O Horário de Verão pode ajudar a reduzir o consumo de energia?

Senado dos EUA votou para tornar o Horário de Verão permanente
Senado dos EUA votou para tornar o Horário de Verão permanente Direitos de autor Charlie Riedel/AP
Direitos de autor Charlie Riedel/AP
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Globalmente, os estudos são inconclusivos e qualquer poupança de energia foi considerada insignificante

PUBLICIDADE

O Horário de Verão pode tornar-se permanente nos Estados Unidos (EUA) se um senador conseguir concretizar o seu objetivo. 

A Lei da Proteção Solar foi aprovada pelo Senado no ano passado, sem oposição, mas estagnou quando chegou à Câmara dos Representantes.

A Hora de Verão permanente significaria que os relógios já não mudariam de hora duas vezes por ano, estabelecendo uma hora fixa durante todo o ano.

Agora, o Senador Marco Rubio, da Florida, reintroduziu o projeto de lei para acabar com o que chama de "prática antiquada".

Porque foi introduzido nos EUA o Horário de Verão?

A hora de verão foi introduzida nos EUA durante a Primeira Guerra Mundial, num esforço para reduzir o consumo de energia quando o combustível era escasso. A ideia era que, durante os meses de verão, as horas do dia passassem para a noite, para que as pessoas não tivessem de manter as suas luzes ligadas até tarde.

Após o fim da guerra, a ideia foi abandonada e depois adotada novamente durante a Segunda Guerra Mundial, quando o abastecimento de combustível estava a esgotar-se. Alguns lugares mantiveram-no depois da guerra, outros só o fizeram quando o governo federal dos EUA, em 1966, ordenou a todos os estados para implementarem a poupança de luz do dia.

Dois estados, Havai e Arizona, optaram por não mudar os seus relógios desde aí. 

O Horário de Verão reduz o consumo de energia?

Um estudo conduzido pelo Departamento de Transportes dos EUA, em 1975, mostrou que o Horário de Verão reduziu cerca de 1% do consumo de energia do país.

Esta poupança insignificante pode, em parte, dever-se ao facto de muitas pessoas nos EUA saírem da cama antes das 7 da manhã, pelo que grande parte da energia poupada por não ter as luzes acesas à noite é compensada por tê-las acesas de manhã.

Na Nova Zelândia, as empresas de energia encontraram resultados semelhantes com a utilização da eletricidade a cair 3,5% quando começou a poupança de luz diurna. 

Um estudo recente analisou o impacto que a poupança de luz diurna poderia ter no consumo da energia até ao ano 2050 sob diferentes cenários climáticos. Simulou edifícios em 15 cidades diferentes para descobrir que a deslocação dos relógios para trás e para a frente resultou numa diminuição líquida do consumo de energia mesmo quando o mundo aquece. Mas também descobriu que esta diminuição dependia da localização e da disponibilidade de energia renovável.

A investigação demonstrou que, embora possa diminuir o tempo em que as luzes estão acesas, também pode aumentar a quantidade de energia que utilizamos para aquecer e arrefecer as nossas casas. Globalmente, as respostas são inconclusivas e qualquer poupança de energia causada pela Horário de Verão foi considerada insignificante.

E o que acontece na Europa?

A história é semelhante na Europa. No Reino Unido e na Alemanha, o Horário de Verão  foi introduzido para conservar o carvão da Primeira Guerra Mundial. Foi abolido quando a guerra terminou, mas regressou durante os anos 80, quando a necessidade de poupar voltou, impulsionada pela crise global do petróleo.

Desde 2002, todos os países da União Europeia - exceto a Islândia - tiveram de ajustar os seus relógios no último domingo de março e até outubro.

Mas em 2018, o Parlamento Europeu votou para acabar com as mudanças do relógio duas vezes por ano, tendo em conta a sondagem que envolveu 4,6 milhões de cidadãos da UE e que mostrou um forte apoio à ideia. 

Após a votação, a alteração foi transmitida ao Conselho Europeu para ser implementada. Mas o Conselho disse que não podia avançar sem uma avaliação de impacto por parte da Comissão Europeia.

As mudanças deveriam chegar até 2021, mas o debate terminou com um impasse pouco antes da  pandemia da COVID-19.

O Brexit também complicou o assunto, com a possibilidade de haver horários diferentes na República da Irlanda e na Irlanda do Norte, governada pelos britânicos.

PUBLICIDADE

Neste momento, não parece haver apoio suficiente para a proposta da Comissão Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que são contratos diferenciais na reforma do mercado de eletricidade da UE?

Europeus querem hora de verão

Lançamento de uma coligação para a eficiência energética para colmatar o défice de investimento