EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

2 mil rinocerontes-brancos colocados em leilão serão libertados

Vários dos 2000 rinocerontes brancos que serão reerguidos nos próximos 10 anos.
Vários dos 2000 rinocerontes brancos que serão reerguidos nos próximos 10 anos. Direitos de autor Brent Stirton, Getty Images via African Parks
Direitos de autor Brent Stirton, Getty Images via African Parks
De  Angela Symons
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

2 mil rinocerontes brancos em cativeiro vão ser libertados num projeto de renaturalização de dez anos em África.

PUBLICIDADE

A organização não-governamental (ONG) sul-africana African Parks adquiriu a maior operação de criação de rinocerontes em cativeiro do mundo. Planeia agora proteger os animais em todo o continente.

A organização interveio depois de um leilão online dos 2 mil rinocerontes do criador John Hume não ter recebido qualquer oferta.

Ao longo dos próximos dez anos, a organização de conservação tenciona transferir os animais para áreas protegidas em todo o continente para ajudar a garantir o futuro da espécie.

Porque é que 2 mil rinocerontes brancos foram vendidos num leilão online?

O antigo bilionário John Hume investiu a sua fortuna na construção da maior herdade de rinocerontes do mundo, em 2009.

Localizada em Klerksdorp, 170 quilómetros a sudeste de Joanesburgo, a herdade altamente vigiada custava mais de 425 mil dólares (396 mil euros) por mês, de acordo com os documentos do leilão.

Uma grande parte desse valor destinava-se à segurança e os custos aumentaram nos últimos anos devido a uma seca prolongada que fez subir o preço da alimentação dos animais.

Para dissuadir ainda mais os caçadores furtivos, cortaram-se os chifres dos rinocerontes da herdade de Hume. O procedimento não magoa os rinocerontes, mas pode alterar o seu comportamento e ter consequências a longo prazo. Se forem cortados corretamente, os chifres podem voltar a crescer com o tempo.

Em 2017, o polémico empresário ganhou uma batalha legal para levantar a proibição de 2009 do comércio interno de chifres de rinoceronte na África do Sul, apesar da proibição internacional. O objetivo era financiar o seu projeto de conservação e, alegadamente, reduzir o valor dos chifres no mercado ilegal.

Em 2016, a CNN informou que a herdade tinha quase dez toneladas de chifres no valor de quase 500 milhões de euros. Em 2015, o valor dos chifres de rinoceronte ultrapassou o do ouro e o da cocaína.

Em abril, incapaz de continuar a gerir a herdade de 7800 hectares, Hume colocou-a em leilão online.

O preço pago pela African Parks não foi revelado, mas o leilão, que terminou em maio, foi aberto a licitações a partir de 10 milhões de dólares (9,3 milhões de euros).

Brent Stirton and African Parks
Um rinoceronte-branco e um bezerro a serem libertados na próxima década.Brent Stirton and African Parks

O que é que a African Parks vai fazer com os rinocerontes?

A African Parks é uma ONG de conservação. Gere 22 parques nacionais em 12 países africanos, em parceria com os governos e as comunidades locais.

Com o apoio do governo sul-africano, planeia recuperar os 2 mil rinocerontes-brancos do sul, que representarão cerca de 15% da população selvagem ainda existente no mundo.

A ONG afirma ter experiência na gestão de áreas protegidas e na translocação de animais selvagens em grande número, incluindo o regresso de rinocerontes ao Ruanda, ao Malawi e à República Democrática do Congo.

A ONG assegurou um financiamento de emergência para adquirir os rinocerontes e protegê-los da potencial caça furtiva e fragmentação.

Nos próximos dez anos, planeia recolocar os rinocerontes em áreas bem geridas e seguras, estabelecendo ou complementando populações estratégicas para garantir o futuro da espécie.

"A escala deste empreendimento é simplesmente enorme e, por isso, assustadora", afirma Peter Fearnhead, Diretor Executivo da African Parks. "No entanto, é igualmente uma das oportunidades de conservação mais excitantes e globalmente estratégicas."

Será um dos maiores projetos de renaturalização (rewilding) a nível continental a ocorrer para qualquer espécie.

PUBLICIDADE

Que ameaças enfrentam os rinocerontes na África do Sul?

Depois de terem sido caçados até à quase extinção no final do século XIX, os rinocerontes-brancos do sul tornaram-se uma história de sucesso em matéria de conservação.

A sua população cresceu de menos de 40 animais na década de 1930 para cerca de 13 mil atualmente, graças a programas de proteção e reprodução. No entanto, esse número diminuiu de 20 mil em 2012 devido à caça furtiva.

De acordo com o World Wide Fund for Nature, os rinocerontes são regularmente caçados por causa dos chifres, que são utilizados na medicina tradicional para tratar uma série de doenças, desde a redução de febres até à interrupção de hemorragias nasais e à prevenção de acidentes vasculares cerebrais.

Em 2022, foram mortos 448 rinocerontes na África do Sul, segundo a organização de conservação Save the Rhino.

Os rinocerontes-brancos do sul estão agora listados como quase ameaçados pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

PUBLICIDADE

O rinoceronte-branco do norte está funcionalmente extinto, com apenas duas fêmeas não reprodutoras em cativeiro no Quénia.

Mais de metade dos rinocerontes-brancos de África estão agora na posse de proprietários privados, que normalmente têm mais dinheiro para medidas de segurança.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quais os melhores países da Europa para ir de bicicleta para o trabalho?

Alterações climáticas: glaciares austríacos em risco de desaparecer nos próximos 45 anos

"O progresso é possível": Como é que o Brasil e a Colômbia reduziram a desflorestação?