EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Porque é que a gravidez de um crocodilo "virgem" tem implicações "tentadoras" para os investigadores

Um crocodilo americano nas margens do rio Tarcoles, perto de San José, Costa Rica
Um crocodilo americano nas margens do rio Tarcoles, perto de San José, Costa Rica Direitos de autor EZEQUIEL BECERRA / AFP
Direitos de autor EZEQUIEL BECERRA / AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O que é o amor e o que é que os dinossauros têm a ver com isto? Os investigadores analisam o significado da surpreendente descoberta num jardim zoológico da Costa Rica.

PUBLICIDADE

O que é que o amor e que é que os dinossauros têm a ver com isto? Os investigadores analisam o significado da surpreendente descoberta num jardim zoológico da Costa Rica.

No primeiro caso conhecido de um "nascimento virgem" entre as espécies, descobriu-se que um crocodilo engravidou-se a si próprio.

Uma fémea crocodilo americana, de 18 anos, foi mantida afastada dos outros crocodilos num jardim zoológico na Costa Rica, mas isso não a impediu de produzir um feto totalmente formado dentro de um dos seus ovos em 2018.

Cinco anos depois, os investigadores determinaram que o feto era 99,9 por cento geneticamente idêntico à mãe, confirmando que não tinha pai.

Este tipo de reprodução assexuada é conhecido como "partenogénese" e já foi documentado em várias espécies, incluindo aves, lagartos e cobras, mas nunca antes em crocodilos.

Os especialistas da Virginia Tech atribuem aos tratadores do Parque Reptilandia o mérito de terem reparado que havia sete ovos de aspeto fértil na sua ninhada, que foram depois incubados artificialmente.

Depois de não terem eclodido três meses mais tarde, os ovos foram abertos para examinar o seu conteúdo. Seis continham matéria "não discernível", mas um tinha no seu interior um feto totalmente formado e não viável - uma fêmea, como se descobriu após a dissecação.

Nas suas novas descobertas, publicadas na revista Biology Letters da Royal Society, os investigadores sugerem que esses "nascimentos virgens" podem estar a passar despercebidos nos crocodilos.

Porque é que os "nascimentos virgens" entre os répteis estão a aumentar?

Nas últimas décadas, tem havido um "crescimento espantoso" da partenogénese registada, dizem os investigadores.

A curiosa conceção foi documentada em aves, répteis não aviários como cobras e lagartos e peixes "elasmobranquiados" - particularmente tubarões, raias e peixes-serra.

O aparente aumento deve-se, em parte, a uma maior sensibilização para o fenómeno, bem como aos avanços da genética molecular. Uma ciência mais apurada permitiu "desvincular" a partenogénese dos casos de "armazenamento de esperma feminino a longo prazo" - que pode durar mais de seis anos em algumas espécies e que, por isso, é a principal teoria alternativa para as gravidezes misteriosas.

Uma vez que o grupo dos crocodilianos - que inclui também os jacarés e os gaviais - não possui cromossomas sexuais, esta descoberta é particularmente interessante para os investigadores. O sexo dos crocodilos é controlado pela temperatura; como os ovos do Parque Reptilandia foram incubados a 29-30°C, o feto totalmente formado, mas ainda não nascido, era fêmea.

Os "nascimentos virgens" de crocodilos podem perder-se

A descoberta significa que os tratadores de jardins zoológicos podem querer estar mais atentos aos ovos dos seus crocodilos.

Embora não seja invulgar que os répteis em cativeiro ponham ninhadas de ovos", escrevem os investigadores, "dado o período de isolamento dos companheiros, estes seriam normalmente considerados não viáveis e descartados".

"Estes resultados sugerem, portanto, que os ovos devem ser avaliados quanto à sua potencial viabilidade quando os machos estão ausentes". E dado que a partenogénese também pode ocorrer na presença de potenciais parceiros, os casos de nascimentos virgens em crocodilos podem não ser detetados quando as fêmeas vivem com machos.

Por vezes, as serpentes solitárias são detetadas porque as suas cores ou marcas deixam claro que não houve um macho envolvido. Mas o fenómeno é mais difícil de detetar entre crocodilos camuflados sem testes de genomas.

Poderão seguir-se "revelações tentadoras" sobre o sexo nos dinossauros

A partenogénese foi agora documentada nos dois principais ramos dos "arcossauros" existentes - as aves e os crocodilianos.

Os investigadores afirmam que este facto oferece "uma visão tentadora" sobre as possíveis capacidades reprodutivas de parentes extintos, em particular dos dinossauros.

PUBLICIDADE

O antepassado comum mais recente dos "escamados" (cobras e lagartos) e dos crocodilos divergiu há cerca de 300 mega-anos, o que sugere que a partenogénese pode ser uma condição primitiva.

Se está a pensar como funciona exatamente, os investigadores concluíram que algo chamado "automixis de fusão terminal" é a explicação mais provável. Isto implica que o núcleo do óvulo se funde com o seu "núcleo irmão" - outra pequena célula produzida ao mesmo tempo que o óvulo, mas que geralmente não pode ser fertilizada.

A partenogénese é comum em espécies ameaçadas de extinção?

O crocodilo americano é um grande predador que, graças à sua tolerância à água salgada, pode prosperar da Florida ao Peru. Mas está atualmente na lista da IUCN - União Internacional para a Conservação da Natureza - de espécies em risco de extinção na natureza.

Foi sugerido que a partenogénese pode ser mais comum em populações de baixa densidade, como as que estão à beira da extinção, embora sejam necessários mais estudos.

PUBLICIDADE

"Embora seja dececionante que o crocodilo partenogénico aqui produzido não tenha eclodido, não é incomum ver fetos inviáveis e anomalias de desenvolvimento em ninhadas ou ninhadas de partenogénicos, e a longo prazo a incapacidade de prosperar mesmo para indivíduos nascidos aparentemente saudáveis", dizem os investigadores.

No entanto, os partenogénios atingiram a idade adulta numa variedade de espécies, incluindo perús, condores da Califórnia, jibóias e o tubarão-bambu de manchas brancas.

Assim, concluem os investigadores, "o fracasso da eclosão deste partenogénio de crocodilo não deve ser visto como um indicador de que todos os partenogénios de crocodilo serão inviáveis".

Esta pode ser uma boa notícia para um crocodilo vulnerável que não queira seguir o mesmo caminho que os dinossauros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quais os melhores países da Europa para ir de bicicleta para o trabalho?

Alterações climáticas: glaciares austríacos em risco de desaparecer nos próximos 45 anos

"O progresso é possível": Como é que o Brasil e a Colômbia reduziram a desflorestação?