Parlamento Europeu pede clareza e rapidez a Londres

Parlamento Europeu pede clareza e rapidez a Londres
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Parlamento Europeu (PE) pede a Londres que seja claro e o mais rapidamente possível face ao Brexit.

PUBLICIDADE

O Parlamento Europeu (PE) pede a Londres que seja claro e o mais rapidamente possível face ao Brexit. O principal negociador do PE, Guy Verhofstadt, quer que o Governo britânico clarifique se vai manter a linha anunciada na carta de 29 de março ou se vai mudar de posição.

“Espero que as negociações possam começar o mais depressa possível, na próxima semana, e é absolutamente necessário acabar com a incerteza que existe há meses para os cidadãos do Reino Unido e da União Europeia”, afirma Verhofstadt.

Em Estrasburgo, o eurodeputado britânico Syed Kamall, do grupo conservador, explica a posição da primeira-ministra Theresa May: “A primeira-ministra foi sempre bastante clara acerca disto. Ela nunca gostou das expressões “Brexit duro”, “Brexit suave”, “Brexit limpo”, seja o que for. Ela disse sempre que quer o melhor Brexit. Algumas das pessoas com quem falei disseram-me que querem um Brexit suave. Na verdade, nem querem sair. E outras pessoas defendem um Brexit duro, sem qualquer acordo. Penso que têm de chegar a um acordo. Vamos apenas obter o melhor Brexit para a União Europeia e para o Reino Unido”.

“A questão do prazo para as negociações é muito importante, porque o Parlamento Europeu tem de dar um consentimento final ao acordo do Brexit. O prazo atual é março de 2019, porque as eleições europeias decorrerão em junho desse ano e não deverão ser eleitos deputados britânicos” sublinha a enviada da Euronews a Estrasburgo, Isabel Marques da Silva.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quase dois terços dos cidadãos da UE "provavelmente" vão votar nas eleições de junho, segundo uma nova sondagem

UE quer alargar as sanções contra o Irão na sequência do ataque a Israel

Polícia de Bruxelas tenta evitar conferência populista de direita onde estava Orbán