EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Animais icónicos que foram os últimos da sua espécie

Toughie "era um cavalheiro perfeito", diz Mark Mandica, que cuidou da rã durante sete anos.
Toughie "era um cavalheiro perfeito", diz Mark Mandica, que cuidou da rã durante sete anos. Direitos de autor Mark Mandica
Direitos de autor Mark Mandica
De  Lottie Limb
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Estima-se que pelo menos 1,2 milhões de espécies vegetais e animais estejam em risco de extinção, muitas das quais antes de 2100.

PUBLICIDADE

"É muito importante que o mundo saiba que o Toughie era um perfeito cavalheiro. Um sapo bonito, bonito. E amado".

O tributo do biólogo de anfíbios Mark Mandica a Toughie - a última rã-das-árvores com franjas de Rabbs, que morreu em 2016 - dá voz à profunda dor que advém de cuidar de uma espécie em “extinção."

De acordo com a World Wide Fund for Nature, cerca de 10 mil espécies extinguem-se todos os anos, à medida que as atividades humanas continuam a impulsionar o que os cientistas confirmaram ser um sexto evento de extinção em massa.

É quase impossível compreender a escala da crise da biodiversidade, mas familiarizarmo-nos com apenas algumas destas espécies - especialmente aquelas tão amadas como Toughie - ajuda a colocá-las em termos emocionais que podemos começar a processar.

As suas histórias servem para nos lembrar de como outras espécies estão a navegar pelo mundo em números cada vez mais reduzidos - espécies que ainda podem ser salvas.

Martha, o pombo-passageiro - 1914

Cincinnati Zoo
Fotografia de Martha ao lado do Memorial do Pombo-Passageiro.Cincinnati Zoo

Martha, o último pombo-passageiro conhecido, faleceu no jardim zoológico de Cincinnati, nos Estados Unidos, em 1914. A sua morte marcou a primeira extinção documentada de uma espécie pela mão do homem, de acordo com o jardim zoológico.

"Quando nos apercebemos que o pombo-passageiro estava em apuros, já era demasiado tarde", diz o zoo. Depois de o último pombo selvagem conhecido ter sido caçado até à morte no Ohio em 1900, existia um único bando em cativeiro no jardim zoológico.

As tentativas de reprodução falharam e, em 1910, só Martha continuava de pé. "Foi oferecida uma recompensa de mil dólares [cerca de 900 euros, ou 27 mil euros em dinheiro atual] a quem conseguisse arranjar um companheiro para Martha, mas não foi encontrado nenhum", lembra o jardim zoológico.

Há um forte ritual em torno da morte do pombo-passageiro. O corpo de Martha foi congelado e encontra-se atualmente no Smithsonian, em Washington.

Em Cincinnati, um dos primeiros aviários do jardim zoológico foi preservado como um memorial para o animal. No interior, uma exposição "serve para lembrar a todos a tragédia da extinção e apela aos visitantes para que considerem como as suas ações afetam a vida selvagem."

Benjamin, o tigre-da-Tasmânia - 1936

AFP PHOTO / THE NATIONAL FILM AND SOUND ARCHIVE OF AUSTRALIA
Imagem, a cores, do último tigre-da-Tasmânia sobrevivente conhecido a partir de imagens tiradas em 1933.AFP PHOTO / THE NATIONAL FILM AND SOUND ARCHIVE OF AUSTRALIA

O tigre-da-tasmânia - ou thylacine - é, sem dúvida, uma das espécies mais emblemáticas que se extinguiram no século XX.

Declarado o último da sua linhagem, Benjamin foi capturado na natureza e mantido no Jardim Zoológico de Hobart, onde morreu alguns anos mais tarde, em 1936.

Um vídeo histórico que o mostra a andar atrás das grades é angustiante de ver. E, ainda não passados cem anos, é difícil imaginar como é que esta criatura de aspeto estranho, com as riscas pretas de um tigre, o nariz pontiagudo de um cão e a bolsa de um canguru, existiu.

Como maiores marsupiais carnívoros da era moderna, os tigres-da-tasmânia foram levados à extinção pela caça (houve uma recompensa do governo pelas suas cabeças até 1909), por doenças e pela perda de habitat após a colonização europeia.

Tem sido difícil para as pessoas darem descanso a um animal tão único e carismático. Os relatos de avistamentos continuaram durante décadas. No ano passado, investigadores da Universidade de Melbourne anunciaram a sua intenção de trazer a espécie de volta à vida.

PUBLICIDADE

Lonesome George, a tartaruga gigante das Galápagos - 2012

Dolores Ochoa/AP
Lonesome George, a última tartaruga gigante terrestre da espécie Geochelone abigdoni, é vista no Parque Nacional de Galápagos, na Ilha de Santa Cruz, em 2009.Dolores Ochoa/AP

O último representante conhecido da subespécie de tartaruga gigante das Galápagos Chelonoidis nigra abingdoni, Lonesome George, viveu os seus últimos anos no centro de investigação Charles Darwin, nas Ilhas Galápagos.

