EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Remoção de barragens antigas "é importante para as pessoas e não apenas para os rios"

Remoção de barragens antigas "é importante para as pessoas e não apenas para os rios"
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Cyril Fourneriseuronews
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A iniciativa Dam Removal Europe apoia a remoção de barragens abandonadas de modo a restaurar a biodiversidade e prevenir cheias.

A iniciativa reúne várias organizações e visa  ajudar explicar "porque é que a remoção de barragens é é importante para as pessoas, e não apenas para os rios", explicou Pao Fernandez Garrido, chefe de projeto da Dam Removal Europe

Existem mais de 1,2 milhões de infra-estruturas em 36 países do continente europeu. Mais de metade deste número não consta dos inventários, não tem qualquer utilidade.Ao eliminarmos infra-estruturas que não servem para nada, evita-se a erosão dos cursos de água, evitam-se as inundações, ajuda-se os aquíferos a carregar corretamente, e evita-se a má qualidade da água", explicou a especialista.

"Dentro de 30 anos, viveremos condições extremas em que o acesso à água será mais difícil. Se nos prepararmos para esta situação, teremos menos problemas" alertou a responsável.

"Gerir os rios com a tecnologia do século XXI"

Para Pao Fernandez Garrido, "é muito importante gerir os rios, não como fazíamos nos anos 50 e 60, mas com os conhecimentos e a tecnologia do século XXI". 

"As barragens são como os raios X. Há cem anos, quando os raios X foram descobertos pela primeira vez na medicina, foi revolucionário, muito positivo. Mas depois, com o passar dos anos, descobriu-se que os raios X são negativos para a saúde humana. Será que no século XXI deixámos de utilizar os raios X nos hospitais? Não. Mas já não estamos a irradiar as pessoas durante 40 minutos, mas sim durante 1 segundo", exemplificou a responsável.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

"A substituição é a norma": Quão difícil é reparar um smartphone?

Os efeitos do corte raso nas florestas

Valência, onde "a chuva não sabe chover", mas a água é reutilizada