Como 2023 bateu todos os recordes climáticos

Milhares de pessoas foram mortas na Líbia no ano passado, depois de um ciclone mediterrânico ter extraído uma enorme energia da água do mar extremamente quente.
Milhares de pessoas foram mortas na Líbia no ano passado, depois de um ciclone mediterrânico ter extraído uma enorme energia da água do mar extremamente quente. Direitos de autor AP Photo/Jamal Alkomaty
De  Lottie Limb
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O último relatório sobre o estado do clima global mostra um planeta à beira do abismo, alerta o Secretário-Geral da ONU, António Guterres.

PUBLICIDADE

Já sabemos que 2023 foi o ano mais quente de que há registo, por uma margem significativa. Mas um novo relatório da agência meteorológica da ONU revela muitos outros sintomas das alterações climáticas que estiveram fora dos valores habituais no ano passado.

"As alterações climáticas são muito mais do que as temperaturas", afirma a secretária-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Celeste Saulo. "O que testemunhámos em 2023, especialmente com o aquecimento sem precedentes dos oceanos, o recuo dos glaciares e a perda de gelo marinho na Antártida, é motivo de particular preocupação."

O último relatório da OMM sobre o estado do clima mundial faz o balanço de numerosos indicadores da crise climática, bem como dos seus impactos desastrosos nas pessoas, sob a forma de ondas de calor, inundações, secas, incêndios florestais e ciclones tropicais que se intensificam rapidamente.

Alguns recordes não estão apenas no topo das tabelas, estão a rebentar com as tabelas.
António Guterres
Secretário-geral da ONU

"As sirenes estão a tocar em todos os principais indicadores", comenta o secretário-geral da ONU, António Guterres. "Alguns recordes não estão apenas no topo das tabelas, estão a rebentar com as tabelas. E as mudanças estão a acelerar."

Anomalias anuais da temperatura média global (relativamente a 1850-1900) de 1850 a 2023, com dados de seis conjuntos de dados.
Anomalias anuais da temperatura média global (relativamente a 1850-1900) de 1850 a 2023, com dados de seis conjuntos de dados.OMM

O relatório, publicado hoje (19 de março), confirma que o ano passado foi um ano recorde de calor, com as temperaturas médias globais próximas da superfície a atingirem 1,45°C acima dos níveis pré-industriais.

"Nunca estivemos tão perto - embora temporariamente neste momento - do limite inferior de 1,5°C do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas", diz Saulo. "A comunidade da OMM está a fazer soar o alerta vermelho para o mundo."

Quanto é que o nível do mar subiu?

Em 2023, o nível médio global do mar atingiu um novo máximo no registo de satélite, que remonta a 1993.

O nível do mar subiu 3,34 mm por ano, em média, nos últimos 30 anos. Como mostra o gráfico abaixo, a taxa de subida do nível do mar tem vindo a aumentar. Mais do que duplicou, passando de 2,13 mm/ano entre 1993 e 2002 para 4,77 mm/ano entre 2014 e 2023.

Isto deve-se ao aquecimento contínuo dos oceanos - que provoca a expansão da água - bem como ao degelo dos glaciares e dos mantos de gelo.

O nível médio global do mar atingiu um máximo histórico no ano passado
O nível médio global do mar atingiu um máximo histórico no ano passadoOMM

Quanto é que os oceanos aqueceram no mundo?

O aquecimento dos oceanos atingiu no ano passado o seu nível mais elevado nos 65 anos de registo observacional.

A mudança das condições de La Niña para El Niño em meados de 2023 contribuiu para o rápido aumento da temperatura, sentido tanto em terra como na água.

Mas os padrões típicos de aquecimento associados ao fenómeno meteorológico - ou seja, o aquecimento do Oceano Pacífico - não explicam outras áreas de aquecimento invulgar, como o Atlântico Nordeste.

Esta massa de oceano sofreu ondas de calor marinhas generalizadas a partir da primavera, com um pico em setembro e que persistiram até ao final do ano, quando as temperaturas estiveram 3°C acima da média.

Mapa global que mostra a categoria de onda de calor marínha mais elevada em cada pixel ao longo de 2023 (período de referência 1982-2011)
Mapa global que mostra a categoria de onda de calor marínha mais elevada em cada pixel ao longo de 2023 (período de referência 1982-2011)WMO

Num dia médio de 2023, quase um terço do oceano global foi atingido por uma onda de calor marinha, prejudicando os ecossistemas marinhos e os recifes de coral. No final do ano, mais de 90% do oceano tinha registado, em algum momento, condições de onda de calor.

A partir de abril, as temperaturas médias globais da superfície do mar (SST) atingiram um nível recorde. E os peritos da OMM prevêem que o aquecimento continue em 2024 - uma mudança irreversível numa escala de centenas a milhares de anos.

