EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Brexit: Tusk confia que Londres cumprirá ultimato para fechar divórcio

Brexit: Tusk confia que Londres cumprirá ultimato para fechar divórcio
Direitos de autor 
De  Isabel Silva com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O presidente do Conselho Europeu exigiu ao Reino Unido progressos nas negociações do Brexit "o mais tardar até ao princípio de dezembro".

PUBLICIDADE

O presidente do Conselho Europeu exigiu ao Reino Unido progressos nas negociações do Brexit “o mais tardar até ao princípio de dezembro”.

Em declarações exclusivas à euronews, Donald Tusk disse estar otimista sobre a capacidade do governo de Londres de cumprir o prazo.

“Não há nenhum impasse, sinto-me confiante, muito mais seguro disso depois do meu encontro com Theresa May. Tudo é possível. Não sou a pessoa responsável pelas negociações, mas quando há uma boa atmosfera política e uma muito visível boa vontade – de ambos os lados – isso significa que ainda temos a possibilidade de alcançar o primeiro objetivo, ou seja, terminar a primeira fase das negociações. Sou cauteloso, mas estou otimista”, disse, em entrevista à euronews.

Sweden today: Social Summit for Fair Jobs & Growth https://t.co/N12FHWjc1t#SocialSummit17#CSR#EUpic.twitter.com/ecC7im7YRd

— Alla Kos (@AllaKos_Dev) November 17, 2017

Avisos feitos durante a chamada cimeira social, sexta-feira, na cidade sueca de Gotemburgo, na qual os líderes da União Europeia assinaram o “Pilar Europeu dos Direitos Sociais”.

A posição britânica tem sido um travão nesta matéria, confirmou, por seu lado, o presidente da Comissão Europeia, em conferência de imprensa.

“O Reino Unido gosta, um pouco mais frequentemente do que outros países, de bloquear o progresso em questões sociais. Nunca foi por uma questãode de princípio. Penso que após a saída do Reino Unido tudo será mais fácil, o que significa que tudo será mais complicado de agora em diante”, afirmou Jean-Claude Juncker.

Está assinada a Proclamação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais. Um compromisso determinante para uma União Europeia com mais crescimento e emprego que não sacrifica os seus padrões sociais.#socialsummit17#socialpillar#socialeurope#socialrightspic.twitter.com/8KEws1UvZr

— António Costa (@antoniocostapm) November 17, 2017

“Os líderes da UE reuniram-se na Suécia para a primeira cimeira social, tendo assinado uma declaração com 20 princípios para promover melhor emprego e direitos sociais. Embora não se esteja a criar uma chamada união social, com um texto juridicamente vinculativo, os líderes comunitários afirmam que este é um primeiro passo na direção de uma Europa mais social”, acrescenta a enviada especial da euronews, Efi Koutsokosta.

O primeiro-ministro português, António Costa, considerou que a proclamação do “Pilar Europeu dos Direitos Sociais” é um “primeiro passo muito importante”, mas advertiu que “agora há que lhe dar continuidade”, concretizando medidas que beneficiem os cidadãos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Von der Leyen recusa participar no debate entre líderes sobre os cargos de topo da UE

Acordo de ajuda à Ucrânia dos líderes do G7 já é considerado “histórico”

Zelenskyy agradece aos EUA e ao Japão pelos pactos de segurança "históricos" no primeiro dia da cimeira do G7