Fevereiro bate recordes de temperatura pelo nono mês consecutivo

Vista da barragem de Sau a norte de Barcelona, Espanha.
Vista da barragem de Sau a norte de Barcelona, Espanha. Direitos de autor AP Photo/Emilio Morenatti
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Dezembro, janeiro e fevereiro registaram 0,78ºC acima da média. Porque é que este inverno tem sido tão quente?

PUBLICIDADE

O mês de fevereiro foi o mais quente de que há registo, de acordo com novos dados do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas (C3S) da UE.

Este é o nono mês consecutivo em que as temperaturas bateram recordes, depois de se ter revelado que o ano passado foi o mais quente do mundo desde que há registos.

Fevereiro foi cerca de 0,81°C acima da média de 1991 a 2020 para o mês e um décimo de grau mais quente do que o recorde anterior, estabelecido em 2016.

O nono mês consecutivo de recordes é, por si só, espantoso, mas, colocado em perspetiva, realça a tendência do aquecimento global contínuo.

"Em julho [de 2023], quando estávamos a discutir as temperaturas mensais, a notícia era que estávamos a cerca de 1,5ºC por mês [acima das médias pré-industriais]. Agora, fevereiro está cerca de 1,77ºC acima das médias pré-industriais", diz Carlo Buontempo, diretor do C3S. "É notável".

O quão mais quente esteve a Europa neste inverno?

Na Europa, os últimos três meses foram o segundo inverno mais quente de que há registo no continente, com 1,44°C acima da média, apenas atrás do inverno de 2019/2020.

No entanto, as variações na Europa significam que alguns países registaram o inverno mais quente de sempre este ano.

O Observatório Nacional de Atenas, por exemplo, afirmou que este inverno foi o mais quente da Grécia desde que há registos. 

Foi 1,8°C mais quente do que a média dos invernos de 1960 a 2024 e, nalgumas zonas do norte do país, os especialistas afirmam que as temperaturas subiram muito mais. Na última década, o país registou os seus seis invernos mais quentes.

A Polónia registou temperaturas entre 3,5ºC e 7,5ºC mais quentes do que a média em fevereiro e a Hungria registou uma média nacional de 7ºC acima da média.

Porquê?

Globalmente, dezembro, janeiro e fevereiro registaram 0,78°C acima da média. Mas os últimos três meses fazem parte de um quadro muito mais vasto de alterações climáticas.

"Foi um inverno muito quente, um outono muito quente, um verão muito quente e foi o ano mais quente de que há registo em 2023", explica Buontempo.

"Se fizermos um zoom out... o panorama geral é muito, muito claro. As coisas estão a ficar mais quentes em todo o lado e isso tem implicações para muitas das nossas atividades. Tem implicações para os ecossistemas, para as pescas, para o oceano, etc.".

Há outros fatores que podem ter levado o mundo a um pico, estabelecendo recordes atrás de recordes nos últimos nove meses.

O El Niño, por exemplo, tem estado nas manchetes, provocando temperaturas elevadas, condições meteorológicas extremas, secas e quebras de colheitas em todo o mundo. Mas, se compararmos este El Niño com os anteriores, não foi tão extremo como os registados no final da década de 1990. Globalmente, é o quinto mais forte desde que há registos.

"E, mesmo assim, registámos temperaturas muito mais quentes", diz Buontempo.

"Isto porque, enquanto o El Niño acrescenta e subtrai - dependendo da fase em que se encontra - à temperatura média global, há algo que continua a acrescentar. E isso são os gases com efeito de estufa".

As temperaturas da superfície do mar fora do Pacífico equatorial, onde o El Niño tem o maior efeito, têm sido "persistente e invulgarmente elevadas" durante 10 meses. Em janeiro, foram de longe as mais elevadas de que há registo, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial.

PUBLICIDADE

Este facto é preocupante e não pode ser explicado apenas pelo El Niño, afirma a organização.

Quando entrarmos em La Nina - o lado oposto do padrão climático - as temperaturas poderão baixar momentaneamente. Flutuações como a atual fase particularmente ativa do Sol podem também acrescentar mais energia ao sistema, tornando o mundo mais quente e depois mais frio quando o seu efeito termina.

"Estes elementos equilibram-se, em média, enquanto os gases com efeito de estufa continuam a aumentar. Por isso, mesmo que seja só por isso, não é muito difícil prever que a temperatura vai subir."

Inverno também trouxe tempestades selvagens

Não foram apenas os extremos de temperatura que assolaram a Europa neste inverno.

O inverno foi muito mais húmido do que a média numa vasta faixa que vai da Península Ibérica à Rússia ocidental, abrangendo o Reino Unido, a Irlanda e o sul da Escandinávia.

PUBLICIDADE

O vento e a precipitação intensa provocaram danos e destruição generalizados. No Reino Unido, 10 tempestades designadas, desde Agnes a Jocelyn, tinham atingido o país no início de fevereiro.

Ondas quebram sobre a muralha do porto de Newhaven, no sul de Inglaterra, em novembro de 2023.
Ondas quebram sobre a muralha do porto de Newhaven, no sul de Inglaterra, em novembro de 2023.AP Photo/Kin Cheung

No extremo oposto da escala, os países mediterrânicos, partes dos Balcãs, grande parte da Turquia, regiões da Islândia e do norte da Escandinávia, bem como grandes partes da Rússia ocidental, estiveram mais secos do que a média.

O Mediterrâneo, em particular, registou impactos catastróficos que levaram à escassez de água, racionamento, restrições e estados de emergência para milhões de pessoas.

Buontempo explica o seguinte: as zonas secas vão ficar mais secas e as zonas húmidas vão ficar mais húmidas. É uma frase que simplifica e resume o impacto termodinâmico que o aumento das temperaturas tem sobre uma série de outras variáveis.

Quebra de recordes de temperatura não é inesperada

Embora tenha havido algumas surpresas, como transições mais rápidas ou mais fortes do que os especialistas previram, "de um modo geral, o que estamos a ver agora está razoavelmente bem alinhado com o que esperávamos ver há cerca de 20 anos", segundo Buontempo.

PUBLICIDADE

O que é que sabemos sobre os próximos seis meses, os próximos cinco ou dez anos? É simples, diz ele, sabemos que a temperatura média vai subir.

"Como sociedade, é possível que ainda não tenhamos tirado o máximo partido da informação de que dispomos".

Embora este cenário de aquecimento contínuo possa ser "dececionante ou alarmante", dependendo da forma como o encaramos, Buontempo acrescenta que é, pelo menos, um cenário em que temos a sorte de saber o que vai acontecer - e, por conseguinte, de podermos agir em conformidade.

"Penso que faz sentido tomar conhecimento e utilizar este facto como um dos contributos para a tomada de decisões estratégicas e para a elaboração de políticas."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mau tempo causa perturbações em vários pontos da Europa

Cientistas "mais preocupados que nunca" com calor recorde de 2023

Mau tempo continua a dificultar a vida aos europeus