EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Sem chuva, sem inverno, sem rios": antigo lago europeu está a recuar - e pode ser desastroso

Um barco a remos descansa na linha de água do ano passado no lago Prespa, na aldeia de Stenje, na Macedónia do Norte, a 6 de setembro de 2023\.
Um barco a remos descansa na linha de água do ano passado no lago Prespa, na aldeia de Stenje, na Macedónia do Norte, a 6 de setembro de 2023\. Direitos de autor REUTERS/Ognen Teofilovski/File Photo
Direitos de autor REUTERS/Ognen Teofilovski/File Photo
De  Euronews Green com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um dos lagos mais antigos da Europa está a encolher e a colocar a vida selvagem em risco de extinção.

PUBLICIDADE

O nível das águas do lago Prespa, um dos mais antigos da Europa, atingiu o ponto mais baixo dos últimos séculos.

O barco do pescador Vancho Vasilevski encalha frequentemente quando navega no lago, que alberga mais de 2 mil espécies de peixes, aves, mamíferos e plantas.

"Nos últimos dois ou três meses, a água desceu 36 centímetros e, nos últimos dias, provavelmente mais dois ou três centímetros", diz Vancho Vasilevski, que tem cerca de 60 anos.

"Vai baixar mais. Não há chuva, não há inverno, não há neve, não há rios. Só um rio está a chegar ao lago. Isto é um desastre, um desastre natural."

O declínio tem-se mantido ao longo de décadas. A água do lago Prespa, situado no alto das montanhas e com 5 milhões de anos, está agora mais de 8 metros mais baixa do que no final da década de 1970.

Num relatório de 2022, a NASA afirmou que as imagens de satélite mostravam que o lago tinha perdido 7% da sua superfície e metade do seu volume entre 1984 e 2020.

REUTERS/Ognen Teofilovski/File Photo
Pescador Vane Vasilevski trabalha no seu barco a remo no Lago Prespa, na vila de Stenje, Macedônia do Norte, 7 de setembro de 2023.REUTERS/Ognen Teofilovski/File Photo

Porque é que o lago Prespa está a diminuir?

Com uma superfície de cerca de 260 quilómetros quadrados, mais do dobro da superfície de Paris, mais de dois terços do Lago Prespa pertencem à Macedónia do Norte e o restante à Grécia e à Albânia.

Os ambientalistas afirmam que a falta de chuva, a evaporação e a utilização excessiva de água para irrigação pelos três países são as principais razões para a perda de água.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) alertou para o facto de algumas espécies de animais selvagens do lago estarem em risco de extinção devido à destruição do seu habitat através de práticas agrícolas prejudiciais, erosão, resíduos não tratados e águas residuais.

Qualquer descida do nível da água pode afetar o lago Ohrid, um lago muito maior, situado a apenas 10 quilómetros de Prespa e que retira cerca de um terço da sua água de Prespa.

REUTERS/Ognen Teofilovski/File Photo
Imagem de drone mostra onde a antiga linha de água ficava a mais de um quilómetro da linha atual em Pretor, no Lago Prespa, Macedónia do Norte, a 6 de setembro de 2023.REUTERS/Ognen Teofilovski/File Photo

"Precisamos de nos adaptar ao que está para vir"

Dragan Arsovski, biólogo da organização não-governamental Sociedade Geológica da Macedónia, sediada em Skopje, diz que o nível da água do lago subiu e desceu ao longo dos séculos e que a natureza sobreviveu. Mas atualmente as pessoas não se adaptam e não tomam medidas.

"No que diz respeito às alterações climáticas globais, há coisas que não podemos mudar e temos de nos adaptar ao que está para vir. Algumas coisas talvez possamos mudar, como os nossos hábitos quotidianos", afirma.

A utilização de pesticidas pelos fruticultores levou a um rápido crescimento da biomassa que põe em perigo as espécies endémicas.

“Todos [os pesticidas] vão para as águas subterrâneas, para o lago, vão para todo o lado e são muito perigosos para Prespa", diz Mende Pandevski, que colhe ameixas perto do lago.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inundações ameaçam um em cada oito europeus e 11% dos hospitais

Cozinhar com combustíveis "sujos" e prejudiciais para o clima mata milhões de pessoas todos os anos. Como é que a Europa pode ajudar?

Camiões e autocarros deverão reduzir as emissões de CO2 em 90% até 2040