Metano pode ser fator decisivo para o limite do aquecimento global. Mas onde é que há mais fugas na Europa?

Vista da fábrica de tratamento de metano Las Dehesas, nos arredores de Madrid.
Vista da fábrica de tratamento de metano Las Dehesas, nos arredores de Madrid. Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
De  Euronews Green
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Uma investigação do Guardian revelou fugas de metano que ameaçam os objectivos de zero emissões líquidas e a saúde humana.

PUBLICIDADE

Madrid sofreu pelo menos 17 grandes fugas de metano nos últimos três anos, de acordo com novos dados de satélite.

No ano passado, durante um evento com grandes emissões, 25 toneladas por hora deste gás que aquece o planeta foram libertadas por aterros sanitários nos arredores da cidade espanhola. É o equivalente à poluição libertada por 3,9 milhões de carros a gasolina a funcionar em simultâneo.

A nível global, mais de 1200 destes eventos ocorreram entre janeiro de 2019 e junho de 2023, segundo uma nova análise de imagens de satélite publicada numa investigação do Guardian.

As populações do Paquistão, da Índia e do Bangladesh são as que mais sofrem com a poluição causada pelo metano proveniente dos aterros sanitários. Mas a Espanha surge surpreendentemente em sexto lugar na lista das nações com as maiores fugas, depois da Argentina e do Uzbequistão.

O que é o metano e porque é que é tão perigoso?

Aterro sanitário de Bhalswa em Deli. Capital indiana registou pelo menos 124 eventos com grandes emissões provenientes de aterros sanitários desde 2020, revela investigação
Aterro sanitário de Bhalswa em Deli. Capital indiana registou pelo menos 124 eventos com grandes emissões provenientes de aterros sanitários desde 2020, revela investigaçãoAP Photo/Manish Swarup

A luta contra o metano é essencial para evitar os piores cenários climáticos. Este potente gás com efeito de estufa retém 86 vezes mais calor na atmosfera do que o dióxido de carbono ao longo de 20 anos. É responsável por cerca de um terço do aquecimento global que se regista atualmente.

Os líderes mundiais estão bem cientes da ameaça; na cimeira da ONU sobre o clima, em 2021, mais de 100 países comprometeram-se a reduzir as emissões de metano em 30% até 2030.

A decomposição de resíduos é responsável por cerca de 20% das emissões de metano causadas pelo homem; as maiores percentagens provêm da agricultura (aproximadamente 40%) e dos combustíveis fósseis (35%).

Há também um ciclo não natural em movimento, com o aquecimento global a fazer com que as zonas húmidas libertem mais do seu carbono armazenado sob a forma de metano.

O objetivo global para 2030 é impossível sem combater as emissões da indústria de resíduos, disse ao Guardian Carlos Silva Filho, presidente da Associação Internacional de Resíduos Sólidos (ISWA).

"A redução do metano é a única solução para atingir o objetivo global de 1,5ºC de temperatura", afirmou. "Se nos concentrarmos realmente na redução das emissões de metano do sector dos resíduos, isso vai mudar o jogo".

Porque é que os aterros sanitários emitem metano?

Cerca de 40% dos resíduos do mundo são enviados para aterros sanitários, segundo a ISWA. O metano é emitido por estes aterros quando os resíduos orgânicos, como restos de comida, papel e madeira, são decompostos por micróbios na ausência de oxigénio.

É invulgar que os aterros sanitários espanhóis emitam tanto metano, uma vez que a maioria dos países desenvolvidos dispõe de sistemas de gestão de resíduos corretos e de regulamentação para estancar as fugas de metano.

Normalmente, os materiais orgânicos são desviados dos aterros para biodigestores - equipamento que decompõe biologicamente os resíduos num sistema fechado. Ou os aterros são cobertos para capturar o gás. A cobertura dos locais com solo, por exemplo, é uma solução barata, embora temporária, em locais que não dispõem de instalações adequadas.

A captura do gás metano constitui uma oportunidade para transformar um resíduo numa mercadoria, uma vez que pode ser vendido como combustível (e transforma-se em CO2 quando queimado, um gás com efeito de estufa menos potente).

Porque é que os aterros de Madrid estão a emitir tanto metano?

Uma nova análise de imagens de satélite da empresa de inteligência ambiental Kayrros revela 17 fugas em Madrid desde 2021, com quatro das principais a ocorrerem no primeiro semestre de 2023.

O satélite da Kayrros orbita o planeta 14 vezes por dia e pode indicar a localização de uma fuga num raio de seis milhas, cerca de dez quilómetros. Por isso, embora não consiga mapear as fugas com exatidão, a tecnologia aponta para as emissões provenientes de aterros sanitários a sul do centro da cidade.

Esta não é a primeira vez que as lixeiras de Madrid, que emitem metano, estão no centro das atenções. Dados de satélite da Agência Espacial Europeia (ESA) também detectaram eventos de emissão em 2021, que foram atribuídos a dois aterros sanitários próximos.

Um deles é Las Dehesas, um aterro sanitário com uma grande unidade de extração de biogás concebida para captar os fumos de metano.

PUBLICIDADE

Madrid diz que está a limpar a lei do metano

Em resposta à investigação do Guardian, a Câmara Municipal de Madrid afirmou que as grandes fugas na central de biogás teriam sido detetadas e que a central cumpria todos os regulamentos ambientais. Também respondeu que a culpa poderia ser de outros aterros que não estão sob o seu controlo na região de Madrid, uma vez que as estimativas por satélite não são tão fiáveis como as medições no terreno.

Mas estão a ser introduzidas melhorias no aterro de Las Dehesas. Embora as autoridades afirmem que os 20% de metano que se estima que saiam do local são normais para um aterro controlado com extração de biogás, estão também a procurar soluções tecnológicas.

"Até ao final de 2024, está previsto um sistema de monitorização em tempo real das emissões fugitivas no aterro controlado de Las Dehesas" e inspecções robotizadas para recolha de dados.

Isto deverá contribuir para dissipar as nuvens de metano que a ESA tem registado nos últimos anos em direção a residências próximas.

"Há décadas que denunciamos a gestão desastrosa dos resíduos da Comunidade de Madrid e de todo o Estado", declarou Julio Barea, ativista da Greenpeace, ao jornal El Independiente, em 2021. "100% da matéria orgânica dos quase sete milhões de pessoas que vivem na Comunidade de Madrid está a ser levada para aterros sanitários".

PUBLICIDADE

Os residentes não-humanos de Madrid também são afetados por estas montanhas de lixo. As cegonhas brancas migratórias estão a ser atraídas para os aterros para se alimentarem e o plástico que comem está a revelar-se fatal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Níveis de metano na atmosfera aumentam rapidamente e ninguém sabe ao certo porquê

Como reduzir as emissões de metano nos aterros?

Fuga de metano faz vários mortos em mina da Sérvia