"A NATO vai juntar-se à luta contra o Daesh", assegura secretário-geral

"A NATO vai juntar-se à luta contra o Daesh", assegura secretário-geral
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Em entrevista à euronews, o secretário-geral da NATO assegurou que a organização se vai juntar à luta contra o Daesh. Jens Stoltenberg precisou, ao correspondente em Bruxelas, Andrei Beketov, que esse

PUBLICIDADE

O correspondente da euronews em Bruxelas, Andrei Beketov, entrevistou o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, pouco antes da cimeira da organização.

Andrei Beketov/euronews: secretário-geral, a cimeira será, também, a ocasião para inaugurar a nova sede, mas, infelizmente, voltamos a confrontarmo-nos com outra atrocidade, desta vez em Manchester. Não chegou a hora da NATO se juntar à coligação contra o Daesh e de o combater?

Jens Stoltenberg/secretário-geral da NATO: A NATO decidirá, hoje, que se vai juntar à luta contra o Daesh, participando num plano de ação que tem vários componentes. Um deles é o apoio logístico à coligação com os nossos aviões de vigilância aérea e nos esforços de reabastecimento de combustível no ar. Vamos, também, estabelecer uma nova célula de recolha de informações secretas sobre terrorismo, especialmente sobre a questão dos combatentes estrangeiros. Portanto, estamos a fazer muito para intensificar os nossos esforços na luta contra o terrorismo internacional.

Andrei Beketov/euronews: E no que toca a enviar soldados para combate? Ou será algo apenas simbólico?

Jens Stoltenberg/secretário-geral da NATO: Isto não é simbólico, trata-se de uma forte mensagem política de unidade na luta contra o terrorismo e de uma plataforma para melhorar a cooperação prática e apoiar a coordenação dos esforços da NATO e dos outros parceiros da coligação. A NATO não vai desempenhar um papel no combate, mas dar formação e reforçar a capacidade logística.

Andrei Beketov/euronews: Vai reunir-se com o Presidente norte-americano. Qual é o impacto que a política de Trump está a ter na despesa europeia com a defesa?

Jens Stoltenberg/secretário-geral da NATO: Trump espera que os aliados europeus da NATO, bem como o Canadá, cumpram o que foi decidido em 2014. Claro que penso que isso é importante, não só para agradar os Estados Unidos, mas porque é do interesse da segurança europeia investir mais na defesa, já que o mundo se tornou mais perigoso. Isso é exatamente o que estamos a fazer: 2015 foi o primeiro ano em que não se fizeram cortes nos gastos europeus com a defesa, após muitos anos de decréscimo. Em 2016, foi feito um aumento significativo. Assim, os aliados europeus da NATO realmente mudaram de estratégia: após muitos anos de cortes, a despesa com a defesa começou a crescer novamente. E esse é o caminho certo.

Andrei Beketov/euronews: Donald Trump não vê a Rússia como uma ameaça. Pensa que pode convencê-lo disso ou vai suavizar a sua própria postura?

Jens Stoltenberg/secretário-geral da NATO: A NATO tem uma posição muito clara sobre a Rússia, que passa por combinar uma atitude fortemente dissuasora com o diálogo. Não podemos escolher entre o diálogo com a Rússia e a dissuasão. Precisamos de ambos. Não há contradição entre ter uma defesa forte e prosseguir o diálogo político. Conheci o Presidente Trump, há algumas semanas, na Casa Branca. Ele partilha e apoia essa abordagem da NATO para com a Rússia – defesa e diálogo. A Rússia é o nosso maior vizinho e não vai a lado nenhum. A NATO não quer uma nova Guerra Fria ou uma corrida ao armamento. Assim, temos de nos empenhar no diálogo político com a Rússia, mas com base numa capacidade de defesa coletiva e de dissuasão que seja credível.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agricultores criticam "medidas neoliberais", em protesto junto das instituições da UE

Esquerda europeia elege Walter Baier como candidato principal para as eleições de junho

Macron enfrenta manifestantes na Feira de Agricultura de Paris