Pensa-se que tinha cerca de cem anos de idade e poderia ter vivido até aos 200, mas foi encontrado sem vida por um guarda-florestal do Parque Nacional das Galápagos em 2012, pondo fim à sua vida de cerca de 10 milhões de anos.

George foi o único sobrevivente das vagas de ataques de baleeiros e caçadores de focas - que mataram a subespécie para obter alimentos e petróleo - nas ilhas do Pacífico.

Transferido da ilha de Pinta em 1972, com o seu habitat devastado por cabras em fuga, o gigante solitário alcançou um estatuto de culto no Equador e não só.

PUBLICIDADE

Mas as várias tentativas de reprodução, incluindo a inseminação artificial e uma licenciada em zoologia suíça que se besuntou com hormonas de tartaruga fêmea para tentar estimulá-lo, infelizmente falharam.

"George tinha uma personalidade única. A sua tendência natural era evitar as pessoas. Era muito evasivo. Tinha os seus favoritos e as suas rotinas, mas só se aproximava realmente da sua tratadora Llerena", recordou Joe Flanagan, um veterinário de renome que conhecia George há mais de 20 anos.

"Ele representa o que queríamos preservar para sempre. Quando ele olhava para nós, víamos o tempo nos seus olhos."

Toughie, a rã-das-árvores com franjas de Rabbs - 2016

Mark Mandica
“É sempre possível distinguir Toughie pelas fotos através do ponto amarelo no lábio sob o olho direito”, disse Mandica à Euronews Green.Mark Mandica

Toughie - assim chamado pelo filho de Mandica, que cuidava dele, quando este soube do estatuto da rã-arborícola - morreu no Jardim Botânico de Atlanta, na Geórgia, EUA.

PUBLICIDADE

Num mini-documentário áudio apresentado no podcast britânico "Shortcuts" no início deste ano, o biólogo de anfíbios descreve com carinho os últimos anos da rã-arborícola.

No início da década de 2000, um fungo letal chamado quitrídio atingiu as florestas tropicais do Panamá, terra natal da rã, "como um furacão" - inadvertidamente trazido pelos humanos para uma área onde os anfíbios não tinham resistência.

Os investigadores apressaram-se a recolher as rãs das árvores, "tirando-as basicamente de um edifício em chamas", diz Mandica.

A nível mundial, a doença que come a pele é responsável por 90 presumíveis extinções de anfíbios. Os anfíbios estão mais ameaçados e em declínio mais rápido do que as aves ou os mamíferos - também em resultado da perda de habitat e das alterações climáticas.

PUBLICIDADE

Os anos de solidão de Toughie no jardim botânico foram passados em silêncio, à exceção de um momento especial - registado por Mandica - em que encontrou a rã a "cantar" sozinha.

"É óbvio que ele queria uma companheira e isso é profundamente triste, porque não havia nenhuma em todo o planeta", disse o biólogo.

Fatu e Najin, os últimos rinocerontes-brancos do norte?

TONY KARUMBA/AFP
Fatu (primeiro plano) com a mãe Najin no recinto de Ol Pejeta. Os rinocerontes são vigiados 24 horas por dia, 7 dias por semana, por guardas armados para mantê-los seguros.TONY KARUMBA/AFP

Najin e Fatu, dois rinocerontes-brancos do norte que vivem na reserva de Ol Pejeta, no Quénia, podem ainda não levar a sua espécie para a sepultura.

Mas o futuro não se afigura brilhante, depois de o último rinoceronte-branco do norte macho do mundo, Sudan, ter falecido no santuário na sequência de problemas relacionados com a idade, em 2018.

PUBLICIDADE

"A sua morte é um símbolo cruel do desrespeito humano pela natureza e entristeceu todos os que o conheciam", afirmou Jan Stejskal, funcionário do jardim zoológico de Dvur Kralove, na Chéquia, onde Sudan viveu até 2009.

"Mas não devemos desistir", disse à agência noticiosa AFP, "temos de aproveitar a situação única em que as tecnologias celulares são utilizadas para a conservação de espécies criticamente ameaçadas. Pode parecer inacreditável, mas graças às novas técnicas desenvolvidas, até o Sudão pode ter uma descendência."

A reprodução artificialmente assistida é uma possibilidade para as fêmeas, como demonstraram os recentes controlos veterinários. As esperanças da subespécie residem agora no desenvolvimento de técnicas de fertilização in vitro e de tecnologia de células estaminais, diz Ol Pejeta, "procedimentos dispendiosos e complicados que nunca antes foram tentados em rinocerontes."

Os rinocerontes-negros, de Sumatra e de Javan também estão criticamente ameaçados - este último com cerca de 18 indivíduos - após crises de caça furtiva.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países dos Balcãs criam comité para proteger lago comum ameaçado de extinção

Rio do Equador obtém o direito de não ser poluído em processo judicial histórico

Cientistas descobrem que hipopótamos podem "voar"