EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Os efeitos do calor debaixo de água

Os efeitos do calor debaixo de água
Direitos de autor Wilks, Jeremy
Direitos de autor Wilks, Jeremy
De  Jeremy Wilks
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O aumento da temperatura pode ter um efeito devastador nos ecossistemas marinhos, especialmente em espécies como os corais

PUBLICIDADE

Na edição deste mês do Climate Now, a atualização mensal da Euronews sobre o que está a acontecer ao nosso planeta, viajámos até Espanha para testemunhar os efeitos devastadores das ondas de calor marinhas na vida debaixo de água. 

Estas ondas significam que a temperatura da água é 2, 3 ou 4 graus mais alta do que o esperado. São geradas pelo tempo mais quente, tal como acontece na terra, e podem ter um efeito devastador nos ecossistemas marinhos, especialmente em espécies como os corais. Com as alterações climáticas estão a tornar-se mais frequentes, mais intensas, e mais longas.

As ilhas Medes são uma Área Marinha Protegida desde 1983 e um local ideal para observar os efeitos das ondas de calor marinhas. 

O biólogo marinho Joaquim Garrabou guia-nos numa das suas sessões regulares de mergulho, perto da estância de L'Estartit. O plano é mergulhar 15 metros abaixo da superfície para observar uma população de gorgónias, uma espécie de coral que está a morrer por causa das temperaturas mais elevadas.

Euronews
Joaquim GarrabouEuronews

"O que fazemos é contar quantas colónias não são afetadas e quantas são afetadas pela mortalidade. Nas populações que têm um bom estado de conservação as percentagens são inferiores a 5/10 % de colónias afetadas. E nesta população, nos últimos anos, temos visto taxas de mais de 80%. (..) Neste momento estamos a ver ecossistemas marinhos a serem degradados a ritmos que eu nunca teria imaginado".

Debaixo de água, Joaquim começa a pesquisa e identifica gorgónias mortas em áreas que há uma década estavam cheias de vida. A temperatura média no Mediterrâneo está a subir cerca de 0,4 graus por década.

As ondas de calor marinhas estão a prejudicar os ecossistemas à volta do Mediterrâneo e em outras regiões do mundo. Há florestas de algas e recifes de coral a sofrer, da Austrália à Califórnia.

As perspetivas são sombrias, mesmo com os esforços para travar o aquecimento global. Estas colónias podem demorar mais de um século a recuperar.

O Tempo em Agosto

Segundo os últimos dados do Copernicus, o Serviço Europeu de observação das Alterações Climáticas, na Europa, o mês de Agosto foi mais quente do que a média, com temperaturas de 1,1 graus Celsius acima das registadas no período de referência (1981-2010).

Euronews
Mapa CopernicusEuronews

Se olharmos para o mapa da temperatura do ar, podemos ver algumas das tendências do mês - foi muito mais quente do que a média no noroeste da Sibéria, mais frio na Rússia ocidental, e mais quente em grande parte da Europa.

O oeste dos Estados Unidos foi muito mais quente e seco do que a média, e podemos ter um novo recorde mundial para o mês de Agosto, com uma temperatura de 54,4 graus no Vale da Morte.

Euronews
CopernicusEuronews

Em relação às ondas de calor marinhas, podemos concluir que Itália, Líbia, Marrocos, Espanha e Argélia foram países particularmente afetados em Agosto.

Euronews
CopernicusEuronews
Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Sol de novembro pode ter empurrado 2020 para um recorde de calor

Covid-19: o impacto da pandemia no meio ambiente

Climate Now: Os glaciares estão a desaparecer a olhos vistos