EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Chechénia proíbe música demasiado rápida ou demasiado lenta

A Chechénia proibiu a música demasiado rápida ou demasiado lenta: O líder regional checheno Ramzan Kadyrov a divertir-se com uma dança tradicional
A Chechénia proibiu a música demasiado rápida ou demasiado lenta: O líder regional checheno Ramzan Kadyrov a divertir-se com uma dança tradicional Direitos de autor Musa Sadulayev/AP
Direitos de autor Musa Sadulayev/AP
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Chechénia proibiu toda a música fora dos 80 a 116 BPM, uma restrição que excluirá inúmeras canções e géneros musicais como o pop, a música de dança e a música eletrónica, que frequentemente ultrapassam a marca dos 120 BPM.

PUBLICIDADE

A república russa da Chechénia terá decretado que toda a música deve "corresponder a um ritmo de 80 a 116 batidas por minuto (BPM)" - o que significa que muita da música ocidental moderna seria proibida de ser tocada em público na conservadora sociedade islâmica.

O novo padrão de música é relativamente lento em comparação com muita da música pop moderna, bem como com a música eletrónica, rave, dubstep e techno - que tende a ter um BPM mais elevado. A maioria das canções pop varia entre 100 e 130 BPM, um ritmo normalmente utilizado para criar um ritmo cativante e dançável.

Por exemplo, uma faixa dos Daft Punk tem geralmente tendência para rondar as 120-127 BPM, ao passo que qualquer pessoa que pense em tocar "Bad Romance" de Lady Gaga, "Wrecking Ball" de Miley Cyrus ou mesmo "Tragedy" dos Bee Gees estará a violar a nova censura - tudo em nome da manutenção dos valores tradicionais.

O líder da república chechena, Ramzan Kadyrov, deu instruções ao ministro da Cultura, Musa Dadayev, para que a música chechena "se adapte à mentalidade chechena", segundo o Moscow Times.

"É inadmissível tomar emprestada a cultura musical de outros povos", terá dito Dadayev.

"Anunciei a decisão final, acordada com o chefe da República Chechena, Ramzan Akhmatovich Kadyrov, de que, a partir de agora, todas as obras musicais, vocais e coreográficas devem corresponder a um ritmo de 80 a 116 batidas por minuto", afirmou Dadayev, segundo a agência noticiosa estatal russa TASS.

Isto garante que as criações musicais e de dança chechenas se alinham com a "mentalidade e o ritmo musical chechenos", com o objetivo de levar "ao povo e ao futuro dos nossos filhos a herança cultural do povo checheno", acrescentou Dadayev.

Os artistas terão recebido um prazo até 1 de junho para reescreverem as músicas que não satisfazem os critérios e, se não o fizerem, não serão autorizados a apresentá-las em público.

Ramzan Kadyrov
Ramzan KadyrovMusa Sadulayev/AP

A Chechénia situa-se na região do Norte do Cáucaso, entre o Mar Cáspio e o Mar Negro.

É uma república quase inteiramente muçulmana, que inclui parte da fronteira da Rússia com a Geórgia. Tem sido apoiante declarada da invasão russa da Ucrânia e tem também assistido a uma onda de violência anti-LGBTQ+ nos últimos anos, incluindo relatos de purgas anti-gay.

Em 2017, especialistas em direitos humanos das Nações Unidas instaram as autoridades a investigar as alegações de que homens homossexuais estavam a ser alvo, detidos, torturados e assassinados devido à sua sexualidade.

A perseguição brutal da comunidade LGBTQIA+ na Chechénia foi descrita pela ONU como "atos de perseguição e violência a uma escala sem precedentes".

Para saber mais sobre a luta enfrentada pela comunidade LGBTQIA+ na Chechénia, é essencial ver Welcome To Chechnya, de 2020, o terceiro capítulo da "trilogia do ativismo" não oficial do jornalista de investigação que se tornou realizador David France, depois de How To Survive A Plague, de 2012, e The Death And Life Of Marsha P. Johnson, de 2017. (Veja o trailer acima)

É uma investigação reveladora e frequentemente angustiante que utiliza uma técnica digital para disfarçar a identidade das pessoas com quem David France falou (em oposição à abordagem convencional de rostos desfocados), assegurando que o público ainda pode simpatizar com os entrevistados, mesmo quando eles estão essencialmente a usar uma máscara digital.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chechénia acusada de perseguição a homossexuais

Homossexuais beijam-se diante de Putin para denunciar homofobia na Chechénia

"Limpeza preventiva": Chechénia acusada de deter e torturar mais de 100 homossexuais