Zonas húmidas costeiras são ideais para captar carbono - veja como

Em parceria com The European Commission
Zonas húmidas costeiras são ideais para captar carbono - veja como
Direitos de autor Euronews
De  Denis Loctier
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nesta edição de Ocean, vamos à Irlanda, aos Países Baixos e a Itália e vemos como as zonas húmidas costeiras são excelentes sumidouros de carbono, graças à fotossíntese das plantas marinhas.

"Quando se trata de combater as alterações climáticas, pensamos muitas vezes em plantar mais árvores. Mas as zonas húmidas costeiras, como estes pântanos salgados no sudoeste da Irlanda, capturam e armazenam carbono ainda melhor do que as florestas tropicais. Estaremos a ignorar uma solução para as alterações climáticas que está mesmo debaixo dos nossos pés?

Irlanda

Em cada maré alta, as ondas do Atlântico inundam os pântanos da ilha de Derrymore. É mais do que uma vista panorâmica; é um sumidouro natural de carbono. Uma equipa da Universidade de Dublin está aqui para estudar como estes pântanos ajudam a remover o carbono do ar.

Explica Grace Cott, especialista em ecologia de zonas húmidas costeiras: "Os pântanos salgados são um habitat inundado pela maré, por isso são baixos e as plantas que aqui vivem têm de ser capazes de tolerar as condições salgadas e também as condições de alagamento, o que faz com que os pântanos salgados sejam bons a armazenar carbono".

Todas as plantas captam CO2 para crescer, mas em terra firme libertam a maior parte desse carbono de volta para o ar quando se decompõem. As gramíneas dos pântanos são diferentes. Saturadas pela água salgada, têm menos probabilidades de se decomporem, mantendo o carbono capturado no solo.

Escavamos meio metro de profundidade para encontrar raízes e caules que têm mantido o seu carbono ao longo de um século.

"Estamos a tentar ter uma noção exata da quantidade de carbono que está a ser armazenada neste habitat, e depois podemos propor diferentes formas de gerir estes habitats para que possam continuar a armazenar carbono", diz Grace Cott.

A ferramenta-chave para esta investigação é a torre de covariância de Foucault - um instrumento sensível que regista a troca de gases entre o solo e a atmosfera, indicando a quantidade real de carbono que o pântano é capaz de armazenar.

Lisa Jessen é investigadora em ecologia de sapais na Universidade de Dublin: "O que calculamos aqui são os fluxos de dióxido de carbono e vapor de água. Estamos a ver a absorção de CO2 durante o dia devido à fotossíntese e depois as emissões de dióxido de carbono durante a noite devido à respiração das plantas", explica.

Esta zona húmida próspera está a capturar mais carbono do que aquele que está a libertar. Mas isto só acontece quando as condições são equilibradas, nem demasiado húmidas nem demasiado secas.

"Quando os ecossistemas são inundados, têm muita dificuldade em continuar a funcionar corretamente. No outro extremo, se drenarmos o ecossistema para uso agrícola, isso afeta-o de forma muito negativa e liberta muito carbono", diz Elke Eichelman, cientista ambiental na mesma universidade. 

Se as zonas húmidas costeiras se deteriorarem, podem passar de sumidouro de carbono a fonte de carbono, agravando as alterações climáticas.

Explica Grace Cott: "As zonas húmidas costeiras de todo o mundo estão ameaçadas pelo desenvolvimento, pela agricultura e também pela subida do nível do mar. Na Irlanda, em particular, perdemos muitos habitats de pântanos salgados nos últimos anos, mas isso também é verdade a nível global. É verdade para as florestas de mangue e para as ervas marinhas".

A drenagem de uma zona húmida desencadeia a decomposição da matéria orgânica armazenada ao longo dos séculos.

Países Baixos

Um exemplo são os polders holandeses. Por baixo destes campos verdes na Holanda do Norte há turfa, que é basicamente um pântano antigo. Para manter a terra seca para as vacas leiteiras - especialmente quando está quase cinco metros abaixo do nível do mar - a água tem de ser bombeada continuamente.