Quebra de recordes no gelo marinho e nos glaciares da Antárctida

Também na criosfera foram batidos recordes.

A extensão do gelo marinho antártico (a área total coberta por pelo menos 15% de concentração de gelo) foi de longe a mais baixa de que há registo no ano passado. No final do inverno, estava 1 milhão de quilómetros quadrados abaixo do recorde do ano anterior - uma área equivalente à França e à Alemanha juntas.

Os glaciares a que os cientistas chamam de "referência" global - aqueles que foram monitorizados durante tempo suficiente para medir as alterações relacionadas com o clima - também sofreram a maior perda de gelo de que há registo (desde 1950). Este fenómeno foi impulsionado por um degelo extremo na América do Norte e na Europa.

PUBLICIDADE

Os glaciares dos Alpes europeus sofreram uma estação de fusão extrema. Na Suíça, os glaciares perderam cerca de 10% do seu volume remanescente nos últimos dois anos, revela o relatório.

A nossa única reação deve ser parar de queimar combustíveis fósseis para que os danos possam ser limitados.
Martin Siegert
Especialista em clima polar da Universidade de Exeter

"A cobertura de gelo do mundo, em terra e flutuando no mar, presta um importante serviço ao nosso clima, reflectindo a energia solar de volta para o espaço e armazenando a água que, de outra forma, inundaria as nossas costas", afirma o Professor Martin Siegert, especialista polar da Universidade de Exeter.

Para o Professor Martin Siegert, especialista em clima polar da Universidade de Exeter, "o mundo sentirá os efeitos nocivos agora e no futuro, porque as alterações observadas conduzirão a processos de retroação que incentivarão novas alterações".

"A nossa única reação deve ser parar de queimar combustíveis fósseis para que os danos possam ser limitados. Essa é a nossa melhor e única opção", afirma.

As concentrações de gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde

O aumento a longo prazo da temperatura global deve-se ao aumento das concentrações de gases com efeito de estufa na atmosfera - em grande parte devido à queima de combustíveis fósseis.

PUBLICIDADE

As concentrações dos três principais gases com efeito de estufa - dióxido de carbono, metano e óxido nitroso - atingiram níveis recorde em 2022. Os dados em tempo real de locais específicos mostram um aumento contínuo em 2023, de acordo com o relatório da OMM.

Os níveis de CO2 são 50% mais elevados do que na era pré-industrial, retendo o calor na atmosfera.

"A crise climática é o principal desafio que a humanidade enfrenta e está intimamente ligada à crise da desigualdade, como testemunham a crescente insegurança alimentar, a deslocação da população e a perda de biodiversidade", afirma Saulo.

Depois de um calendário de fenómenos meteorológicos extremos, que esperança existe para o futuro?

O relatório da OMM também apresenta em pormenor os fenómenos meteorológicos extremos que assolaram o mundo no ano passado. Em julho, o sul da Europa foi assolado por um calor extremo, tendo as temperaturas em Itália atingido 48,2ºC.

Em setembro, as inundações provocadas pela precipitação extrema do ciclone mediterrânico Daniel afetaram a Grécia, a Bulgária, a Turquia e a Líbia, tendo milhares de pessoas morrido na Líbia.

PUBLICIDADE

Os riscos climáticos e meteorológicos extremos agravaram os desafios para muitas populações vulneráveis em todo o mundo, continuando a provocar insegurança alimentar e deslocações.

No entanto, o relatório expõe um grande défice de financiamento climático.

Para manter o objetivo de 1,5°C, os investimentos anuais em financiamento climático têm de aumentar mais de seis vezes, atingindo quase 9 biliões de dólares (8,3 biliões de euros) até 2030 e mais 10 biliões de dólares (9,2 biliões de euros) até 2050.

No entanto, o custo da inação é muito mais elevado. Num cenário de manutenção do status quo, as alterações climáticas poderão causar danos no valor de, pelo menos, 1.266 biliões de dólares (1.166 biliões de euros) entre 2025 e 2100.

A OMM sugere que este facto deve incitar o mundo a agir. E os peritos encontram "um vislumbre de esperança" na velocidade da transição para as energias renováveis.

PUBLICIDADE

Em 2023, as adições de capacidade renovável aumentaram quase 50% em relação a 2022, para um total de 510 gigawatts (GW) - a taxa mais elevada observada nas últimas duas décadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alterações climáticas: calor encurta época de neve e reajusta negócio das estâncias de esqui

Quais os efeitos a longo prazo das ondas de calor marítimas?

Cientistas "mais preocupados que nunca" com calor recorde de 2023