EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

UE revela pacote de ajuda de mil milhões de euros para o Líbano, numa tentativa de reduzir o fluxo de refugiados

O primeiro-ministro interino libanês Najib Mikati, ao centro, recebe o presidente do Chipre, Nikos Christodoulides, à esquerda, e Ursula von der Leyen
O primeiro-ministro interino libanês Najib Mikati, ao centro, recebe o presidente do Chipre, Nikos Christodoulides, à esquerda, e Ursula von der Leyen Direitos de autor Hassan Ammar/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Hassan Ammar/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Mared Gwyn JonesEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A União Europeia vai fornecer mil milhões de euros em ajuda financeira ao Líbano ao longo de três anos para apoiar a economia do país e ajudar a prevenir um aumento de refugiados que partem do país para a Europa.

PUBLICIDADE

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou a medida na manhã de quinta-feira, na sequência de uma reunião com o primeiro-ministro interino libanês Najib Mikati e o presidente cipriota Nikos Christodoulides na capital do Líbano, Beirute.

O dinheiro ajudará o Líbano a fortalecer serviços básicos como educação, proteção social e saúde, e estimular reformas económicas no país atingido pela crise, disse von der Leyen.

O envelope financeiro também foi concebido para ajudar o Líbano a enfrentar os desafios que enfrenta no acolhimento dos refugiados sírios.

“Compreendemos os desafios que o Líbano enfrenta ao acolher refugiados sírios e outras pessoas deslocadas. É vital garantir o bem-estar das comunidades de acolhimento e dos refugiados sírios”, afirmou von der Leyen.

A chefe da Comissão prometeu também “analisar como tornar a assistência da UE mais eficaz”, incluindo facilitar uma “abordagem mais estruturada aos regressos voluntários” dos sírios deslocados.

A promessa surge depois dos líderes da UE terem apoiado um envolvimento mais profundo com Beirute no mês passado para ajudar a salvaguardar as repercussões do conflito no Médio Oriente, e depois de Chipre ter disparado o alarme sobre um pico acentuado no número de refugiados sírios que chegam do Líbano.

Segue-se também uma série de acordos assinados no último ano entre Bruxelas e países africanos numa tentativa de conter a migração para a Europa.

Uma crise económica que se agrava e um governo frágil tornam o Líbano particularmente vulnerável à instabilidade que assola a região na sequência da guerra Israel-Hamas.

O país abriga cerca de 210 000 palestinianos e 1,5 milhões de refugiados sírios, o que suscita receios de que a instabilidade regional possa desencadear uma onda de migrantes para a Europa através da ilha de Chipre.

No início de abril, Chipre anunciou que iria suspender temporariamente o processamento dos pedidos de asilo devido ao aumento das chegadas de refugiados sírios que transitam pelo Líbano e tentam chegar à ilha, que fica a apenas 260 km da costa libanesa, no Mar Mediterrâneo.

O presidente Christodoulides instou os líderes da UE a considerarem a reavaliação das chamadas “áreas seguras” dentro da Síria, a fim de facilitar o regresso de migrantes e refugiados.

“Os problemas vistos na fronteira cipriota são apenas um exemplo do que poderia acontecer se este problema não for resolvido”, reconheceu na quinta-feira o primeiro-ministro interino libanês, Najib Mikati, agradecendo a Christodoulides por intermediar o acordo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU abre investigação a explosão que feriu quatro funcionários no Líbano

UE admite rever Acordo de Associação com Israel devido à situação em Rafah

Polónia detalha megaplano para proteger fronteira com a Rússia e a Bielorrússia