Quais os efeitos a longo prazo das ondas de calor marítimas?

Quais os efeitos a longo prazo das ondas de calor marítimas?
Direitos de autor euronews
De  Jeremy Wilks
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As alterações climáticas provocam ondas de calor tanto no mar como em terra. Investigamos os efeitos a longo prazo das ondas de calor marítimas no Mediterrâneo e perguntamos se é possível fazer alguma coisa para ajudar estas colónias icónicas a sobreviver.

PUBLICIDADE

Os dados mais recentes sobre a temperatura da superfície do mar causaram um grande impacto nas notícias, segundo o Serviço Copernicus de Alterações Climáticas, os números atingiram novos recordes já em janeiro. Então, qual o impacto que o aumento da temperatura do mar está a exercer sobre a vida marinha abaixo das ondas? Exploramos essa questão neste episódio de Climate Now.

Mas antes, um breve resumo dos últimos dados do Copernicus, que revelam que tivemos o janeiro mais quente de que há registo, com temperaturas globais 0,7 graus Celsius acima da média de 1991-2020. Pela primeira vez, também vivemos os 12 meses consecutivos mais quentes já registados, com uma temperatura média superior a 1,5 Celsius relativamente ao nível pré-industrial. Esse limiar simbólico é um alvo-chave do acordo climático de Paris da ONU.

Acabamos de viver o janeiro mais quente já registado. Dados do Serviço Copernicus de Alterações Climáticas.
Acabamos de viver o janeiro mais quente já registado. Dados do Serviço Copernicus de Alterações Climáticas.euronews

No entanto, o clima na Europa registou uma variabilidade considerável em janeiro. Algumas regiões da Escandinávia registaram as temperaturas mais frias das últimas décadas, enquanto em Espanha, no final do mês, as temperaturas máximas foram superiores em mais de 8 graus à média.

Grande parte do globo estava mais quente do que a média em janeiro. Dados do Serviço Copernicus de Alterações Climáticas.
Grande parte do globo estava mais quente do que a média em janeiro. Dados do Serviço Copernicus de Alterações Climáticas.euronews

Nos oceanos, entre 60 graus norte e 60 graus sul - os mares entre as duas zonas polares - a temperatura média da superfície do mar em todo o mundo foi em média de 20,97 graus Celsius. Trata-se de um valor surpreendente, a par da média absoluta mais elevada de sempre, de 20,98 graus Celsius, registada em agosto de 2023.

As temperaturas da superfície do mar já estão a atingir máximos históricos. Dados do Serviço Copernicus de Alterações Climáticas.
As temperaturas da superfície do mar já estão a atingir máximos históricos. Dados do Serviço Copernicus de Alterações Climáticas.euronews

Essas temperaturas da superfície do mar não são um bom presságio para o verão de 2024, levantando questões sobre a resiliência de certos ecossistemas importantes, como os corais, perante a pressão repetida de períodos de água mais quente.

Rumo a Les Pharillons

O conhecido local de mergulho de Les Pharillons, que faz parte do Parque Nacional de Calanques.
O conhecido local de mergulho de Les Pharillons, que faz parte do Parque Nacional de Calanques.euronews

Com isto em mente, a equipa do Climate Now partiu para Marselha para mergulhar com os pesquisadores da ONG Septentrion Environnement. Quando nos juntámos a eles, estavam a colocar o seu equipamento e dirigiam-se para o mar.

Tristan Estaque e Jeremy Wilks na proa do Cromagnon.
Tristan Estaque e Jeremy Wilks na proa do Cromagnon.euronews

"Hoje, vamos proceder a um recenseamento da saúde das populações de gorgónias vermelhas a uma profundidade entre 30 e 40 metros, num local perto de Marselha chamado Les Pharillons", explicou o biólogo marinho Tristan Estaque.

Que sublinhou a necessidade de visitas frequentes: "O objetivo é efetuar uma monitorização bastante regular para verificar de que forma a saúde destas populações se deteriora gradualmente ao longo do tempo."

A pitoresca costa do Parque Nacional de Calanques foi afetada por ondas de calor marítimas em 1999, 2003, 2015, 2022 e 2023.

O que significa que atualmente as colónias de corais e gorgónias desapareceram dos primeiros 10 a 20 metros de água. Em águas mais profundas e frias, essas espécies especiais ainda estão a prosperar.

Tristan Estaque, do Setentrion Environnement, mede gorgónias em Les Pharillons, perto de Marselha.
Tristan Estaque, do Setentrion Environnement, mede gorgónias em Les Pharillons, perto de Marselha.euronews

“O facto é que tudo o que estava morto em 2022 ainda está morto. Ainda há muitos esqueletos de gorgónias", diz Tristan, indicando que o recrutamento de novos corais não acontece desde as temperaturas persistentemente altas dos últimos anos.

