É provável que o El Niño continue a fazer subir as temperaturas até maio, diz a OMM

Moradores atravessam uma estrada danificada pelas chuvas do El Niño em Tula, no condado de Tana River, no Quénia, em 25 de novembro de 2023.
Moradores atravessam uma estrada danificada pelas chuvas do El Niño em Tula, no condado de Tana River, no Quénia, em 25 de novembro de 2023. Direitos de autor AP Photo/Brian Inganga
De  Angela Symons
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O El Niño deste ano é o quinto mais forte de que há registo. Atualmente está a começar a abrandar, mas não significa o fim dos fenómenos meteorológicos extremos

PUBLICIDADE

O El Niño está a começar a abrandar, mas ainda não acabou, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

O fenómeno meteorológico que tem vindo a agravar as vagas de calor, as secas e as chuvas fortes desde junho passado, atingiu o seu ponto mais alto em dezembro, sendo um dos cinco mais fortes de que há registo.

Há 60% de probabilidades de continuar a alimentar temperaturas elevadas e fenómenos meteorológicos extremos até maio, segundo a OMM.

"Todos os meses desde junho de 2023 estabeleceram um novo recorde mensal de temperatura - e 2023 foi, de longe, o ano mais quente de que há registo", afirma a Secretária-Geral da OMM, Celeste Saulo.

"O El Niño contribuiu para estas temperaturas recorde, mas os gases com efeito de estufa que retêm o calor são, inequivocamente, os principais culpados."

Aumento da temperatura do mar não pode ser explicado apenas pelo El Niño

As temperaturas globais dos oceanos estão a atingir um nível recorde. Este facto pode ser parcialmente explicado pelo El Niño, um fenómeno climático sazonal natural associado ao aquecimento da superfície do Oceano Pacífico tropical central e oriental.

Entre novembro e janeiro, as temperaturas médias à superfície atingiram um pico de 2°C acima da média de 1991-2020. Este foi um dos cinco eventos El Niño mais fortes de que há registo.

Embora tenha sido mais fraco do que em 1997/98 e 2015/2016, quando ocorreu pela última vez, o atual El Niño emergiu rapidamente, levando a extremos climáticos não observados nas últimas décadas. Também se seguiu a uma La Niña - a contraparte de arrefecimento do El Niño - invulgarmente longa, que durou três anos.

Mas não é a única causa do aumento das temperaturas.

"As temperaturas à superfície do oceano no Pacífico equatorial refletem claramente o El Niño. Mas as temperaturas da superfície do mar noutras partes do globo têm sido persistentes e invulgarmente elevadas nos últimos 10 meses", diz Saulo.

"A temperatura da superfície do mar em janeiro de 2024 foi, de longe, a mais elevada de que há registo para janeiro. Isto é preocupante e não pode ser explicado apenas pelo El Niño".

O padrão climático alimenta o aquecimento provocado pelas emissões de gases com efeito de estufa de origem humana, que retêm o calor na atmosfera. A passagem do El Niño não significará, portanto, o fim dos extremos climáticos, que devem ser resolvidos através da redução das emissões.

Qual é o impacto do El Niño no clima?

O El Niño ocorre, em média, a cada dois a sete anos e, normalmente, dura nove a 12 meses. Influencia os padrões climáticos e de tempestades em diferentes partes do mundo, tornando mais prováveis fenómenos climáticos extremos em algumas regiões.

No Corno de África e no sul dos EUA, o El Niño está associado ao aumento da precipitação e das inundações. No Sudeste Asiático, na Austrália e no Sul de África, traz condições invulgarmente secas e quentes. No norte da América do Sul, agravou a seca.

Prevê-se que o El Niño conduza a temperaturas acima do normal em todo o mundo e influencie os padrões regionais de precipitação nos próximos três meses.

Existe a possibilidade de o La Niña se desenvolver no final do ano, mas as probabilidades são incertas, diz a OMM. Os dois padrões oscilam normalmente de três em três ou de cinco em cinco anos, com condições neutras pelo meio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como 2023 bateu todos os recordes climáticos

Alterações climáticas: calor encurta época de neve e reajusta negócio das estâncias de esqui

Fevereiro bate recordes de temperatura pelo nono mês consecutivo