EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Eurodeputados pedem justiça para jornalista assassinada

Eurodeputados pedem justiça para jornalista assassinada
Direitos de autor 
De  Isabel Silva
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

Depois de apelar a um minuto de silêncio em memória de Daphne Caruana Galizia, o presidente do Parlamento Europeu defendeu a intervenção da Europol no inquérito ao atentado à bomba que vitimou a jornalista maltesa.

Conhecida pela investigação de casos de corrupção, a jornalista era alvo de ameaças de morte.

“As nossas instituições estão a falhar, o Estado de direito em Malta é problemático, temos um sistema institucional enfraquecido e temos de corrigir tudo isto. E alguém deveria assumir a responsabilidade por essa situação”, disse David Casa, eurodeputado maltês de centro-direita. em entrevista à euronews.

#EPlenary honoured murdered Maltese journalist Daphne Caruana Galizia w minute’s silence. Media freedom debate pm https://t.co/iSXc8GKMTEpic.twitter.com/WDeMLhwsI0

— European Parliament (@Europarl_EN) October 24, 2017

Dedicada à investigações sobre corrupção, a jornalista tinha em mãos mais um caso quente, segundo um eurodeputado alemão.

“É muito importante encontrar os assassinos de Daphne, mas também é preciso levar a sério o trabalho dela. Deve haver uma investigação completa e independente, com apoio internacional, por exemplo, vindo do procurador anti-máfia da Itália sobre alguns dos casos que a Daphne revelou”, disse Sven Giegold, ecologista.

O eurodeputado refere-se a uma investigação sobre uma rede ilícita de contrabando de combustível a operar na Líbia, Malta e Itália.

O procurador italiano Carmelo Zuccaro disse que a rede de crime organizado implicada no caso poderá estar por trás do assassinato da jornalista.

Cancelar Ace

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Temos de fechar os céus de Kharkiv", diz Presidente da Câmara

França: extrema-direita quer maioria absoluta nas legislativas antecipadas

Secretário-Geral da NATO diz que China pode enfrentar sanções por ajudar a Rússia