This content is not available in your region

Qual o impacto do CO2 emitido pelo vulcões?

euronews_icons_loading
Qual o impacto do CO2 emitido pelo vulcões?
De  Jeremy Wilks  & euronews

Será que os gases expelidos pelos vulcões têm um impacto, a longo prazo, na nossa atmosfera? No mês passado, em plena erupção do vulcão em La Palma, a euronews esteve nas Ilhas Canárias para falar com duas centistas especializadas em vulcanologia.

Numa estrada rural no limite da zona de segurança em redor do vulcão, Ana Pardo Cofrades e Catherine Hayer medem regularmente a quantidade de dióxido de enxofre, dióxido de carbono e outros gases emitidos pelo vulcão, desde o início da erupção em Setembro.

"As chaminés vulcânicas estão a desgaseificar. As plumas brancas são principalmente vapor de água. O gás provém do magma. Enquanto houver magma, haverá emissão de gases", afirmou Ana Pardo Cofrades, cientista da Universidade de Manchester.

euronews
ANA PARDO COFRADES, CIENTISTA DA UNIVERSIDADE DE MANCHESTEReuronews

Os danos causados pela chuva ácida e pelas cinzas

Para a população de La Palma, a lava e as cinzas foram o maior problema. A lava destruíu três mil edifícios. E há cinzas finas em todo o lado.

"Pode haver danos estruturais nos edifícios e também nos subsistemas eléctricos, porque as cinzas têm frequentemente carga elétrica. Há chuvas ácidas. Por isso, tem havido muitos problemas devido à queda das cinzas e à chuva ácida, o que tem afetado as plantações de bananeiras", explicou Catherine Hayer, cientista da Universidade de Manchester.

A chuva ácida é causada pelo dióxido de enxofre, um gás extremamente reactivo emitido pelo vulcão. Conhecido pelo símbolo químico SO2, o dióxido de enxofre espalhou-se muito para além de La Palma durante a erupção. 

O SO2 pode degradar a qualidade do ar, e quando há grandes erupções forma pequenas partículas que podem ter um efeito de arrefecimento do clima a curto prazo. 

E qual é o papel dos gases com efeito de estufa emitidos pelo vulcão? Na ilha de Tenerife, observou-se um pico de CO2 durante a erupção. "As concentrações de dióxido de carbono aumentaram de forma muito significativa. Mas é preciso sublinhar que foi um fenómeno localizado, e durante um período de tempo muito curto", explicou a cientista da atmosfera Omaira Garcia.

euronews
OMAIRA GARCÍA, CIENTISTA DA ATMOSFERA, AEMETeuronews

O CO2 emitido pelos vulcões é residual em relação ao das atividades humanas

No pico da atividade, o vulcão emitiu três mil toneladas de CO2 por dia. Em comparação com as emissões humanas, trata-se de uma quantidade minúscula.

"Se compararmos este valor com as emissões produzidas pelo transporte aéreo, que representam 330 mil toneladas por dia, as emissões de um vulcão de pequena ou média dimensão como o de La Palma deverão ser responsáveis por um centésimo das emissões do setor aeronáutico. É absolutamente insignificante", sublinhou a cientista.

O CO2 emitido por todos os vulcões do mundo é inferior a 1% das emissões dos humanos.

"Os vulcões existem há mais tempo do que nós. E as alterações climáticas só começaram com a revolução industrial. Não podemos culpar os vulcões pelas alterações climáticas", frisou Ana Pardo Cofrades, cientista da Universidade de Manchester.

euronews
ANOMALIA DE TEMPERATURA EM 2021euronews

Os dados de Dezembro do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus

A nível global, Dezembro de 2021 esteve 0,3 graus Celsius acima da média de 1991-2020, o sexto mês de Dezembro mais quente de que há registo.

Na Europa houve um contraste impressionante ao nível das temperaturas. Na Europa Ocidental e Meridional esteve muito mais quente, em média, do que no mês passado. Bala, no Reino Unido, bateu um novo recorde de 16,5 graus na véspera de Ano Novo. Na Escandinávia, nos Países Bálticos e no norte da Rússia, fez mais frio do que o habitual. A Suécia teve o primeiro mês Dezembro mais frio do que a média, desde 2012.

Como é que o ano passado se enquadra na tendência do aquecimento global desde 1970? De acordo com os dados do satélite europeu Copernicus, 2021 foi um dos sete anos mais quentes de que há registo, embora menos quente do que os últimos anos.