Cientistas "mais preocupados que nunca" com calor recorde de 2023

Uma mulher caminha numa parte seca do Lago Titicaca em Coata, Peru, a 29 de novembro de 2023, durante uma onda de calor.
Uma mulher caminha numa parte seca do Lago Titicaca em Coata, Peru, a 29 de novembro de 2023, durante uma onda de calor. Direitos de autor AP Photo/Martin Mejia, File
De  Seth Borenstein com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Manter o limite de aquecimento de 1,5ºC é "tecnicamente possível, mas politicamente impossível", defende um cientista.

PUBLICIDADE

Os últimos cálculos de várias agências científicas, que mostram que a Terra destruiu os recordes de aquecimento global no ano passado, podem parecer assustadores. Mas os cientistas receiam que o que está por detrás desses números possa ser ainda pior.

A agência noticiosa Associated Press falou com mais de três dúzias de cientistas sobre o significado dos recordes batidos. A maioria diz recear a aceleração das alterações climáticas, que já estão no limite do aumento de 1,5ºC desde a era pré-industrial, que as nações esperavam não ultrapassar.

"O calor do último ano civil foi uma mensagem dramática da Mãe Natureza", afirma Katharine Jacobs, cientista climática da Universidade do Arizona. Os cientistas afirmam que o aquecimento do ar e da água está a tornar mais intensas e mais prováveis as mortíferas e dispendiosas ondas de calor, inundações, secas, tempestades e incêndios florestais.

Este último ano foi especialmente mau.

Clima comportou-se de forma estranha em 2023

As temperaturas médias globais bateram o recorde anterior por pouco mais de 0,15ºC, uma grande margem, de acordo com os cálculos divulgados na sexta-feira por duas importantes agências científicas americanas, o serviço meteorológico britânico e um grupo privado fundado por um cético do clima.

Vários dos cientistas que efectuaram os cálculos afirmaram que o clima se comportará de forma estranha em 2023. Perguntam-se se as alterações climáticas causadas pelo homem e um El Niño natural foram agravadas por um episódio anormal ou se "há algo mais sistemático em curso", como disse o cientista climático da NASA Gavin Schmidt - incluindo uma muito debatida aceleração do aquecimento.

Uma resposta parcial só poderá ser dada no final da primavera ou no início do verão. É nessa altura que se espera que o forte El Niño - o aquecimento cíclico das águas do Oceano Pacífico que afecta os padrões climáticos globais - se desvaneça. Se as temperaturas dos oceanos, incluindo as águas profundas, continuarem a bater recordes durante o verão, como em 2023, isso será um indício sinistro, dizem os cientistas.

Pai tenta acalmar filha que sofreu golpe de calor num hospital em Ballia, no estado indiano do Uttar Pradesh, em junho de 2023.
Pai tenta acalmar filha que sofreu golpe de calor num hospital em Ballia, no estado indiano do Uttar Pradesh, em junho de 2023.AP Photo/Rajesh Kumar Singh

Quase todos os cientistas que responderam às perguntas da AP responsabilizaram os gases com efeito de estufa resultantes da queima de combustíveis fósseis como a principal razão pela qual o mundo atingiu temperaturas que a civilização humana nunca tinha visto antes. O El Niño, que está na fronteira com o "muito forte", é o segundo maior fator, com outras condições muito atrás, dizem eles.

O problema com 2023, diz Schmidt da NASA, é que "foi um ano muito estranho... Quanto mais se investiga, menos claro parece".

Uma parte disso é o momento em que a grande explosão de calor de 2023 começou, de acordo com Schmidt e Samantha Burgess, vice-diretora do Serviço Climático Copernicus da Europa, que no início desta semana colocou o aquecimento em 1,48C acima dos tempos pré-industriais.

As temperaturas são normalmente mais elevadas do que o normal no final do inverno e na primavera, afirmam. Mas o calor mais elevado de 2023 começou por volta de junho e manteve-se em níveis recorde durante meses.

O calor dos oceanos profundos, um dos principais factores das temperaturas globais, comportou-se de forma semelhante, afirma Burgess.

Aquecimento global está a acelerar mais rapidamente do que previsto?

