas à esquerda, à direita e ao centro (mas sobretudo à esquerda), os artistas eram muitas vezes obrigados a vender os seus pares para poderem continuar a trabalhar.

Tools in the fight against the USSR. Canvasses by Abstract Expressionist Jackson Pollock at the Museum of Modern Art in New York.
Tools in the fight against the USSR. Canvasses by Abstract Expressionist Jackson Pollock at the Museum of Modern Art in New York.Mary Altaffer/AP2005

Depois de o célebre realizador de Um Elétrico Chamado Desejo, Elia Kazan, ter denunciado colegas à HCUA, em 1952, afastou-se publicamente de muitos membros da sua indústria, incluindo Orson Welles.

Com todo este preâmbulo, é altura de nos voltarmos para um dos nomes mais famosos de toda a cultura: Walt Disney.

Em 10 de novembro de 1940, o magnata dos media foi recrutado pelo FBI para espiar os seus próprios trabalhadores.

Nessa altura, Disney estava a viver uma onda de sucesso na era dourada da animação. Mickey Mouse tinha sido criado em 1928 e Disney já tinha seguido êxitos como Branca de Neve e os Sete Anões, de 1937, e Pinóquio, de 1940.

Walt Disney, second from left, hands over his sketch of a Mickey Mouse gas mask to Maj. Gen. William Porter, right, in Washington, D.C., Jan. 8, 1942.
Walt Disney, second from left, hands over his sketch of a Mickey Mouse gas mask to Maj. Gen. William Porter, right, in Washington, D.C., Jan. 8, 1942.AP/AP1942

Na altura, o FBI estava preocupado com os agitadores comunistas nos EUA, uma vez que o país hesitava em aderir à guerra na Europa.

Trabalhando ao lado do FBI, Disney forneceu informações para minar o trabalho sindical na sua empresa.

Uma greve de ilustradores em 1941 levou Disney a rotular muitos deles de comunistas perante a HCUA. Disney até permitiu que o diretor do FBI, J. Edgar Hoover, emprestasse as suas ideias criativas a alguns projetos. Em troca, Disney foi autorizado a filmar nas instalações do FBI, o que lhe garantiu uma proteção contínua contra o então Estado McCarthyista.

Em 1954, Disney foi nomeado "Agente Especial Encarregado de Contacto". Permaneceu como informador do FBI até à sua morte em 1966.

Quando a informação foi desclassificada, tornou-se claro que muito do trabalho que tinha feito com o governo estava relacionado com filmes de propaganda.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ator Ian Mckellen hospitalizado depois de cair do palco durante atuação

Rod Stewart vaiado pelo público alemão por apoiar a Ucrânia

Miguel Gomes, "Grand Tour" e o prémio em Cannes: Entrevista exclusiva