Quase 30% das espécies do planeta ameaçadas

Quase 30% das espécies do planeta ameaçadas
Direitos de autor Eugene Hoshiko/Copyright 2013 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dragões-de-komodo, tubarões e raias estão entre as espécies com maior risco de extinção

Quase 30% das espécies classificadas do planeta correm risco de extinção. O alerta é da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), que este sábado atualizou a “lista vermelha” das espécies ameaçadas.

PUBLICIDADE

Os famosos dragões-de-komodo, ameaçados pela mudança climática, foram hoje classificados como “espécie em risco”. A atualização da “lista vermelha” refere ainda que a sobrepesca de tubarões está a criar uma ameaça à espécie, podendo levar à perde de um terço do número atual destes animais na Terra.

Craig Hilton-Taylor, um dos responsáveis da União para a Conservação da Natureza, explicou que nesta atualização foram reavaliadas cerca de 600 espécies e que para além dos tubarões, há também um alerta para o risco de extinção das raias. A organização destaca que há muitas árvores e fungos que entraram para a “lista vermelha” pela primeira vez.

Reunida na cidade francesa de Marselha, a União para a Conservação da Natureza deixou uma mensagem de esperança ao revelar uma melhoria na situação de várias espécies de atum, graças à imposição de quotas de pesca.

À margem do congresso mundial, cerca de 30 pessoas mergulharam este sábado numa praia em Marselha e pediram restrições à pesca de arrasto, que ameaça a biodiversidade e o clima.

Uma das participantes no protesto foi Maya Gabeira, a surfista brasileira que entrou no livro dos recordes do Guinness com a maior onda surfada por uma mulher.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha e Portugal adotam bisontes e cavalos raros para ajudar a reduzir o risco de incêndios

Acordo histórico na Conferência da ONU sobre a biodiversidade no planeta

Descobertas indicam que Homo Sapiens existe na Europa há mais tempo