"Os portos devem ser parte da solução", diz coordenadora do programa PIONEERS

Em parceria com The European Commission
"Os portos devem ser parte da solução", diz coordenadora do programa PIONEERS
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O porto de Antuérpia-Bruges, um dos mais movimentados da Europa e do mundo, é palco desta experiência para tornar a atividade portuária mais sustentável.

O episódio deste mês de Ocean explora como os portos se estão a adaptar para se tornarem mais sustentáveis, reduzindo a pegada de carbono e contribuindo para a luta contra as alterações climáticas. Examinamos algumas das soluções experimentadas no Porto de Antuérpia-Bruges, na Bélgica, no âmbito do projeto de investigação PIONEERS, financiado pela UE:

Nesta entrevista bónus, Inge De Wolf, coordenadora do projeto PIONEERS, destaca o benefício de reunir 46 parceiros internacionais para enfrentar este desafio comum.

"Os portos são frequentemente vistos como parte do problema. Especialmente aqui na plataforma de Antuérpia, por exemplo - é um cluster de logística e atividades marítimas, temos um enorme cluster petroquímico, por isso, evidentemente, somos uma fonte de poluição. Mas o que tentamos fazer como autoridade portuária é tornarmo-nos parte da solução.

Na transição ecológica, queremos ser impactantes e queremos avançar - é algo que não podemos fazer por nós próprios. Necessita de muitos parceiros de diferentes setores para enfrentar os desafios e fazer com que a ação aconteça. Precisamos nos reinventar como organização. Precisamos de muita transparência, por exemplo, partilha de dados, precisamos de resiliência, flexibilidade e eficiência. Temos este horizonte para 2050 - queremos tornar-nos um porto neutro do ponto de vista climático.

O ideal seria que tivéssemos esta bola de cristal que vê para onde devemos ir, mas não temos isso. Por isso, temos de aprender com a experiência", conta-nos a investigadora.

Partilhe esta notícia