"A substituição é a norma": Quão difícil é reparar um smartphone?

"A substituição é a norma": Quão difícil é reparar um smartphone?
Direitos de autor euronews
De  Cyril Fourneris
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Numa altura em que a Europa procura mudar a cultura de deitar fora e reduzir o lixo eletrónico, falámos com Bas Flipsen, professor de Engenharia de Design Industrial na TU Delft, nos Países Baixos, sobre o que é necessário para reparar um smartphone.

Há muito que os especialistas em matéria de ambiente condenam a cultura europeia de deitar fora os aparelhos electrónicos. Quando estes se avariam, temos frequentemente tendência a deitá-los fora em vez de tentar repará-los.

Mas comprar novos aparelhos em vez de os reparar custa milhares de milhões de euros todos os anos. A Euronews falou com Bas Flipsen, professor de Engenharia de Design Industrial na TU Delft, nos Países Baixos, sobre o processo de reparação de um smartphone.

"No [nosso laboratório], avaliamos a facilidade de desmontagem. Veja-se o caso dos smartphones, por exemplo. Toda a gente sabe que o ecrã se parte frequentemente. Mas também as baterias se avariam ao fim de alguns anos.

"Aqui temos a bateria. São apenas peças, por isso desmontámo-la para ver se esta peça é facilmente acessível. Mas há outros problemas envolvidos, como a tampa traseira, que se avaria. É feita de vidro e avaria-se muito facilmente. A tampa traseira é muito difícil de reparar ou substituir porque é necessário aceder a ela de cima para baixo e desmontar todas as peças. Se colocarmos uma peça muito quebrável por baixo, temos de retirar muitas outras peças antes de podermos aceder a essa peça.

"Outra é o ecrã. Este está partido, como é óbvio. E se reparar o ecrã, na verdade não vai funcionar porque também precisa de substituir um chip que o define como uma peça original.

"Há muita cola envolvida. Neste caso, há muita cola, claro, nas extremidades. Quando se juntam as peças, elas ficam estanques. E a estanquicidade significa que é preciso colar. Se quisermos voltar a montar, temos de comprar o autocolante que contém a cola. É preciso tê-lo. Mas também é difícil voltar a colar e é preciso ser muito profissional nesse sentido.

"Talvez há 40 anos, reparar era a norma. Atualmente, a substituição é a norma. Por isso, há muito a fazer. É possível fazer uma boa reparação ou conceber uma remodelação, mas se o consumidor não mudar um pouco a sua cultura, é um pouco difícil. Por isso, temos de o fazer!"

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

"Cafés reparadores" e smartphones sustentáveis: Combater a cultura do descartável na Europa

As várias formas de melhorar a qualidade do ar

Remoção de barragens antigas "é importante para as pessoas e não apenas para os rios"