“Quando chega em torno de 35-40 metros, começa a ver uma população densa, de boa saúde, como ocorria em anos anteriores. Portanto, ainda não foram atingidas".

As gorgónias em profundidades abaixo de 30 metros ainda estão em bom estado de saúde.
As gorgónias em profundidades abaixo de 30 metros ainda estão em bom estado de saúde.euronews

Recolher imagens para documentar a alteração

O vídeo e as fotos que os cientistas recolheram oferecem uma base sólida para monitorizar de que forma as ondas de calor marítimas estão a matar determinadas espécies no Mediterrâneo.

Justine Richaume, da Septentrion Environnement, explica o impacto devastador das ondas de calor marítimas nos corais.
Justine Richaume, da Septentrion Environnement, explica o impacto devastador das ondas de calor marítimas nos corais.euronews

Justine Richaume mostra-nos três fotos da mesma área perto da Córsega, para ilustrar o que está a acontecer. Na foto mais antiga, datada de 2015, "Pode ver colónias de corais vermelhos do Mediterrâneo de perfeita saúde. Na segunda imagem, de 2017, podemos ver que as colónias começam a morrer. Pode ver necrose e tecido morto. O que pode ser devido a ondas de anomalias térmicas."

Colónia de corais vermelhos na Gruta Palazzu, na costa da Córsega, em 2015.
Colónia de corais vermelhos na Gruta Palazzu, na costa da Córsega, em 2015.euronews
A mesma colónia de corais vermelhos com sinais de necrose na Gruta Palazzu em 2017.
A mesma colónia de corais vermelhos com sinais de necrose na Gruta Palazzu em 2017.euronews

"E, finalmente, na última imagem, de 2023, podemos ver que essas colónias de coral vermelho desapareceram completamente, mostrando uma estrutura bastante plana para o habitat, e não há habitat disponível para os peixes."

A Gruta Palazzu em 2023. Os corais vermelhos morreram e estão em declínio.
A Gruta Palazzu em 2023. Os corais vermelhos morreram e estão em declínio.euronews

Globalmente, o número de eventos de ondas de calor marítimas duplicou desde 1982, e as espécies que não podem se mover, como os corais, são algumas das mais afetadas.

O que pode ser feito para ajudar os corais?

Os cientistas afirmam que as medidas mais importantes que podemos tomar para os ajudar são impedir a pesca e o turismo nas zonas vulneráveis. Âncoras, barbatanas, poluição e certas técnicas de pesca podem deixar os corais danificados e impossibilitados de recuperar.

Tristan Estaque contempla a costa mediterrânica.
Tristan Estaque contempla a costa mediterrânica.euronews

"Talvez, ao removermos as pressões humanas, possamos dar-lhes uma oportunidade de se adaptarem. Talvez surja uma mutação e tenhamos supercolónias adaptadas às alterações climáticas e que, num mundo perfeito, possam reproduzir-se e reconquistar as camadas em direção à superfície", explica Tristan Estaque.

PUBLICIDADE

No entanto, Justine Richaume alerta para o facto de uma eventual recuperação poder não tardar.

Pelo menos no Mediterrâneo, afirma, "À escala de uma vida humana, não poderemos voltar às paisagens que se perderam, por exemplo, na sequência das ondas de calor marítimas de 1999, 2003 e 2022".

Prevê-se que as ondas de calor marítimas se tornem mais frequentes e intensas à medida que o planeta aquece e, mesmo nas melhores condições, essas espécies crescem apenas alguns milímetros por ano.

O principal navio da Septentrion Environnement é uma embarcação histórica cha-mada Cromagnon.
O principal navio da Septentrion Environnement é uma embarcação histórica cha-mada Cromagnon.euronews

A equipa da Septentrion Environnement continuará a sua missão de vigiar os corais, documentar o declínio, educar a população local e os decisores sobre a importância destes ecossistemas para a biodiversidade no Mediterrâneo. Com as espécies invasoras, a poluição e as elevadas temperaturas da água a representarem uma ameaça crescente para estas águas, é vital aumentar a sensibilização e instalar zonas de proteção para proporcionar aos corais uma oportunidade de sobrevivência.

O repórter do Climate Now, Jeremy Wilks, na costa em La Pointe Rouge, Marselha, França.
O repórter do Climate Now, Jeremy Wilks, na costa em La Pointe Rouge, Marselha, França.euronews

Obrigado ao Serviço Copernicus de Alterações Climáticas, Septentrion Environnement, Associated Press, Office de Tourisme de Marseille, Marineheatwaves.org e ao Parque Nacional de Calanques.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notícia