Países Baixos debatem-se com efeitos nocivos de mega dique

Países Baixos debatem-se com efeitos nocivos de mega dique
Direitos de autor Unsplash
De  Sarah Tekath & Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Projetos inovadores tentam restabelecer o equilíbrio de um ecossistema danificado pelo Afsluitdijk, um dique gigante no Mar do Norte. #EUGreenWeek

PUBLICIDADE

Uma grande parte dos Países Baixos encontra-se abaixo do nível do mar, o que significa que inundações e tempestades sempre representaram um grande risco para o país. Após uma inundação particularmente devastadora em 1916, o governo holandês decidiu construir um dique artificial entre o Zuiderzee e o Mar do Norte. Finalizado em 1932, o Afsluitdijk estende-se ao longo dos 32 quilómetros que ali separam as margens da foz da baía.

Esta barreira artificial transformou o antigo Zuiderzee de água salgada, no qual afluem vários rios, no atual Ijsselmeer de água doce, o maior lago dos Países Baixos. É com a ajuda das comportas do dique, que esta água doce é drenada para o Mar do Norte.

Um obstáculo para os peixes

Vários peixes migratórios deslocam-se entre o salgado Mar de Wadden e o _Ijsselmeer, _para desovarem em água doce e cuidarem das suas crias.

"A construção do Afsluitdijk teve graves consequências para a natureza subaquática do Mar de Wadden", diz Wouter van der Heij, ecologista marinho da De Waddenvereniging, uma organização holandesa que defende a preservação do Mar de Wadden.

"Cortou as rotas de migração de cerca de uma centena de espécies de peixe que se deslocam entre água doce e salgada, o que agora é impossível".

Após o ministério do Ambiente holandês ter concluído que o dique bloqueava estas rotas de migração, foram instaladas comportas na infraestrutura, de forma a permitir a passagem dos peixes. Contudo, tornou-se evidente que a sua corrente era demasiado forte para muitas espécies, apenas os nadadores mais fortes conseguem passar.

"Milhões de peixes estão à espera no Mar de Wadden, em frente a estas comportas. Eles conseguem cheirar a água doce do outro lado e querem lá nadar, mas a corrente é demasiado forte e a transição entre o sal e a água doce é demasiado abrupta", dizem os especialistas da De Waddenvereniging.

Como resultado, as populações de muitas espécies de peixes migratórios diminuíram, mesmo em cursos de água de fora dos Países Baixos, como o Reno. Em 2018, De Waddenvereniging registou uma queda dramática de 90% no tamanho das populações de peixes no Mar de Wadden.

O dique também afetou a flora do Mar de Wadden, especificamente a erva-marinha. Laura Govers, ecóloga, bióloga e professora na Universidade de Groningen e estuda esta planta especial desde 2007.

"É importante para a biodiversidade. Tal como os mangais e os recifes de coral, ela forma um ecossistema. Também proporciona um local seguro para os peixes jovens crescerem, sequestra carbono e pode filtrar substâncias tóxicas da água".

A erva marinha também fornece um amortecedor fiável contra as ondas. A firme rede de raízes dos campos de ervas marinhas ajuda a manter o solo no lugar e a prevenir a erosão costeira.

"No entanto, a erva marinha desapareceu quase completamente nos Países Baixos", acrescenta Govers. É por isso que, desde 2014, a bióloga tem trabalhado num projeto para trazer a planta marinha de volta para o Mar de Wadden holandês.

Replantar a erva marinha à mão

Govers visita regularmente o Mar de Wadden juntamente com a sua equipa e voluntários para plantar sementes. Utilizam um método especial desenvolvido por cientistas para evitar que sejam arrastadas pelas fortes correntes.

"Há três anos que trabalhamos com sementes da Alemanha, onde a erva marinha ainda existe. Recolhemos as sementes no outono, armazenamo-las em água do mar artificial, que nós próprios produzimos durante o inverno, e depois misturamo-las com os fundos marinhos holandeses nos nossos laboratórios, na primavera. Colocamos esta mistura em pistolas de pulverização e plantamos as sementes no fundo do Mar de Wadden", explica.

Laura Govers
Voluntários ajudam a replantar a erva marinha no Mar de WaddenLaura Govers

O método está a revelar-se um sucesso. Em 2018, havia 10 mil plantas, atualmente, a bióloga estima haverem 100 mil numa área equivalente a 170 hectares.

No entanto, acrescenta, "para criar um ecossistema saudável no Mar Frísio, precisamos certamente de mais dez anos".

Um rio artificial para a migração de peixes

Uma via aquática artificial de quatro quilómetros de comprimento, para a migração de peixes, é outra solução, permitindo às espécies mais fracas, que não conseguem nadar contra a corrente, passar de água doce para água salgada e voltar.

No curso do rio artificial, que será construído perto da aldeia de Kornwerderzand, a água salgada mistura-se com água doce para facilitar a transição dos animais.

PUBLICIDADE

E os peritos defendem que mesmo as espécies de peixes que normalmente não migram também beneficiarão do novo rio.

"A transição de água doce para água salgada é por natureza uma área muito rica em nutrientes", diz Wouter van der Heij, da De Waddenvereniging. A organização ambiental é responsável pelo projeto, em cooperação com as organizações ambientais It Fryske Gea, Het Blauwe Hart, e uma associação de pescadores desportivos.

"Não só os recursos haliêuticos podem ser regenerados desta forma, como os animais que comem peixe, como as focas e as aves marinhas, também beneficiam. Com unidades populacionais de peixes mais fortes, melhoramos também a situação dos pescadores profissionais e recreativos".

Para a organização ambiental, "com este projecto, a Holanda está a abrir a porta da frente para a migração dos peixes na Europa".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares participam em desfile Gay Pride em Amesterdão

Inundações na Europa central causam pelo menos 125 mortos

"Não são ursos pardos com casacos brancos": verões mais longos no Ártico podem levar ursos polares à extinção