Como reduzir as emissões de metano nos aterros?

Como reduzir as emissões de metano nos aterros?
Direitos de autor euronews
De  Jeremy Wilks
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Reportagem de Climate Now na Polónia. Veja ainda a razão para as temperaturas extraordinariamente elevadas que se fizeram sentir na Gronelândia em setembro.

PUBLICIDADE

O metano é um poderoso gás com efeito de estufa, 84 vezes mais potente que o dióxido de carbono durante um período de 20 anos, pelo que a redução do metano é parte da solução para abrandar o aquecimento global.

Este aterro sanitário perto de Cracóvia recolhe diariamente centenas de toneladas de resíduos domésticos, resíduos que produzirão metano se for deixado apenas a decompor-se.

Após a triagem, é compostado na presença de um bom fluxo de oxigénio - um primeiro passo para conter a emissão de metano, como explica o gerente Adam Królikowski: "Este processo de compostagem não produz metano porque é um processo aeróbico. Portanto, aqui o bioreactor de compostagem tem tubos no chão que arejam o material, o que acelera o processo de compostagem".

Os resíduos acabam por ser compactados e cobertos com terra. Continuam a produzir metano, pelo que os operadores extraem o gás e utilizam-no para energia.

"Aqui temos um sistema de extração de gás ativo e o metano é extraído do aterro sob pressão. Há uma pressão negativa ou vácuo nestes tubos que traz o biogás para uma central bioeléctrica onde a eletricidade é produzida", diz Królikowski.

O metano é mais leve do que o ar e continua a escapar, apesar das bombas de vácuo.

Marcin Kalembka trabalha para detetar as plumas de gás: "Detetámos uma pequena fuga, mas é bastante pequena". Agora precisamos de a marcar nos mapas e passar esta informação aos gestores dos aterros para que possam tomar medidas corretivas", explica.

Na UE, um quarto das emissões de metano produzidas pelo homem provém de resíduos, e muitos aterros sanitários não estão devidamente equipados para capturar o gás. Mas fazê-lo faz sentido em vários aspetos, segundo o cientista Jaroslaw Necki: "Esta é, sem dúvida, uma medida mais rápida do que a redução das emissões de carbono. A redução das emissões de metano parece fácil, quanto mais não seja porque traz também um claro benefício financeiro para as empresas envolvidas. Por conseguinte, é rentável não só por razões climáticas, mas também por razões financeiras".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Temperaturas recorde de 2022 podem tornar-se norma

Cientistas estudam resistência de cereais às alterações climáticas

A erosão costeira numa cidade da Bretanha na linha da frente das alterações climáticas