EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Que países europeus mais investiram nos caminhos-de-ferro desde 1995?

Vários países europeus investiram dinheiro em estradas e negligenciaram os caminhos-de-ferro.
Vários países europeus investiram dinheiro em estradas e negligenciaram os caminhos-de-ferro. Direitos de autor canva
Direitos de autor canva
De  Charlotte Elton
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Novo relatório revela como os países europeus estão a reduzir os caminhos-de-ferro e a construir estradas.

PUBLICIDADE

De acordo com um novo estudo, a rede ferroviária europeia diminuiu drasticamente nas últimas três décadas, enquanto o investimento nas estradas aumentou.

Mas com o fosso de financiamento entre as duas a diminuir, poderá haver uma luz ao fundo do túnel(anteriormente fechado)?

A extensão das autoestradas na Europa aumentou 60% entre 1995 e 2020, ou seja, 30 mil quilómetros, de acordo com um estudo realizado pelos grupos de reflexão alemães Wuppertal Institute e T3 Transportation e encomendado pela Greenpeace.

Entretanto, os caminhos-de-ferro diminuíram 6,5%, ou seja, 15 650 quilómetros, e foram encerradas mais de 2500 estações ferroviárias.

Os números revelam como os governos dão prioridade aos automóveis em detrimento dos caminhos-de-ferro, alertou Lorelei Limousin, ativista sénior da Greenpeace para o clima na União Europeia (UE).

"Milhões de pessoas fora das cidades não têm outra opção a não ser ter um carro para ir para o trabalho, levar os filhos à escola ou aceder a serviços básicos, vivendo em zonas com poucos ou nenhuns transportes públicos", afirmou.

"Este é o resultado direto do desmantelamento das redes ferroviárias locais e regionais por parte dos governos, ao mesmo tempo que investem dinheiro nas estradas."

No entanto, há uma ligeira luz na investigação: o fosso de financiamento está a diminuir.

canva
Alemanha reduziu a infraestrutura ferroviária em geral ao longo das últimas três décadas, embora ainda tenha a rede mais extensa da Europa.canva

Entre 1995 e 2018, os países europeus gastaram mais 66% em estradas do que em caminhos-de-ferro. Durante o período de 2018-2021, os países europeus gastaram mais 34% no alargamento das estradas do que no alargamento dos caminhos-de-ferro.

No entanto, a disparidade continua a ser chocante, comentou Limousin.

"Os governos e a UE devem travar este desmantelamento das nossas linhas ferroviárias, reabrir as linhas em desuso e investir nos caminhos-de-ferro - bem como acabar com os subsídios em massa para as estradas que destroem o clima, poluem o ar e tornam a vida das pessoas miserável", afirmou.

Que países europeus investiram nos transportes públicos?

Os comboios são uma das formas mais ecológicas de se deslocar. Os automóveis, as carrinhas e os camiões são responsáveis por 72% das emissões poluentes dos transportes europeus, enquanto os caminhos-de-ferro representam apenas 0,4%.

No entanto, os governos continuam a investir em infraestruturas automóveis poluentes.

Nos países do bloco comunitário, na Noruega, na Suíça e no Reino Unido gastaram-se cerca de 1,5 mil milhões de euros em infraestruturas rodoviárias e apenas 930 mil milhões de euros em infraestruturas ferroviárias durante o período 1995-2020.

Dez países registam um aumento líquido da extensão das suas redes ferroviárias desde 1995: a Bélgica, a Croácia, a Estónia, a Finlândia, a Irlanda, Itália, os Países Baixos, Eslovénia, Espanha e Suíça.

A maior parte dos encerramentos ferroviários ocorreu na Alemanha (redução de 6706 quilómetros), na Polónia (4660 quilómetros) e em França (4125 quilómetros). Ainda assim, estes três países continuam a representar as maiores extensões totais de rede, seguidos do Reino Unido e de Espanha.

Entre 2018 e 2021, a Áustria, a Bélgica, a Dinamarca, França, Itália, o Luxemburgo e o Reino Unido investiram mais em caminhos-de-ferro do que em estradas. Os outros países gastaram mais em estradas do que em caminhos-de-ferro. Na Roménia, a diferença de financiamento foi particularmente acentuada, com o governo a gastar 12 vezes mais em estradas do que em caminhos-de-ferro.

As autoestradas cresceram mais na Irlanda, na Roménia e na Polónia, e menos na Lituânia, na Letónia e na Bélgica. Em 15 dos 30 países analisados, a extensão das autoestradas mais do que duplicou, incluindo Espanha, a Noruega e a Grécia.

PUBLICIDADE

O que é que os investigadores pensam que deve ser feito para melhorar a rede ferroviária europeia?

Vários países europeus lançaram tarifas baratas para os transportes públicos numa tentativa de reduzir as emissões poluentes. Mais de três milhões de pessoas adquiriram o Deutschlandticket da Alemanha, cujo preço é de 49 euros por mês.

Mas as tarifas económicas não são suficientes. A Greenpeace exortou os responsáveis políticos a investirem dinheiro nos caminhos-de-ferro, nos transportes públicos e nas ciclovias, e a desviarem-no das autoestradas e dos aeroportos.

Os investigadores acreditam que mais de 13500 quilómetros de linhas ferroviárias encerradas poderiam ser reabertas "com relativa facilidade."

"As nações europeias têm o compromisso de reduzir a pobreza energética e de transportes e estão comprometidas com o Acordo de Paris", insistem os autores do relatório.

"Por conseguinte, numa perspetiva social e ambiental, as prioridades de financiamento das infraestruturas de transportes devem ser alteradas em conformidade.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inundações ameaçam um em cada oito europeus e 11% dos hospitais

Cozinhar com combustíveis "sujos" e prejudiciais para o clima mata milhões de pessoas todos os anos. Como é que a Europa pode ajudar?

Camiões e autocarros deverão reduzir as emissões de CO2 em 90% até 2040