Mas esta mancha foi novamente humedecida e agora as plantas Typha, também conhecidas como taboas, estão a brotar de turfeiras submersas em cerca de 15 centímetros de água. Como o solo já não está exposto ao oxigénio, não está a libertar tanto CO2 da turfa em decomposição. Aldert van Weeren, da equipa da Wetlands International Europe, está a realizar esta experiência e pensa que esta pode ser uma alternativa mais ecológica à tradicional produção de leite na região.

"A quantidade de carbono que está associada a um litro de leite produzido nestes prados é aproximadamente a mesma emissão que a queima de dois litros de gasolina no nosso carro. A partir do momento em que se faz a re-humidificação, deixa de haver emissões de carbono provenientes desta área. Mas depois não se pode ter vacas a correr por aqui e erva. Por isso, a cultura é diferente. Em vez de ser um produtor de leite, sou agora um produtor de fibras", explica.

A planta é naturalmente forte, flexível e resistente à podridão. Aldert van Weeren vê um grande potencial para as suas fibras - desde tecidos a materiais de construção e de embalagem mais ecológicos.

"É quase impossível quebrá-la. Pode tentar o que quiser, pode até ficar de pé em cima dela. É uma estrutura muito estável devido a estas células e ao sistema de esponja. Isso torna-a num bom material de construção e num material de isolamento perfeito. É isso que pensamos que será o futuro da agricultura: este tipo de coisas, fazendo também um bom material de construção para a cidade de Amesterdão", mostra.

Os possíveis incentivos financeiros para reduzir as emissões e restaurar os habitats naturais podem ajudar a tornar esta utilização dos solos financeiramente viável a longo prazo. Além disso, novas máquinas leves poderão levar a agricultura em zonas húmidas a grande escala, transformando o carbono capturado em materiais de construção sustentáveis.

Aldert van Weeren mostra: "Isto é feito apenas de camadas de taboa cortadas umas em cima das outras. Como aglutinante, usamos óxido de magnésio. Não arde, é autossustentável e é um isolante. Estas fibras de celulose misturadas com água deram-nos este tipo de placas, feitas apenas de fibras vegetais puras sem qualquer aglutinante. Isto é uma ligação hidromecânica. As pessoas não acreditam, mas é verdade, funciona."

Itália

Acaptura costeira de carbono não se limita à terra - também está a acontecer debaixo de água.

Esta lagoa na Emília Romanha, em Itália, é um habitat natural de peixes utilizado para aquacultura extensiva. As manchas de ervas marinhas fornecem mais do que apenas um viveiro ideal para os peixes: globalmente, estas plantas subaquáticas capturam 10% de todo o carbono enterrado nos sedimentos oceânicos.

Há meio século, todas as lagoas locais estavam cobertas de ervas marinhas. Desde então, a maior parte destas plantas desapareceu, provavelmente devido à poluição. Agora, um projeto financiado pela Europa, o Life Transfer, está a replantar as ervas sobreviventes em lagoas próximas, inspirado pelos resultados promissores de um local-piloto perto de Veneza.

Graziano Caramori é coordenador do projeto: "Precisamos de inverter o processo, por isso temos de chegar a uma fase em que as ervas marinhas estão a expandir-se, como aconteceu na lagoa de Veneza. Temos um bom exemplo de sucesso que queremos exportar para todo o Mediterrâneo, e não só - para toda a Europa", diz.

Sob a direção de Caramori, a equipa de investigação desenvolveu um método para dar um novo lar às ervas marinhas. Os investigadores retiram manchas de um local doador e transferem-nas rapidamente para outro local com características semelhantes.

O objetivo é aumentar as probabilidades de estas plantas subaquáticas se transformarem em prados exuberantes no fundo do mar. A longo prazo, isto deverá resultar em águas mais limpas, menos erosão costeira e novos refúgios seguros para a vida selvagem aquática. Este trabalho está a ser realizado em Itália, Grécia e Espanha.

Michele Mistri é professor de Ecologia Marinha na Universidade de Ferrara: "Estaremos certamente a dar um enorme presente ao ambiente, melhorando a biodiversidade da área - mas também estaremos a dar um presente a nós próprios, aumentando a capacidade de sequestro de CO2 e, consequentemente, dando um contributo para a luta contra as alterações climáticas", diz.

Dos pântanos salgados às ervas marinhas - algumas das melhores soluções para o desafio climático estão mesmo nas nossas costas.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Zonas húmidas costeiras são muito eficazes na captura de carbono