"Não são ursos pardos com casacos brancos": verões mais longos no Ártico podem levar ursos polares à extinção

Um urso polar macho come um pedaço de carne de baleia enquanto caminha ao longo da costa da Baía de Hudson, perto de Churchill, Manitoba.
Um urso polar macho come um pedaço de carne de baleia enquanto caminha ao longo da costa da Baía de Hudson, perto de Churchill, Manitoba. Direitos de autor Sean Kilpatrick/The Canadian Press via AP, File
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os cientistas esperam que o maior tempo passado em terra aumente o risco de fome.

PUBLICIDADE

Os longos verões no Ártico estão a colocar os ursos polares em maior risco de extinção do que nunca, de acordo com uma nova investigação.

O estudo, publicado na revista Nature Communications, mostra que é pouco provável que os ursos polares se adaptem a passar mais tempo em terra, uma vez que enfrentam um maior risco de fome.

Os cientistas observaram 20 ursos polares durante um período de três semanas no verão ártico, analisando as formas como tentavam conservar energia. Apesar de descansarem e andarem à procura de alimentos alternativos, todos eles perderam peso rapidamente.

Pesaram os ursos antes e depois do período de estudo e verificaram que, em média, perdiam quase um quilograma por dia.

Os ursos polares não são ursos pardos com casacos brancos

À medida que os verões no Ártico se tornam mais longos devido às alterações climáticas, alguns cientistas pensaram que estes animais se poderiam adaptar a viver em terra durante longos períodos, agindo como os seus parentes ursos pardos.

Muitos dos ursos polares machos deitaram-se para conservar energia, queimando calorias semelhantes às que consomem quando hibernam. Outros ursos foram à procura de comida, comendo carcaças de aves e caribus, algas, bagas e ervas.

Mas nem o repouso nem a adaptação da dieta permitiriam aos ursos polares viver em terra durante longos períodos de tempo, afirmam os autores do estudo.

Mesmo os ursos que procuravam alimento perderam peso corporal ao mesmo ritmo que os que se deitaram", explica Charles Robbins, diretor do Centro de Ursos da Universidade do Estado de Washington e coautor do estudo.

"Os ursos polares não são ursos pardos com casacos brancos", acrescenta.

Os ursos polares não se adaptam bem ao tempo passado em terra

Os ursos polares passam a maior parte do seu tempo no gelo marinho, onde caçam focas, apanhando uma para comer  em poucos dias. Em terra, os alimentos que conseguem encontrar têm um teor calórico muito inferior - não têm a gordura necessária para sustentar os ursos.

Os cientistas também descobriram que os ursos tinham dificuldade em comer as carcaças que apanhavam enquanto nadavam na água.

"Os alimentos terrestres deram-lhes algum benefício energético, mas, em última análise, os ursos tiveram de gastar mais energia para aceder a esses recursos", diz o autor principal Anthony Pagano, biólogo de investigação da vida selvagem do Programa de Investigação dos Ursos Polares do Serviço Geológico dos EUA.

À medida que os períodos sem gelo se tornam mais longos, o estudo sugere que os ursos polares em todo o Ártico correm o risco de morrer à fome. E o número de ursos polares já diminuiu cerca de 30% desde 1987.

"O facto de os ursos polares serem forçados a ir para terra mais cedo reduz o período em que normalmente adquirem a maior parte da energia de que necessitam para sobreviver", acrescenta Pagano.

"Com o aumento da utilização da terra, é de esperar um aumento da fome, sobretudo entre os adolescentes e as fêmeas com crias."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alterações climáticas: glaciares austríacos em risco de desaparecer nos próximos 45 anos

"O progresso é possível": Como é que o Brasil e a Colômbia reduziram a desflorestação?

Mural de Banksy: Será que as pessoas vão preocupar-se mais com as árvores graças a esta nova obra de arte?