EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"Brexit": Cameron mostra-se satisfeito com propostas da União Europeia

"Brexit": Cameron mostra-se satisfeito com propostas da União Europeia
Direitos de autor 
De  Pedro Sacadura com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, considera o esboço das propostas de acordo com o Reino Unido, apresentado pelo presidente do Conselho

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, considera o esboço das propostas de acordo com o Reino Unido, apresentado pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, um “verdadeiro progresso”, mas ressalva que “ainda há algum trabalho por fazer.”

O conteúdo consta de uma carta enviada aos líderes europeus por Tusk, que referiu nas redes sociais que “estar ou não estar junto, é a questão”, revelando, assim, a prioridade em manter a unidade europeia.

To be, or not to be together, that is the question… My proposal for a new settlement for #UKinEUhttps://t.co/w4VSmnbahQ

— Donald Tusk (@eucopresident) febrero 2, 2016

O documento contempla as reformas exigidas por Londres para renegociar a posição do Reino Unido na União Europeia. Uma das matérias mais polémicas até ao momento, traduz-se, agora, na proposta de criação de um “mecanismo de salvaguarda”, que representa, na prática, um “travão” de emergência para os benefícios sociais de trabalhadores comunitários em caso de imigração excessiva.

“No início deste processo, elencámos as quatro áreas em que queremos mudanças substanciais e este documento apresenta essas alterações. Claro que ainda há detalhes a serem trabalhados. Ainda há coisas importantes para assegurar e a negociação no Conselho Europeu. O trabalho é difícil, mas fizemos progressos”, sublinhou, esta terça-feira, o primeiro-ministro britânico.

À luz do documento, apresentado por Donald Tusk, não se compromete o Reino Unido a mais integração política.

Em matéria de soberania, os parlamentos nacionais poderão, sobre certas condições, bloquear propostas legislativas comunitárias que contrariam os interesses nacionais. O chamado sistema de “cartão vermelho.”

A proposta apresentada por Tusk também proíbe qualquer tipo de discriminação contra empresas ou pessoas que não utilizem o euro como moeda.

O primeiro-ministro britânico e os parceiros europeus tentarão acertar agulhas e alcançar um acordo na próxima cimeira europeia, dentro de duas semanas. Esta sexta-feira realiza-se a primeira reunião de negociadores dos 28 para trabalhar a proposta.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cameron: propostas da UE são "um verdadeiro progresso"

Von der Leyen recusa participar no debate entre líderes sobre os cargos de topo da UE

Acordo de ajuda à Ucrânia dos líderes do G7 já é considerado “histórico”