Helen Mirren, Gene Simmonds e Boy George assinam carta de apoio à inclusão de Israel na Eurovisão

A atriz Helen Mirren posa para um retrato em Beverly Hills, Califórnia, na terça-feira, 15 de dezembro de 2009.
A atriz Helen Mirren posa para um retrato em Beverly Hills, Califórnia, na terça-feira, 15 de dezembro de 2009. Direitos de autor Matt Sayles/AP2009
De  Jonny Walfisz
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A carta surge em resposta aos apelos para que se proíba a participação do país no concurso de canções da Eurovisão deste ano, que se realizará na Suécia.

PUBLICIDADE

Mais de 400 criativos da indústria do espetáculo assinaram uma carta de apoio à inclusão de Israel no Festival Eurovisão da Canção deste ano.

Helen Mirren, Gene Simmons e Boy George estão entre as pessoas que assinaram a carta divulgada pela Creative Community For Peace (CCFP), uma organização sem fins lucrativos que trabalha para educar sobre o antissemitismo e fazer campanha contra o boicote cultural a Israel.

Mirren foi recentemente protagonista de Golda, um filme biográfico sobre Golda Meir, a primeira mulher primeira-ministra de Israel. Outros nomes da lista incluem o ator Liev Schrieber, o produtor musical Scooter Braun e Sharon Osbourne.

A carta aberta surge em resposta a cartas abertas assinadas por mais de 2.000 músicos finlandeses, suecos e islandeses que pedem que o país seja banido do Festival Eurovisão da Canção de 2024.

Ambas as cartas representam a polarização das reações culturais à guerra entre Israel e o Hamas. A guerra começou depois de o Hamas ter orquestrado ataques terroristas mortais em Israel, a 7 de outubro do ano passado. Mais de 1.200 pessoas foram mortas nos ataques e mais de 200 reféns foram levados para Gaza.

Na sequência dos ataques de 7 de outubro, Israel lançou uma contraofensiva que tem sido amplamente criticada por matar um grande número de civis palestinianos. Desde outubro, foram mortos mais de 28.000 palestinianos, incluindo mais de 12.000 crianças.

Em consequência dos combates, tem havido apelos à exclusão de Israel do Festival Eurovisão da Canção, à semelhança da decisão de excluir a Rússia após a sua invasão da Ucrânia em 2022.

Em apoio à inclusão de Israel, o presidente do CCFP, David Renzer, e o diretor-executivo, Ari Ingel, referiram-se a um festival de música que o Hamas visou no ataque de 7 de outubro: "Juntamo-nos aos líderes da indústria do entretenimento para rejeitar a difamação de Israel na cena musical mundial. Depois de milhares de israelitas inocentes terem sido mortos, mais de 360 dos quais num festival de música enquanto dançavam para celebrar a vida, ver alguns reagirem desta forma é vergonhoso".

"Esperamos que a Eurovisão se mantenha firme face a esta tentativa de boicote mal orientada e discriminatória. Queremos que o mundo saiba que a indústria do entretenimento apoia o concurso e todos os fantásticos participantes deste ano, incluindo os israelitas", continuam.

A carta aberta assinala o sucesso de longa data de Israel no Festival Eurovisão da Canção, tendo vencido em 1978, 1979, 1998 e 2018.

Suécia vai receber o concurso de 2024 depois de ter vencido no ano passado
Suécia vai receber o concurso de 2024 depois de ter vencido no ano passadoMartin Meissner/AP

O concurso deste ano terá lugar em Malmö, na Suécia, em maio. A carta finlandesa, divulgada no mês passado, exigia que a empresa de radiodifusão finlandesa (Yle) boicotasse o concurso e se recusasse a enviar uma participação finlandesa se Israel fosse incluído.

"Não está de acordo com os nossos valores o facto de um país que comete crimes de guerra e mantém uma ocupação militar ter um palco público para polir a sua imagem em nome da música", lê-se na petição finlandesa.

Esta semana, Sanremo, o concurso de música italiano que escolhe o candidato nacional à Eurovisão, suscitou controvérsia quando o concorrente tunisino-italiano Ghali exigiu o "fim do genocídio" na final do concurso.

Os comentários de Ghali foram criticados pelo embaixador israelita em Itália, Alon Bar, e o diretor executivo da RAI, a emissora estatal que transmitiu Sanremo, Roberto Sergio, manifestou a sua solidariedade "com o povo de Israel e a comunidade judaica".

Em resposta aos comentários da emissora, manifestantes pró-palestinianos entraram em confronto com a polícia italiana em frente à sede da RAI em Nápoles.

A União Europeia de Radiodifusão (UER), que supervisiona a organização do concurso, reiterou que a Eurovisão é um evento "apolítico" e que Israel preenche todas as condições para participar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Malmö acolhe a Eurovisão em 2024

Exemplar raro de banda desenhada com a estreia do Super-Homem vendido por valor recorde de 5,5 milhões de euros

Alec Baldwin "não tinha controlo" sobre as suas emoções no cenário de "Rust", dizem os procuradores