EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

El Niño está de volta e vai fazer disparar os alertas meteorológicos

É provável que um El Niño mais forte se desenvolva no final do ano.
É provável que um El Niño mais forte se desenvolva no final do ano. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Rebecca Ann Hughes com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Fenómeno poderá fazer com que o mundo atinja um novo recorde de temperatura média

PUBLICIDADE

O termo El Niño refere-se a um fenómeno climático global em que as águas do oceano Pacífico se tornam mais muito quentes do que a média habitual.

Após três anos de arrefecimento (La Niña), a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) anunciou na passada quinta-feira que o El Niño está agora em curso.

"O fenómeno está normalmente associado a temperaturas recorde a nível global. Ainda não se sabe se isso [o aumento da temperatura média] vai acontecer em 2023 ou 2024, mas penso que é mais provável acontecer", afirma Carlo Buontempo, diretor do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus da União Europeia.

O El Niño poderá ter efeitos drásticos, desde ondas de calor abrasadoras a tempestades mais fortes.

O que é o El Niño?

O evento climático é responsável pelo aumento da temperatura global e pelo agravamento das condições meteorológicas extremas.

É causado pelas temperaturas e ventos do oceano Pacífico, que alternam entre o aquecimento (El Niño) e o arrefecimento (La Niña).

Prevê-se já que este ano seja mais quente do que 2022 e seja o quinto ou sexto ano mais quente de sempre.

Os efeitos do El Niño levam meses a ser sentidos, o que pode significar que em 2024 se venham a registar recordes na temperatura.

Como é que o El Niño afeta o clima?

O El Niño empurra a água quente do oceano Pacífico para leste, fazendo com que a corrente pacífica se desloque para sul da sua posição neutra.

O resultado é um clima mais seco e quente no norte dos EUA e chuvas intensas e inundações na costa do Golfo e no sudeste do país.

Na Europa, pode levar a invernos mais frios e secos no norte e invernos mais húmidos no sul.

Durante o fenómeno, a temperatura global aumenta cerca de 0,2 graus Celsius, de acordo com a NOAA.

Isto pode significar a quebra do limite de 1,5 graus Celsius para o aquecimento global, que o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC) da ONU definiu como o valor máximo para evitar uma "catástrofe climática".

"A probabilidade de, nos próximos cinco anos, termos o primeiro ano a 1,5 graus Celsius é agora de cerca de 50/50", disse Adam Scaife, do Gabinete Meteorológico do Reino Unido.

Assim, o mundo vai enfrentar ondas de calor mais intensas, estações quentes prolongadas e tempestades mais potentes.

A Indonésia e a Austrália irão provavelmente sofrer com um clima mais quente e seco e com uma maior possibilidade de incêndios florestais.

As monções (épocas de grande precipitação) na Índia e as chuvas na África do Sul poderão ser reduzidas, enquanto a África Oriental poderá ter mais chuvas e inundações.

O El Niño também aumenta a atividade dos furacões no Pacífico, o que significa que locais como o Havai correm o risco de ciclones tropicais.

PUBLICIDADE

Como é que o El Niño afeta a vida marinha?

O El Niño também põe em perigo a vida marinha ao longo da costa do Pacífico. 

Em condições normais, um fenómeno conhecido como "upwelling" traz água fresca e rica em nutrientes das profundezas do oceano.

Quando ocorre o El Niño, este processo é suprimido ou completamente interrompido. Isto significa menos fitoplâncton ao longo da costa e, portanto, menos alimento para certos peixes.

Em março, os cientistas descobriram que as temperaturas globais à superfície do mar atingem um nível recorde. O El Niño é suscetível de agravar a situação.

A água mais quente causa igualmente o branqueamento nos recifes de coral, deixando-os em maior risco de morte.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Terra está a entrar em "zona de perigo", alertam cientistas

Chuvas torrenciais deixam milhares sem casa no Peru

EUA: "El Niño" provoca inundações na Califórnia