EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Grécia: "A pertença à zona euro é irrevogável", avisa Bruxelas

Grécia: "A pertença à zona euro é irrevogável", avisa Bruxelas
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva com Lusa, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Comissão Europeia nega possível saída da Grécia da zona euro, retomada pela revista alemã Der Spiegel, que cita posição do governo de Angela Merkel

PUBLICIDADE

A eventual saída da Grécia da zona euro está aquecer a atualidade política da União Europeia (UE) e a mais recente acha para a fogueira foi o artigo publicado pela Der Spiegel.

A revista alemã escreveu que o governo de Angela Merkel não vê essa saída como preocupante porque a moeda única está agora mais estável.

Mas Bruxelas recorda que não está previsto um mecanismo para abandonar o clube.

Uma porta-voz da Comissão Europeia, Annika Breidthardt, frisou, esta segunda-feira, que “de acordo com o artigo 140.º, parágrafo 3, a pertença à zona euro “é irrevogável”, citando os Tratados da UE.

Contactado pela euronews, o analista económico Daniel Gros, reconhece que o cenário é agora menos agudo do que quando a Grécia chegou ao fim do primeiro resgate.

O diretor do Centro de Estudos de Política Europeia (CEPE) considera que “a situação é muito diferente de 2012 porque ninguém pode forçar a Grécia a sair. Se, neste momento, a Grécia quiser permanecer na zona euro, não vai precisar de muito dinheiro emprestado. Não era esse o caso na altura. Logo, se o novo governo grego disser que não paga a dívida, mas que quer manter o país na zona euro, há pouco que alguém possa fazer do ponto de vista jurídico ou prático”.

O debate deverá manter-se até às eleições legislativas antecipadas do próximo dia 25.

O partido de esquerda radical Syriza está à frente nas sondagens, tendo o seu líder prometido acabar com a austeridade.

Daniel Gros afirma que “a Alemanha pode decidir pôr cobro à austeridade. Alguns outros países também. Mas não a Grécia, porque simplesmente não tem dinheiro para isso”.

Desde 2010, que os gregos vivem os efeitos de dois pacotes de resgate, no valor total de 240 mil milhões de euros. Esta é a terceira vez que são chamados às urnas desde então.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

G7 vai explorar formas de utilizar os ativos russos congelados para ajudar Kiev

Mais de 100 mortos num deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné

Prosseguem os combates em Gaza apesar da decisão do TIJ que obriga Israel a pôr termo à ofensiva em Rafah