EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

A ciência por detrás do verão brutal na Europa

Chamas consomem árvores na aldeia de Gennadi, na ilha grega de Rodes, esta terça-feira.
Chamas consomem árvores na aldeia de Gennadi, na ilha grega de Rodes, esta terça-feira. Direitos de autor Angelos Tzortzinis/AFP
Direitos de autor Angelos Tzortzinis/AFP
De  Lottie Limb
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As ondas de calor de julho na Europa tornaram-se 950 vezes mais prováveis devido às alterações climáticas causadas pelo Homem, asseguram os cientistas

PUBLICIDADE

Neste momento, o cenário é infernal, mas há luz no fundo do túnel. Só não podemos ficar de braços cruzados.

Carlo Buontempo, diretor do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas (C3S) da União Europeia, acredita que se reduzirmos radicalmente as emissões, o impacto poderá ser visível ainda durante a nossa vida. 

"Se formos bons a mitigar as alterações climáticas, podemos voltar a um clima mais próximo do atual, possivelmente até mais frio do que é agora, no final do século", considera.

Com incêndios florestais violentos, inundações e dezenas de milhares de vidas perdidas este ano, os próximos 20 são difíceis de imaginar. Mas compreender os factos e usá-los como um estímulo para a ação é o melhor ponto de partida na pequena janela de tempo que temos para dar a volta à situação.

A Euronews conversou com Buontempo sobre a ciência subjacente a este verão europeu de condições meteorológicas extremas.

O que está a causar a vaga de calor?

Uma análise publicada pelo grupo World Weather Attribution esta terça-feira concluiu que as recentes vagas de calor na Europa e nos Estados Unidos foram tornadas, no mínimo, 950 e 4400 vezes mais prováveis pelo aquecimento global.

Mesmo sem uma sofisticada modelização informática, o padrão é claro: os oito anos mais quentes ocorreram todos nos últimos oito anos, segundo a Organização Meteorológica Mundial da ONU.

O verão deste ano está a seguir o mesmo caminho. O mês passado foi o junho mais quente alguma vez registado a nível mundial, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, sediada nos EUA.

UE, Copernicus Sentinel-2
Imagem de satélite da ilha grega de Corfu, esta terça-feira.UE, Copernicus Sentinel-2

Com a onda de calor que tem assolado o sul da Europa este mês, o recorde histórico de temperatura máxima no bloco - 48,8°C na Sicília, medidos (embora ainda não verificados oficialmente) em 2021 - poderá em breve ser batido.

É normal que os recordes meteorológicos e climáticos sejam batidos de vez em quando. "O que é surpreendente e me chama a atenção é o facto de não se tratar apenas de uma irregularidade do clima", explica Buontempo.

Não se trata apenas de uma flutuação, mas de um padrão, esclarece, que se tem vindo a acentuar nos últimos três verões. A estação de 2021 foi a mais quente alguma vez registada na Europa, rapidamente ultrapassada pelo verão de 2022 por quase meio grau.

"Mesmo que não confie nos modelos climáticos ou no que a ciência climática diz, deve confiar nas observações. E estas dizem-nos inequivocamente que o sistema climático tem estado a aquecer e que os extremos estão a agrupar-se e a tornar-se mais frequentes do que eram antes", garante o especialista.

A ligação entre o aquecimento global alimentado por combustíveis fósseis e as ondas de calor é bastante clara. 

O Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas assegura que "cada 0,5°C adicional de aquecimento global provoca aumentos claramente discerníveis na intensidade e frequência de fenómenos extremos de calor, incluindo ondas de calor".

Reconhecimento da crise climática cresce

A primeira grande vaga de calor na Europa ocorreu no verão de 2003, provocando dezenas de milhares de mortes em França, Itália e Espanha. 

"Os especialistas do clima avisaram-nos que, em 2020, este tipo de verão seria muito mais comum, se não mesmo predominante", conta Buontempo. E foi o que aconteceu.

Copernicus
Carlo BuontempoCopernicus

"Por vezes, fico um pouco perplexo com o facto de haver tantas pessoas que não confiam nas provas. Penso que ser cético é uma atitude muito natural e também muito científica. Mas, na minha opinião, esse tipo de ceticismo deve começar com factos e observação de dados", confessa.

"Os abusos de que somos alvo no Twitter, dizendo que cumprimos uma agenda ou que estamos a mentir, é bastante cansativo. Também porque gosto de pensar que todos nós devemos ser guiados. As nossas ações devem ser guiadas pela ciência e pelas provas. E o que nós fazemos é fornecer provas".

PUBLICIDADE

No entanto, de um modo geral, o especialista considera que existe um "reconhecimento crescente" da crise climática, especialmente por parte dos cidadãos do Sul da Europa e do Mediterrâneo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Planeta Terra chegou à "era da ebulição global", alerta ONU

Cinco mortos em incêndios em Itália, assolada a norte por tempestades

Espanha registou 22 mil mortes relacionadas com o calor nos últimos oito anos. Como é que um novo mapa pode ajudar?