Húngaros descontentes com as pressões europeias

Húngaros descontentes com as pressões europeias
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Na origem do protesto está uma carta enviada por vários pesos pesados da União Europeia defendendo a suspensão dos financiamentos de Bruxelas

PUBLICIDADE

Manifestantes húngaros protestaram esta quarta-feira em Bruxelas junto ao Parlamento europeu. Na origem do protesto está uma carta enviada por vários pesos pesados da União Europeia ao Presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, defendendo a suspensão dos financiamentos de Bruxelas até ao restabelecimento do que designam como “as liberdades democráticas básicas e a luta contra a corrupção”.

“Este tipo de iniciativa vai contra a lei europeia porque não existe este tipo de regulação, ou seja, o financiamento dos países europeus não pode depender da posição da Comissão Europeia relativamente à política migratória”, afirma o advogado e ativista húngaro, Gaudi Nagy Tamás.

O primeiro-ministro húngaro Viktor Orban encontra-se em rota de colisão com a Comissão Europeia devido ao controverso problema das quotas migratórias. No entanto, o problema tem raízes mais profundas, segundo o eurodeputado alemão Elmar Brok.

“Esta carta levanta uma questão muito complicada e é por isso que a Comissão tem razão ao exercer pressão sobre a Hungria e a Polónia e, até certo ponto, sobre a Roménia, de forma a fazer estes países cumprirem os princípios da democracia, do estado de direito e da separação de poderes. Feitas as contas, foi na base dessa condição que estes países foram admitidos na União Europeia. Agora é preciso garantir que cumprem o prometido”, diz.

A carta enviada à Comissão Europeia foi assinada por Hans Eichel, antigo ministro alemão das finanças e três antigos comissários da UE, Pascal Lamy, Franz Fischler e Yannis Paleokrassas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quase dois terços dos cidadãos da UE "provavelmente" vão votar nas eleições de junho, segundo uma nova sondagem

UE quer alargar as sanções contra o Irão na sequência do ataque a Israel

Polícia de Bruxelas tenta evitar conferência populista de direita onde estava Orbán