A Eslovénia está a tentar tornar o país à prova de inundações - Vejamos como

A Eslovénia está a tentar tornar o país à prova de inundações - Vejamos como
Direitos de autor euronews
De  Jeremy Wilks
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Eslovénia está a elevar diques e impostos num esforço nacional para se tornar resistente a chuvas fortes e inundações repentinas. A Climate Now informa-nos, a partir da margem do rio, sobre as obras em curso e dá-nos uma perspetiva dos mais recentes dados climáticos do Copernicus.

PUBLICIDADE

Antes de mergulharmos no plano de resiliência às inundações da Eslovénia, analisemos os dados mais recentes do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas, que confirma que 2023 foi, de facto, o ano mais quente de que há registo. Os últimos 12 meses foram cerca de 1,5 graus Celsius acima da média pré-industrial de 1850-1900.

Temperatura média 1967-2023 do Serviço Copernicus para as Alterações Climática
Temperatura média 1967-2023 do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticaeuronews

As temperaturas elevadas estão a ser atribuídas a vários fatores - principalmente mais emissões de gases com efeito de estufa, oceanos mais quentes e concentrações mais baixas de gelo marítimo.

Anomalia de temperatura em dezembro de 2023 do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas
Anomalia de temperatura em dezembro de 2023 do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticaseuronews

Tivemos também o mês de dezembro mais quente de que há registo, com temperaturas mais de 0,8 graus Celsius acima da média de 1991-2020. Na Europa, foi muito mais frio do que a média desde a Escandinávia até à Rússia, e depois, invulgarmente quente desde a Irlanda até ao Mar Negro. O mês de dezembro foi húmido para muitos de nós, com uma sucessão de tempestades na Europa Ocidental, Central e Oriental.

Anomalia de temperatura do ar à superfície em dezembro de 2023 do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas
Anomalia de temperatura do ar à superfície em dezembro de 2023 do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticaseuronews
Anomalia de precipitação de dezembro de 2023 do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas
Anomalia de precipitação de dezembro de 2023 do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticaseuronews

A Eslovénia reforça a sua capacidade de resistência às chuvas fortes

"Mais de dois terços de todo o país ficaram imediatamente inundados", recorda Neža Kodre, Diretora da Agência Eslovena da Água, ao lembrar-se dos efeitos devastadores das fortes chuvas de agosto passado.

Seis meses depois, o país está a meio do maior esforço de adaptação às inundações repentinas, destinado a tornar a Eslovénia muito mais resiliente à chuva intensa associada às alterações climáticas.

Os açudes estão a ser reforçados após as inundações de agosto
Os açudes estão a ser reforçados após as inundações de agostoeuronews

Existem 250 locais ativos ao longo dos cursos de água na Eslovénia, onde enormes camiões e escavadoras trabalham para construir açudes, alargar as margens dos rios e elevar os diques. Já foram concluídos os trabalhos em mais de 700 outros locais semelhantes.

No local que visitamos, perto da cidade de Kamnik, Kodre explica o plano: "Estamos a estabelecer o fluxo básico do leito do rio através da remoção de material. Ao mesmo tempo, deslocámos o dique, dando assim espaço ao rio".

Vista vertical das obras de construção de um dique perto da cidade de Kamnik
Vista vertical das obras de construção de um dique perto da cidade de Kamnikeuronews

O aumento das temperaturas pode conduzir à subida dos rios

Quase todos foram atingidos pelas inundações de agosto passado - 183 dos 212 municípios da Eslovénia foram afetados. O país registou mais 63 por cento de precipitação em relação à média do verão passado.

A geografia da Eslovénia torna-a vulnerável a inundações repentinas
A geografia da Eslovénia torna-a vulnerável a inundações repentinaseuronews

Também não é a primeira vez que o país enfrenta inundações. Em 2010 e 2014, Liubliana foi afetada por inundações que destruíram casas, escolas e empresas.

Tanja Cegnar, especialista eslovena em meteorologia, adverte que o aumento das temperaturas devido às alterações climáticas irá, simplesmente, aumentar o risco de inundações repentinas: "Vamos ter mais chuva forte no futuro, especialmente estes eventos durante o verão, quando o ar está quente e há muita humidade no ar."

Por cada grau de aquecimento, o ar pode conter mais 7 por cento de humidade.

"Por isso, estamos a fazer um grande esforço para melhorar os nossos avisos de inundações e estamos a trabalhar em conjunto, meteorologistas e hidrólogos, para emitir os avisos em tempo útil" , diz Cegnar à Euronews.

Soluções de inundação para diferentes ambientes

As diferentes abordagens de adaptação às inundações repentinas são aplicadas em diferentes zonas da Eslovénia. A montante, nas torrentes de montanha, são instalados sistemas para capturar ramos e árvores pesados, antes que possam causar danos aos edifícios.

Na cidade, há uma série de soluções implementadas. Em áreas urbanas densas, a melhor solução é elevar os muros do dique do rio, muito para além da altura de uma inundação, com um período de retrocesso de 500 anos.

Noutras zonas ao longo do rio Gradaščica há espaço suficiente para escavar um leito mais largo, de forma a preservar as árvores e abrandar a água. Esta é a chamada solução "baseada na natureza", apesar de custar menos a implementar e ter um melhor aspeto para os residentes locais e visitantes, requer manutenção regular.

O engenheiro Rok Fazarinc mostra a Jeremy Wilks as obras do projeto Gradaščica em Liubliana
O engenheiro Rok Fazarinc mostra a Jeremy Wilks as obras do projeto Gradaščica em Liublianaeuronews

"Será necessária manutenção todos os anos, digamos mesmo, duas vezes por ano, para remover o excesso de vegetação, por exemplo, as árvores mortas ou árvores caídas, para que as coisas possam regenerar-se naturalmente", diz o engenheiro de proteção contra inundações Rok Fazarinc.

A adaptação às inundações na Eslovénia é dispendiosa. Até à data, o Governo afetou meio bilião de euros para ajudar os residentes, as empresas e as autoridades locais a pagar a limpeza e a recuperação, tendo sido afetado um montante muito superior para financiar a adaptação.

Para atingir os seus objetivos, o Governo criou um imposto temporário de cinco anos sobre os ativos dos bancos de 0,2 por cento, que deverá arrecadar 100 milhões de euros por ano. A taxa do imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas também foi aumentada para o mesmo período, de 19 porcento para 22 por cento, com início em 2024.

PUBLICIDADE

O Ministro de Estado Boštjan Šefic vai supervisionar a revisão das infraestruturas e justifica a decisão.

"Os aumentos de impostos nunca são bem-vindos, mas acreditamos que se trata de um investimento no futuro, e também para a economia. Porque as estruturas mais resistentes, que nos tornam mais seguros contra inundações e outros fenómenos naturais, também compensam significativamente mais tarde", afirma.

A par dos impostos, surge o desafio social de convencer as pessoas que vivem ao longo de cursos de água e rios a adaptarem a sua mentalidade à nova realidade do aquecimento climático que o país enfrenta. O Diretor da Agência da Água, Kodre, afirma que este é um dos aspetos mais demorados do projeto.

"As pessoas não querem medidas no seu quintal, não querem bacias de retenção secas na sua área. Por isso, há muito trabalho que implica o envolvimento do público, de diferentes sectores, o que constitui um desafio significativo", sorri.

Partilhe esta notícia