EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Os pinguins-imperadores correm o risco de "quase extinção" devido à perda de gelo marinho na Antártida

Os resultados confirmam as previsões de que mais de 90% das colónias de pinguins-imperador estarão quase extintas até ao final do século,
Os resultados confirmam as previsões de que mais de 90% das colónias de pinguins-imperador estarão quase extintas até ao final do século, Direitos de autor Peter Fretwell, British Antarctic Survey
Direitos de autor Peter Fretwell, British Antarctic Survey
De  Rebecca Ann Hughes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A investigação revelou que o gelo marinho em torno da Antártida diminuiu significativamente nos últimos sete anos.

PUBLICIDADE

Segundo um novo estudo, os pinguins-imperadores da Antártida sofreram um fracasso reprodutivo sem precedentes devido à perda de gelo marinho.

Numa região da Antártida onde se verificou uma perda total de gelo marinho em 2022, as crias de quatro em cada cinco colónias pereceram.

Os resultados apoiam as previsões de que mais de 90% das colónias de pinguins-imperadores estarão quase extintas até ao final do século.

Eis como as tendências do aquecimento global estão a pôr em perigo esta espécie.

Perda de 100 por cento do gelo marinho em zonas da Antártida

Uma investigação revelou que o gelo marinho em torno da Antártida diminuiu significativamente nos últimos sete anos.

No final de dezembro de 2022, a extensão do gelo marinho era a mais baixa registada em 45 anos, de acordo com os registos de imagens de satélite.

A perda mais extrema foi observada na região central e oriental do Mar de Bellingshausen, a oeste da Península Antártica, onde se registou uma perda de 100 por cento do gelo marinho em novembro de 2022.

Nesta zona, o gelo marinho só começou a formar-se de novo no final de abril de 2023.

O aquecimento dos mares põe em perigo os pinguins-imperadores

Um novo estudo, publicado na revista Communications Earth & Environment no início desta semana, concluiu que a fusão do gelo marinho representa uma grande ameaça para os pinguins-imperadores.

Os investigadores do British Antarctic Survey (BAS) estudaram colónias na região central e oriental do Mar de Bellingshausen.

Concluíram que havia uma elevada probabilidade de que, em 2022, nenhuma cria sobrevivesse em quatro das cinco colónias de pinguins-imperadores existentes na zona.

"Nunca vimos os pinguins-imperadores deixarem de se reproduzir, a esta escala, numa única estação", afirma o principal  autor do estudo, Peter Fretwell.

"A perda de gelo marinho nesta região durante o verão antártico tornou muito improvável que as crias deslocadas sobrevivessem."

Christopher Walton, British Antarctic Survey
“Nunca vimos pinguins-imperadores deixarem de se reproduzir, nesta escala, numa única estação”, afirma o autor principal do estudo, Peter FretwellChristopher Walton, British Antarctic Survey

Os cientistas examinaram imagens de satélite que mostram a perda de gelo marinho nos locais de reprodução muito antes de as crias desenvolverem penas impermeáveis.

Os pinguins-imperadores dependem de gelo marinho estável e firmemente ligado à costa, o chamado gelo "terrestre", durante a maior parte do ano, de abril a janeiro.

Quando chegam ao local de reprodução escolhido, os pinguins põem ovos durante o inverno antártico, de maio a junho. Os ovos eclodem ao fim de 65 dias, mas as crias só nascem no verão, entre dezembro e janeiro.

Entre 2018 e 2022, 30% das 62 colónias de pinguins-imperadores conhecidas na Antártida foram afetadas pela perda parcial ou total de gelo marinho, de acordo com o estudo.

"Sabemos que os pinguins-imperadores são altamente vulneráveis num clima em aquecimento - e as provas científicas atuais sugerem que eventos extremos de perda de gelo marinho como este se tornarão mais frequentes e generalizados", acrescenta Fretwell.

PUBLICIDADE

90 por cento das colónias de pinguins-imperadores estão em risco de extinção

Os pinguins-imperadores já responderam a incidentes de perda de gelo marinho deslocando-se para locais mais estáveis no ano seguinte. No entanto, os cientistas afirmam que esta estratégia não funcionará se o habitat do gelo marinho for afetado em toda uma região.

As alterações climáticas são consideradas o único fator importante que influencia as alterações populacionais a longo prazo dos pinguins-imperadores.

Previsões recentes traçam um quadro sombrio: se as atuais taxas de aquecimento se mantiverem, mais de 90% das colónias estarão quase extintas até ao final deste século.

"Este artigo revela de forma dramática a ligação entre a perda de gelo marinho e a aniquilação do ecossistema", afirma Jeremy Wilkinson, físico do BAS.

"É mais um sinal de aviso para a humanidade de que não podemos continuar neste caminho e que os políticos têm de agir para minimizar o impacto das alterações climáticas. Já não há tempo a perder".

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quase metade dos animais migratórios estão em risco

Inundações ameaçam um em cada oito europeus e 11% dos hospitais

Cozinhar com combustíveis "sujos" e prejudiciais para o clima mata milhões de pessoas todos os anos. Como é que a Europa pode ajudar?