2023 é oficialmente o ano mais quente desde que há registo

2023 é o ano mais quente da história
2023 é o ano mais quente da história Direitos de autor Anmar Khalil/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dados do Copernicus, programa da União Europeia, revelam que as máximas diárias foram as mais elevadas alguma vez registadas durante os doze meses de 2023.

PUBLICIDADE

Nos últimos doze meses registaram-se novos máximos diários e mensais de temperatura, que fizeram de 2023 o ano mais quente até à data, revelam dados agora divulgados pelo Copernicus – Porgrama Europeu de Observação da Terra da União Europeia. O aumento da temperatura global está agora perigosamente próxima do limite de 1,5 graus centígrados, a partir do qual se estima que haja consequências irreversíveis para o planeta.

No relatório anual global do Copernicus, lê-se que as temperaturas sem precedentes a partir de junho levaram 2023 a ultrapassar o ano de 2016, que tinha sido o mais quente até então.

Os dados mostram o aumento das temperaturas globais à superfície em relação aos níveis pré-industriais e revelam que as médias diárias ultrapassaram esses níveis em mais de 2°C em determinadas alturas do ano.

O impacto das elevadas temperaturas refletiu-se em incêndios florestais e ondas de calor prolongadas em todo o mundo, que podem ter sido intensificadas pelo fenómeno meteorológico El Niño.

 As temperaturas na Europa estiveram acima da média durante onze meses do ano e 2023 registou o setembro mais quente de que há registo.

O relatório extrapola mesmo que um período de 12 meses a terminar em janeiro ou fevereiro de 2024 iria exceder o aumento de 1,5 graus centígrados de temperatura, um nível que a ONU diz que irá desencadear alterações climáticas irreversíveis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas "mais preocupados que nunca" com calor recorde de 2023

Neve e frio extremo na Escandinávia: Suécia registou temperatura mais baixa dos últimos 25 anos

Dengue pode tornar-se endémica com o aumento da temperatura na Europa