EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Roma envia resíduos domésticos para Amesterdão para incineração

Roma começa a enviar resíduos para Amesterdão para incineração
Roma começa a enviar resíduos para Amesterdão para incineração Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Desde o ano passado que a maior empresa de processamento de resíduos de Roma se encontra inoperacional devido a um incêndio que devastou as instalações

PUBLICIDADE

A partir deste mês, a capital italiana, Roma, vai passar a enviar 900 toneladas de lixo para Amesterdão todas as semanas.

A capital italiana enfrenta um problema com o lixo. Os quatro milhões de habitantes da cidade produzem mais lixo doméstico do que aquele que pode ser tratado.

A partir de meados de Abril, um comboio especial transportará parte deste lixo para Amesterdão a 1.700 km de distância a fim de ser incinerado.

Esta é a solução mais "amiga do ambiente", afirmam as autoridades.

Então, como funcionará?

Porque é que Roma está a enviar lixo para Amesterdão?

Roma não tem capacidade para processar os resíduos que produz.

No ano passado, um enorme incêndio danificou com gravidade a maior empresa de processamento de resíduos da cidade. As novas instalações não estarão prontas até, pelo menos, 2026.

As autoridades romanas têm poucas opções a não ser deixar acumular o lixo nas ruas e cursos de água.

Os resíduos poderiam igualmente ser colocados em aterros sanitários onde se decomporiam lentamente. O problema é que isto iria libertar grandes quantidades de gás metano prejudicial.

Em vez disso, a cidade fez um acordo com a empresa Amsterdam Waste and Energy Company (AEB), que concordou em levar 900 toneladas de lixo por semana.

Os resíduos compactados em fardos enormes, e colocados em 16 vagões de comboio para a longa viagem em direção ao norte.

Roma pagará à AEB 200 euros por tonelada de resíduos, segundo o jornal italiano La Reppublica - cerca de 28 milhões de euros ao longo de um período de três anos.

Canva
Lixeira a céu abertoCanva

Quais são as consequências ambientais do envio de lixo para Amesterdão?

A queima de lixo não é uma solução ideal para o ambiente. A incineração de uma tonelada de resíduos municipais liberta cerca de 1,3 toneladas de CO2.

Também produz cinzas nocivas e outros subprodutos tóxicos.

Mas a decomposição de resíduos em aterros sanitários pode ser pior. À medida que a matéria orgânica se decompõe sem oxigénio, produz gás metano. Durante mais de 100 anos, o metano tem um potencial de aquecimento que é cerca de 25 vezes maior do que o dióxido de carbono.

"A deposição de resíduos em aterro, que ainda é feita em muitos países da Europa, é um método de eliminação de resíduos de baixa qualidade com consequências ambientais nocivas, principalmente devido às emissões de metano", disse a AEB numa declaração.

Além disso, a energia produzida pela queima de resíduos pode ser aproveitada, enquanto a lenta libertação de energia libertada pelo lixo em decomposição não pode.

PUBLICIDADE

Parte do acordo com Amesterdão inclui a condição de que a energia gerada a partir deste lixo irá servir para aquecer casas em Amesterdão. A AEB já o faz com cerca de 30 000 residências na cidade.

No entanto, nenhuma das duas opções é ideal para o planeta. Uma abordagem sustentável envolve em primeiro lugar a minimização da quantidade de lixo produzido.

Para onde mais no mundo é enviado o lixo?

O lixo é um grande negócio.

Os Países Baixos processaram 24 milhões de toneladas de lixo em 2020, de acordo com o Gabinete Central de Estatísticas.

Dentro da Europa, existe um intenso comércio de lixo entre cidades. Hamburgo, por exemplo, envia o lixo para os Países Baixos. Copenhaga importa resíduos do Reino Unido. Viena importa resíduos de Itália e da Alemanha, que converte em energia.

PUBLICIDADE

Mas grande parte dos resíduos da UE é exportada para fora do bloco - frequentemente para a Turquia e Índia.

A nível mundial, muitos países importam milhões de toneladas de resíduos. Antes de 2018, a China recebia o maior volume de lixo de todo o mundo. Importava cerca de 7,3 milhões de toneladas de resíduos de plástico e 29,9 milhões de toneladas de resíduos de papel por ano. Desde então, o governo tem imposto restrições a este comércio.

Vários países sofrem as consequências da má gestão de resíduos, quando o lixo é enviado para locais que não têm capacidade para lidar com ele.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O lixo marinho implica uma abordagem conjunta

Greve leva a acumulação de lixo nas ruas escocesas

Competição de recolha de lixo na Hungria