"Alguém quer uma cabeça de carneiro?" O que os europeus comeram neste Natal

O que está na ementa deste Natal na Europa
O que está na ementa deste Natal na Europa Direitos de autor Canva
De  Tim Gallagher
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Da cabeça de carneiro ao precursor da charcutaria, quais são as origens das tradições culinárias natalícias da Europa?

PUBLICIDADE

Quer se pense no Natal como a celebração do nascimento de Jesus Cristo ou como uma repetição moderna do solstício de inverno, há uma coisa em que todos podemos concordar: O Natal é uma época para se deliciar!

Cada país tem a sua própria versão da comida de Natal: os britânicos têm o peru, os estónios apreciam o pato e, devido a uma jogada de marketing absolutamente brilhante, os japoneses têm o KFC.

De Estocolmo a Estugarda, cada país tem as suas próprias tradições culinárias. 

Smalahove, Noruega

Cabeça de ovelha, alguém quer?

Uma iguaria da Noruega ocidental originalmente consumida por pessoas pobres durante a época festiva, o Smalahove é um prato escandinavo preparado - e consumido - de forma inovadora.

É cozinhado dividindo primeiro a cabeça de uma ovelha ao meio e depois retirando-lhe o cérebro. Depois de ser mergulhada em água durante dois dias, a cabeça é salgada e fumada antes de ser cozida a vapor. Os comensais comem primeiro as orelhas e os olhos - considerados as partes mais saborosas e luxuosas - antes de retirarem a carne do crânio.

Hoje em dia, o Smalahove é apreciado sobretudo como uma novidade para os turistas, sendo que os noruegueses locais renunciam a este prazer .

Julbord, Suécia

Já ouviu falar de uma tábua de charcutaria e talvez até de uma tábua de manteiga. Mas já ouviu falar de uma Julbord?

Smörgåsbord é uma palavra que entrou na língua inglesa, mas na verdade tem origem no sueco como uma travessa com uma variedade de alimentos deliciosos. O Julbord é uma reimaginação natalícia deste saboroso deleite, muitas vezes ostentando iguarias escandinavas como a salsicha de rena e o arenque em conserva, juntamente com uma variedade de carnes curadas e queijos, tudo colocado em torno de uma peça central de um presunto glaceado.

Bûche de Noël, França

O tronco de Natal é uma tradição de muitos países que remonta às origens pagãs do Natal, quando se traziam ramos para dentro de casa para celebrar os dias mais longos.

A partir do momento em que as árvores eram trazidas pelos camponeses do campo francês, esta cerimónia em madeira evoluiu para uma sobremesa sob a forma de Bûche de Noël: um pão de ló de chocolate recheado com creme de manteiga e envolto em maçapão, tudo feito para parecer um tronco de Natal.

Festa dos sete peixes, Itália

Os italianos fazem-no melhor -  neste país profundamente católico, o jejum do advento termina com um jantar delicioso.

Nesta tradição do sul de Itália, os habitantes locais deliciam-se com uma refeição de sete pratos, que pode incluir até 10 pratos de peixe diferentes.

A celebração, que tem lugar na véspera de Natal, espalhou-se para a América com a diáspora italiana e é agora uma tradição transcontinental.

Carpa polaca, Polónia

Na Polónia - tal como em muitos países europeus - a véspera de Natal é o grande dia, com uma refeição tradicional que inclui sopa de beterraba e chucrute.

O ponto alto desta refeição é a carpa polaca que, tradicionalmente, é pescada muito antes da véspera de Natal e mantida viva num grande balde ou banheira até chegar a altura de a matar, escamar e desossar.

Véspera de Natal vegetariana, Bulgária

Tal como os italianos do sul, os búlgaros conseguiram transformar um período de jejum numa festa temática.

Neste país ortodoxo, os 40 dias que antecedem o Natal são de jejum, pelo que, naturalmente, na véspera de Natal (o dia mais importante do período festivo) é servida uma refeição especial. Naturalmente, é tudo sem carne para honrar a tradição de passar sem ela.

PUBLICIDADE

Esta saborosa refeição deve ser composta por um número ímpar de pratos e é acompanhada por uma noz, que os comensais abrem para revelar a sua sorte para o ano.

A maior aldeia de pão de gengibre de sempre, Noruega

As casas de pão de gengibre podem ter algumas conotações negativas relacionadas com as bruxas durante o resto do ano, mas na altura do Natal são um deleite encantador para toda a família. Desde a década de 1990, a cidade costeira de Bergen, na Noruega, tem vindo a participar em concursos de pão de gengibre e, atualmente, acolhe todos os anos a maior aldeia de pão de gengibre do mundo.

Pode não ser algo que toda a gente coma, mas esta atração é certamente muito bonita de se ver!

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cristãos ortodoxos celebraram o Natal este fim de semana

Restaurante parisiense que inspirou o filme Ratatouille perde 1,5 milhões de euros em vinho

Fraudes com azeite proliferam: Como detetar azeite falsificado?