O antigo cientista climático da NASA, James Hansen, frequentemente considerado o padrinho da ciência do aquecimento global, teorizou no ano passado que o aquecimento estava a acelerar. Embora muitos dos cientistas contactados pela AP tenham afirmado que suspeitam que isso esteja a acontecer, outros foram inflexíveis, afirmando que as provas até agora apresentadas apoiam apenas um aumento constante e há muito previsto.

"Há algumas provas de que a taxa de aquecimento na última década é ligeiramente mais rápida do que na década anterior, o que corresponde à definição matemática de aceleração", afirma Daniel Swain, cientista climático da UCLA. "No entanto, isto também está em conformidade com as previsões" de que o aquecimento aceleraria a partir de uma determinada altura, especialmente quando a poluição atmosférica por partículas diminuísse.

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) calculou que a Terra em 2023 teria uma temperatura média de 15,08ºC. Este valor é 0,15ºC mais quente do que o anterior recorde estabelecido em 2016 e 1,35ºC mais quente do que as temperaturas pré-industriais.

Mulher protege-se do calor com um leque em Madrid, Espanha.
Mulher protege-se do calor com um leque em Madrid, Espanha.AP Photo/Manu Fernandez

"É quase como se tivéssemos saído da escada [do aumento normal da temperatura do aquecimento global] para um regime ligeiramente mais quente", diz Russ Vose, chefe de monitorização global dos Centros Nacionais de Informação Ambiental da NOAA. Ele diz que vê uma aceleração do aquecimento.

A NASA e o Gabinete Meteorológico do Reino Unido registaram um aquecimento um pouco mais elevado desde meados do século XIX, com 1,39ºC e 1,46ºC, respetivamente. Os registos remontam a 1850.

A Organização Meteorológica Mundial, combinando as medições anunciadas na sexta-feira com os cálculos japoneses e europeus divulgados no início deste mês, fixou o ano de 2023 em 1,45ºC mais quente do que as temperaturas pré-industriais.

PUBLICIDADE

Limite de aquecimento de 1,5ºC ainda é possível?

Muitos dos climatologistas vêem poucas esperanças de travar o aquecimento com o objetivo de 1,5ºC previsto no Acordo de Paris de 2015, que procurava evitar as piores consequências das alterações climáticas.

"Não considero realista que possamos limitar o aquecimento [médio ao longo de vários anos] a 1,5ºC", afirma Jennifer Francis, cientista do Centro de Investigação Climática Woodwell. "É tecnicamente possível, mas politicamente impossível".

"O ritmo lento da ação climática e a contínua desinformação que a catalisa nunca tiveram a ver com falta de ciência ou mesmo com falta de soluções: sempre tiveram, e continuam a ter, a ver com falta de vontade política", afirma Katharine Hayhoe, cientista-chefe da The Nature Conservancy.

Tanto a NASA como a NOAA afirmaram que os últimos 10 anos, de 2014 a 2023, foram os 10 anos mais quentes que mediram. É a terceira vez nos últimos oito anos que é estabelecido um recorde global de calor. Randall Cerveny, um cientista da Universidade do Estado do Arizona que ajuda a coordenar a manutenção de registos para a OMM, afirma que a grande preocupação não é o facto de ter sido batido um recorde no ano passado, mas sim o facto de os recordes continuarem a ser batidos com tanta frequência.

"É a rapidez da mudança contínua que é, para mim, mais alarmante", diz Cerveny.

PUBLICIDADE

Natalie Mahowald, cientista climática da Universidade de Cornell, afirma: "Isto é apenas uma amostra do que podemos esperar no futuro, especialmente se continuarmos a não conseguir reduzir o dióxido de carbono com a rapidez necessária".

É por isso que tantos cientistas contactados pela Associated Press estão ansiosos.

"Tenho estado preocupado desde o início dos anos 90", diz Kim Cobb, cientista climático da Universidade de Brown. "Estou mais preocupado do que nunca. A minha preocupação aumenta a cada ano que as emissões globais avançam na direção errada."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três organizações confirmam que 2023 foi o ano mais quente de sempre

2023 é oficialmente o ano mais quente desde que há registo

Os oceanos mais quentes branquearam os corais a profundidades que se julgava impossíveis